Jump to content

Varig pode não conseguir cumprir exigências da Anac


-GustavoK-

Recommended Posts

Fonte: Estadão Online

 

Segundo o presidente da companhia, as operações domésticas devem voltar a ser realizadas, mas pode haver dificuldades na retomada dos vôos internacionais

 

Mônica Ciarelli e Alberto Komatsu

 

RIO - A Varig só tem condições de atender parcialmente a determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de retomar os vôos que, a partir desta sexta-feira, foram suspensos por uma semana. A informação é do presidente da companhia aérea, Marcelo Bottini. Segundo o executivo, há chances de apenas a operação doméstica voltar a ser realizada, mas pode haver dificuldades na retomada dos vôos para o mercado internacional.

 

A Varig e sua nova controladora, a VarigLog, contou Bottini, estão em negociação com empresas arrendadoras de aeronaves para definir a nova malha de vôos. A ex-subsidiária também negocia o aluguel de mais aviões, já que até quinta-feira só havia 13 em operação. A VarigLog chegou a informar, na manhã de ontem, que havia acertado com a Anac um acordo para facilitar o atendimento aos clientes da Varig afetados pela suspensão de vôos.

 

Na quinta-feira, a companhia anunciou que até o dia 28 só irá operar os vôos da ponte aérea. A intenção da quase paralisação seria um levantamento do estado dos aviões (são necessárias apenas quatro unidades para atender 36 vôos da ponte aérea, segundo especialistas) e a identificação das rotas mais rentáveis.

 

Após o leilão da Varig, na quinta-feira, o presidente da Anac, Milton Zuanazzi, informou que a compradora tinha prazo de 30 dias após a homologação da compra para comprovar se tem condições de voltar a operar as rotas que estão paradas, e vem sendo atendidas por outras companhias aéreas, por meio de um plano de contingência montado pela própria agência.

 

Demissões

 

Além das cerca de 8 mil demissões que a Varig deverá fazer para ajustar a operação da nova Varig, com custo de rescisão estimado em US$ 65 milhões, outros 3.340 cortes poderão ser realizados em empresas que prestam serviços para a companhia aérea, elevando o número de dispensas em torno das atividades da Varig para 11.340. O cálculo é do Sindicato Nacional dos Aeroviários.

 

De acordo com a presidente do sindicato, Selma Balbino, as demissões estão sendo negociadas pela Sata, empresa de serviços aeroportuários controlada pela Fundação Ruben Berta (2 mil cortes), pela VEM Engenharia e Manutenção, ex-subsidiária de manutenção (1.000 dispensas), pela Gate Gourmet, maior fornecedora de comida de bordo (140 demissões) e pela própria fundação (em torno de 200 pessoas demissionárias). A fundação informou que não comenta o assunto. A Sata, a VEM e a Gate Gourmet foram procuradas, mas não retornaram até o final da tarde desta sexta-feira .

 

"Estamos pedindo uma agenda urgente com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, na semana que vem para que os trabalhadores do setor aéreo possam ter o mesmo tratamento que os do setor calçadista", afirma Selma. Ela se referiu à decisão do governo de aumentar de 3 para 5 meses o pagamento do seguro-desemprego para os trabalhadores das empresas de calçados. A medida foi publicada anteontem no Diário Oficial da União.

 

Poucas horas depois do leilão da Varig, no qual a VarigLog arrematou a ex-controladora por uma oferta total de US$ 505 milhões, o Sindicato Nacional dos Aeronautas informou que a VarigLog pretende contratar 1.680 funcionários, nos próximos 60 dias, para operar 15 aviões da nova Varig. No prazo de 12 meses, o objetivo da ex-subsidiária é o de ter uma frota de 30 unidades, numa média mensal de 2 aeronaves por mês. A lista definitiva das demissões da Varig deve ser divulgada no início da semana.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade