Jump to content

Céu nada azul no Rio


MulekeMinduim

Recommended Posts

AVIAÇÃO

Céu nada azul no Rio

 

David Neeleman tentou, tentou, mas Sergio Cabral não fez muito esforço, sabe-se lá porque, para que a Azul tivesse sua base operacional no Rio de Janeiro - mais especificamente no aeroporto Santos Dumont.

 

A Azul, que ainda este ano estará voando, deve ficar mesmo no aeroporto de Viracopos, em Campinas.

 

Suspeita-se que o desinteresse de Cabral esteja ligado ao seu objetivo de fortalecer o Galeão. Cabral pensa, dia e noite, em privatizá-lo.

 

Por Lauro Jardim - 08:45

FONTE: Radar On-Line Veja.com

 

Sinal de que nem o Cabral confia na ANArC.

Ou que as apostas nesse pôquer estão altas... :6:

 

Abraços;

Minduim

:thumbsdown_still:

Link to comment
Share on other sites

Se esse foi o preço, foi justo. Que opere a partir de GIG. Não sei qual o problema em fazer como todas as outras fazem com sucesso.

 

VCP é uma sido escolha, mas imagino que CNF ou mesmo GIG teriam sido melhores opções. Não entendo como o Neeleman primeiro luta por um hub em um aeroporto central (SDU) e depois vai procurar um nada muito central (VCP). Seguindo a lógica, estaria procurando CGH!

 

Aliás, o mesmo autor publica uma nota dizendo que a ANAC vai liberar vôos a partir de SDU e outra dizendo que a permanência da restrição vai impedir a Azul de lá ter uma base. O que esse Lauro Jardim quer dizer, afinal?

Link to comment
Share on other sites

Aliás, o mesmo autor publica uma nota dizendo que a ANAC vai liberar vôos a partir de SDU e outra dizendo que a permanência da restrição vai impedir a Azul de lá ter uma base. O que esse Lauro Jardim quer dizer, afinal?

 

Não, ele não escreveu isso. Se a Azul não vai ter uma base no SDU, isso é positivo, porque a pressão sobre o SDU não será tão grande.

Link to comment
Share on other sites

Antes de ir à uma palestra do David Neeleman , eu pensava desse jeito também. Achava que mais operações no SDU iria diminuir o fluxo no GIG. Depois de escutar o que ele disse , tive que concordar com o presidente da Azul.

 

Alguns vôos entre SDU e VCP , BSB e CNF (além de NVT,RAO,LDB e UDI) na minha opinião não tiraria a demanda existente dos vôos internacionais do GIG.

Quem é de VCP pode pegar um vôo internacional em GRU , BSB e CNF já contam com operações para Europa , não precisando se deslocar até o GIG . A cidade mineira também já conta com vôos da American e Copa que levam diretamente ou indiretamente para os Estados Unidos.

 

Todas as outras cidades que eu não citei , ajudam a aumentar o tráfego entre o GIG e as cidades internacionais , por isso devem ficar no Aeroporto Interncional.

 

Se o Sr. David Neeleman quer operar no SDU , a ANAC deveria ceder poucos slots só para algumas cidades já citadas , com preços maiores em comparação à uma operação no GIG.

 

Achando que a Azul operando no SDU vai esvaziar o GIG , na minha opinião , vocês estão falando que a cidade do Rio de Janeiro não tem demanda pra tanto vôo.

 

É claro que o número de passageiros não se compara com São Paulo , mas na capital paulista consegue-se operar com dois aeroportos com vários destinos iguais. No Rio , creio que não seria diferente , claro com menos vôos , mas oferecendo uma opção pra quem quer chegar mais rápido ao centro da capital carioca.

Link to comment
Share on other sites

Essa coluna radar perdeu toda credibilidade.

Ontem esse L.Jardim escreve um coisa e hoje escreve outra. Vai saber.

 

Link to comment
Share on other sites

Não, ele não escreveu isso. Se a Azul não vai ter uma base no SDU, isso é positivo, porque a pressão sobre o SDU não será tão grande.

 

Escreveu sim, Coiote. Você mesmo postou em um tópico. E eu sei que seria negativíssimo ter base no SDU, nesse trecho eu só estava comparando as duas notas.

 

Apesar do lobby em contrário feito por Sérgio Cabral, a Anac decidiu aumentar em pelo menos 50% o número de pousos e decolagens diários no Aeroporto Santos Dumont, que hoje opera vôos apenas para São Paulo. Até o Carnaval, de lá sairão aviões para várias cidades. Se a crise econômica não atrapalhar, ótimo: mais empresas, mais competição e mais vôos.

 

Fonte: Radar, Lauro Jardim - Veja de 12/11/2008

 

E agora:

 

David Neeleman tentou, tentou, mas Sergio Cabral não fez muito esforço, sabe-se lá porque, para que a Azul tivesse sua base operacional no Rio de Janeiro - mais especificamente no aeroporto Santos Dumont.

 

Por Lauro Jardim - 08:45

FONTE: Radar On-Line Veja.com

 

Na primeira, o Sergio Cabral não conseguiu nada, a ANAC acabará com as restrições e, subentende-se, a Azul vai estar baseada em SDU. Na segunda, é justamente o contrário!

 

Eu concordo com o Morteo. Para mim, uma coluna que emite duas coisas opostas como se fossem verdades em tào pouco espaço de tempo (essa Veja está na banca) não merece credibilidade.

Link to comment
Share on other sites

Antes de ir à uma palestra do David Neeleman , eu pensava desse jeito também. Achava que mais operações no SDU iria diminuir o fluxo no GIG. Depois de escutar o que ele disse , tive que concordar com o presidente da Azul.

 

Alguns vôos entre SDU e VCP , BSB e CNF (além de NVT,RAO,LDB e UDI) na minha opinião não tiraria a demanda existente dos vôos internacionais do GIG.

Quem é de VCP pode pegar um vôo internacional em GRU , BSB e CNF já contam com operações para Europa , não precisando se deslocar até o GIG . A cidade mineira também já conta com vôos da American e Copa que levam diretamente ou indiretamente para os Estados Unidos.

 

Todas as outras cidades que eu não citei , ajudam a aumentar o tráfego entre o GIG e as cidades internacionais , por isso devem ficar no Aeroporto Interncional.

 

Se o Sr. David Neeleman quer operar no SDU , a ANAC deveria ceder poucos slots só para algumas cidades já citadas , com preços maiores em comparação à uma operação no GIG.

 

Achando que a Azul operando no SDU vai esvaziar o GIG , na minha opinião , vocês estão falando que a cidade do Rio de Janeiro não tem demanda pra tanto vôo.

 

É claro que o número de passageiros não se compara com São Paulo , mas na capital paulista consegue-se operar com dois aeroportos com vários destinos iguais. No Rio , creio que não seria diferente , claro com menos vôos , mas oferecendo uma opção pra quem quer chegar mais rápido ao centro da capital carioca.

 

 

 

O problema não é esse. Mas, tão cedo a Azul consiga levantar as restrições, para mim é óbvio que TAM e Gol não vão continuar como honradas defensoras do Galeão. O problema é quando essas duas, as grandes operadoras de GIG, resolverem se picar do aeroporto para ir operar no super-premium SDU.

 

Muita gente de VCP se conecta em GIG. E de fato é a opção mais prática. Você tem de dirigir toda a Bandeirantes até GRU e lá chegar 3h antes do seu vôo. Isso significa um espaço de quanto tempo entre sair de casa de pegar o avião para o destino final, em um dia comum? 5 horas? 5 horas e meia? Pelo menos fazendo VCP-GIG-XXX pode-se chegar em Viracopos, que é um aeroporto mais tranqüilo que o frenético GRU, despachar a sua mala para o destino final lá mesmo e a sua próxima preocupação é entrar em um avião, sair dele e entrar em outro. Para destinos como MIA, JFK, LIS, OPO ou CDG, acho que GIG é melhor opção que GRU.

 

BSB e CNF vão ter conexões para EUA e Europa, mas sempre vai ter quem prefira pegar um vôo da Air France, British ou Lufthansa, seja porque prefere tal companhia por conforto ou por conveniência (FFP, etc).

 

E essas são importantíssimas para que GIG continue bastante movimentado como hub. Não apenas no plano internacional, mas também em vôos mais longos (refiro-me a VCP), considerando que não existe VCP-VIX, VCP-BEL, VCP-MAO, VCP-REC, VCP-FOR, e de novo acho que GIG é muito mais conveniente que GRU.

 

Não é questão de diminuir o Rio. O fato é que GIG fica seriamente ameaçado com essa abertura de SDU. Que mal tem em afirmar que não há a demanda suficiente? Mas é a verdade, o fato é que o Rio agora não consegue operar com SDU e GIG cheinhos e não imagino que esteja nos planos de nenhuma empresa promover uma divisão igualitária que não comprometa a malha aérea da cidade. GIG precisa de todo o apoio para se consolidar como aeroporto principal do Rio de Janeiro.

 

Se SP não fosse base principal da TAM, e CGH estivesse operando com 50% da capacidade, alguém acha que ela hesitaria em transferir diversos serviços de Guarulhos para Congonhas? Eu acho que não.

 

Vai ficar que nem Congonhas. As companhias não vão parar de encher o Santos-Dumont até aquela budega explodir, ter algum acidente sério, um discursinho do governo, algo assim.

 

Se houvesse a garantia de que só a Azul fosse operar em SDU, menos mal, até concordaria. Mas não é o caso.

Link to comment
Share on other sites

O problema não é esse. Mas, tão cedo a Azul consiga levantar as restrições, para mim é óbvio que TAM e Gol não vão continuar como honradas defensoras do Galeão. O problema é quando essas duas, as grandes operadoras de GIG, resolverem se picar do aeroporto para ir operar no super-premium SDU.

 

Isso eu concordo com você , por isso que deveria haver uma quantidade de slots restrita a cada empresa , com um certo limite de assentos que poderiam ser vendidos em cada trecho ( operações do A319 e 737-700 por exemplo ).

 

Muita gente de VCP se conecta em GIG. E de fato é a opção mais prática. Você tem de dirigir toda a Bandeirantes até GRU e lá chegar 3h antes do seu vôo. Isso significa um espaço de quanto tempo entre sair de casa de pegar o avião para o destino final, em um dia comum? 5 horas? 5 horas e meia? Pelo menos fazendo VCP-GIG-XXX pode-se chegar em Viracopos, que é um aeroporto mais tranqüilo que o frenético GRU, despachar a sua mala para o destino final lá mesmo e a sua próxima preocupação é entrar em um avião, sair dele e entrar em outro. Para destinos como MIA, JFK, LIS, OPO ou CDG, acho que GIG é melhor opção que GRU.

 

Isso depende , é uma coisa muito pessoal . Nós do interior paulista muitas vezes não prestigiamos Viracopos . Eu que sou de Sorocaba (fica uns 45 , 50 minutos de VCP) não iria para VCP , para pegar um vôo para o GIG e depois ir à Europa. Prefiro ir direto a GRU de carro e de lá ir à Europa. E tem muita gente que faz isso também . Aliás não conheço ninguem daqui que tenha ido ao GIG pegar um vôo internacional.

 

BSB e CNF vão ter conexões para EUA e Europa, mas sempre vai ter quem prefira pegar um vôo da Air France, British ou Lufthansa, seja porque prefere tal companhia por conforto ou por conveniência (FFP, etc).

 

De novo questões pessoais , mas na minha opinião é mais fácil fazer BHZ-LIS-CDG , do que BHZ-GIG-CDG , mas que nem você disse , e eu concordo , é uma questão pessoal.

 

E essas são importantíssimas para que GIG continue bastante movimentado como hub. Não apenas no plano internacional, mas também em vôos mais longos (refiro-me a VCP), considerando que não existe VCP-VIX, VCP-BEL, VCP-MAO, VCP-REC, VCP-FOR, e de novo acho que GIG é muito mais conveniente que GRU.

 

Se a Azul tiver sua base em VCP , pelo o que eu espero haverá alguns vôos deste tipo , ligando VCP a várias cidades do Brasil , não necessitando ir para o GIG fazer conexão.

 

Não é questão de diminuir o Rio. O fato é que GIG fica seriamente ameaçado com essa abertura de SDU. Que mal tem em afirmar que não há a demanda suficiente? Mas é a verdade, o fato é que o Rio agora não consegue operar com SDU e GIG cheinhos e não imagino que esteja nos planos de nenhuma empresa promover uma divisão igualitária que não comprometa a malha aérea da cidade. GIG precisa de todo o apoio para se consolidar como aeroporto principal do Rio de Janeiro.

 

Se SP não fosse base principal da TAM, e CGH estivesse operando com 50% da capacidade, alguém acha que ela hesitaria em transferir diversos serviços de Guarulhos para Congonhas? Eu acho que não.

 

Vai ficar que nem Congonhas. As companhias não vão parar de encher o Santos-Dumont até aquela budega explodir, ter algum acidente sério, um discursinho do governo, algo assim.

 

Se houvesse a garantia de que só a Azul fosse operar em SDU, menos mal, até concordaria. Mas não é o caso.

 

Por isso que tem que haver um controle da ANAC nessa distribuição de slots do SDU. Hoje em dia o aeroporto esta ocioso , aumentar em 20 , 30 % acho que não seria tão mal a ponto de esvaziar o GIG como era antigamente.

Link to comment
Share on other sites

Se esse foi o preço, foi justo. Que opere a partir de GIG. Não sei qual o problema em fazer como todas as outras fazem com sucesso.

 

VCP é uma sido escolha, mas imagino que CNF ou mesmo GIG teriam sido melhores opções. Não entendo como o Neeleman primeiro luta por um hub em um aeroporto central (SDU) e depois vai procurar um nada muito central (VCP). Seguindo a lógica, estaria procurando CGH!

 

Aliás, o mesmo autor publica uma nota dizendo que a ANAC vai liberar vôos a partir de SDU e outra dizendo que a permanência da restrição vai impedir a Azul de lá ter uma base. O que esse Lauro Jardim quer dizer, afinal?

 

E está! Segundo o próprio Neeleman na palestra em que o Renato mencionou disse: Quer entrar em CGH sim e disse acreditar que ainda há espaço em CGH, porém que a principio realmente a empresa deve ficar de fora de CGH e de GRU mesmo por falta de espaço.

 

 

 

 

Antes de ir à uma palestra do David Neeleman , eu pensava desse jeito também. Achava que mais operações no SDU iria diminuir o fluxo no GIG. Depois de escutar o que ele disse , tive que concordar com o presidente da Azul.

 

Alguns vôos entre SDU e VCP , BSB e CNF (além de NVT,RAO,LDB e UDI) na minha opinião não tiraria a demanda existente dos vôos internacionais do GIG.

Quem é de VCP pode pegar um vôo internacional em GRU , BSB e CNF já contam com operações para Europa , não precisando se deslocar até o GIG . A cidade mineira também já conta com vôos da American e Copa que levam diretamente ou indiretamente para os Estados Unidos.

 

Todas as outras cidades que eu não citei , ajudam a aumentar o tráfego entre o GIG e as cidades internacionais , por isso devem ficar no Aeroporto Interncional.

 

Se o Sr. David Neeleman quer operar no SDU , a ANAC deveria ceder poucos slots só para algumas cidades já citadas , com preços maiores em comparação à uma operação no GIG.

 

Achando que a Azul operando no SDU vai esvaziar o GIG , na minha opinião , vocês estão falando que a cidade do Rio de Janeiro não tem demanda pra tanto vôo.

 

É claro que o número de passageiros não se compara com São Paulo , mas na capital paulista consegue-se operar com dois aeroportos com vários destinos iguais. No Rio , creio que não seria diferente , claro com menos vôos , mas oferecendo uma opção pra quem quer chegar mais rápido ao centro da capital carioca.

 

Concordo :thumbsup:

 

Mas acredito que depende muito do tipo de liberação que a ANAC vai impor. Se for nos moldes que vc citou Renato, sinto muito, mas não tem ninguém aqui nesse fórum que me convença de que não será positivo e que dará para crescer os dois aeroportos simultaneamente. Se forem apenas algumas rotas e com poucos vôos sou totalmente a favor.

 

Agora, se a ANAC abrir as pernas totalmente, liberando tudo pra todos, aí realmente acho que o GIG acabe perdendo.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Escreveu sim, Coiote. Você mesmo postou em um tópico. E eu sei que seria negativíssimo ter base no SDU, nesse trecho eu só estava comparando as duas notas.

 

Apesar do lobby em contrário feito por Sérgio Cabral, a Anac decidiu aumentar em pelo menos 50% o número de pousos e decolagens diários no Aeroporto Santos Dumont, que hoje opera vôos apenas para São Paulo. Até o Carnaval, de lá sairão aviões para várias cidades. Se a crise econômica não atrapalhar, ótimo: mais empresas, mais competição e mais vôos.

 

Fonte: Radar, Lauro Jardim - Veja de 12/11/2008

 

E agora:

 

David Neeleman tentou, tentou, mas Sergio Cabral não fez muito esforço, sabe-se lá porque, para que a Azul tivesse sua base operacional no Rio de Janeiro - mais especificamente no aeroporto Santos Dumont.

 

Por Lauro Jardim - 08:45

FONTE: Radar On-Line Veja.com

 

Na primeira, o Sergio Cabral não conseguiu nada, a ANAC acabará com as restrições e, subentende-se, a Azul vai estar baseada em SDU. Na segunda, é justamente o contrário!

 

Eu concordo com o Morteo. Para mim, uma coluna que emite duas coisas opostas como se fossem verdades em tào pouco espaço de tempo (essa Veja está na banca) não merece credibilidade.

 

Você está vendo coisas, Iluv! Uma notícia foi sobre as restrições, a outra foi sobre a base da Azul. Coisas totalmente distintas. A liberação do SDU não significa que a Azul vai ter base lá.

 

Link to comment
Share on other sites

Pessoal, desculpa mas alguem aqui acreditou nesse papo da base da Azul no SDU?

Aquilo ali foi nada mais nada menos do que um blefe para 2 coisas:

- Conseguir os slots no SDU;

- Não ter que dizer não para o Lula e o Sergio Cabral quando eles pediram para a base da cia ser no Rio para fortalecer a aviaçao naquela cidade.

Link to comment
Share on other sites

Continuo acreditando no que disse anteriormente, a Azul vai apenas operar no Rio, como opera qq outra empresa, TAM e GLO, por exemplo, e chama isso de ter "base" no Rio. NÃO HÁ NEM NUNCA HOUVE planos de ter qq coisa, CTO, CEMAN, baseamento de trip, sede jurídica, administrativa ou operacional nem nd, no Rio.

A Azul, que ainda este ano estará voando, deve ficar mesmo no aeroporto de Viracopos, em Campinas.

:thumbsup: :rev: :ohyes: :drinks: :rofl: :rulez: :jump: :adios:

Link to comment
Share on other sites

Acredito que a base sendo em VCP, será melhor pra todos. Com a base no SDU, o GIG perderia muito, isso está na cara, antes VCP, que poderá ter vários vôos pra lá com a Azul, e abrindo a oportunidade de várias operações serem feitas a partir do GIG. Só pra gente ter uma idéia, o que mais tem em VCP é vôo pro GIG e pra CWB/POA, com a Azul aqui, acredito que ela voará para o SDU, sem tirar pax do GIG, afinal, Gol e Tam continuam voando pra lá. Outra coisa é a questão da estrutura, apesar do SDU já ter hangares que eram da Vasp, em VCP ou em CWB há espaço e tempo para se fazer isso, e ainda é possível fugir de qualquer restrição que possa vir a ser implantada no SDU, devido ao tamanho da pista, afinal CWB tem + de 2000Ms e VCP tem 3240Ms.

Link to comment
Share on other sites

A liberação do SDU não significa que a Azul vai ter base lá.

 

 

Será? :rolleyes:

 

Para mim, tem a ver sim. Aliás, muito a ver. Neeleman queria que SDU fosse o centro das operações da Azul e todas as notícias acerca da liberação de SDU vieram junto com a organização da companhia.

 

Acho até bem claro que tinha bastante vontade da Azul no fim das restrições em SDU.

 

De qualquer maneira, é um belo ganho para a região de Campinas, que certamente vai conseguir uma série de novas opções de vôos diretos e verá o seu aeroporto crescer bastante de movimento.

Link to comment
Share on other sites

Você está vendo coisas, Iluv! Uma notícia foi sobre as restrições, a outra foi sobre a base da Azul. Coisas totalmente distintas. A liberação do SDU não significa que a Azul vai ter base lá.

 

Não tem nada a ver?

Mais escancarado impossível.

A liberação do SDU significa a adoção de SDU como base da Azul. Isso ja foi dito pelo próprio Neeleman várias vezes.

Link to comment
Share on other sites

A liberação do SDU significa a adoção de SDU como base da Azul. Isso ja foi dito pelo próprio Neeleman várias vezes.
Morteo, me desculpe mas

- a VRG DISSE que se o Estado do RJ devolvesse o ICMS cobrado indevidamente, colocaria varios vôos diretos a partir do GIG. Kd?

- a VRN DISSE a msm coisa quando estava pra recomeçar seus vôos pra Europa. Kd?

- a VIR DISSE que ia voar pro GIG e até recebeu freqüências do bilateral pra isso. Kd?

- a PIA DISSE, ao receber o 772LR, que tinha intenções de voar pro GIG. Kd?

Isso é só o que me lembro agora. E outra, se a Azul vier a ter sede no Rio, não se esqueça: sede é coisa mais fácil de ser transferida. A ONE, msm, começou aqui. Por fim, os empregos que a Azul geraria não compensariam nd do que a cidade perderia em outras setores pela falta de ligações diretas.

Link to comment
Share on other sites

Electra, concordo contigo.

 

Eu nem entro nessa discussão se SDU prejudica GIG pois para mim isso é ponto mais que claro, prejudica e muito.

 

A quem não se lembra ou não quer lembrar, abrir SDU-BSB por exemplo significa que muita gente indo para o Nordeste vai por lá. E conforme eu coloquei em tópico anterior, isso corrói o GIG como centro de conexões, e por fim detona os vôos internacionais.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

A quem não se lembra ou não quer lembrar, abrir SDU-BSB por exemplo significa que muita gente indo para o Nordeste vai por lá.
Pois é. :thumbsup: E com eu tb coloquei no outro tópico, em BHZ, não há indícios de que os vôos vão voltar pra PLU, logo, nem é necessário vôos pra BSB, basta SDU-CNF que dá até pra fazer cnxs internacionais tendo o SDU como origem :unsure: .
Link to comment
Share on other sites

Eu nem entro nessa discussão se SDU prejudica GIG pois para mim isso é ponto mais que claro, prejudica e muito.

 

A quem não se lembra ou não quer lembrar, abrir SDU-BSB por exemplo significa que muita gente indo para o Nordeste vai por lá. E conforme eu coloquei em tópico anterior, isso corrói o GIG como centro de conexões, e por fim detona os vôos internacionais.

 

Isso é a coisa mais obvia da aviação brasileira so nao ve quem nao quer...

 

Não é possivel que as pessoas nao vejam o sucesso que os aeroportos de CNF e GIG vem apresentando desde a transferencia das operacoes de SDU e PLU.

Link to comment
Share on other sites

Isso é a coisa mais obvia da aviação brasileira so nao ve quem nao quer...

 

Não é possivel que as pessoas nao vejam o sucesso que os aeroportos de CNF e GIG vem apresentando desde a transferencia das operacoes de SDU e PLU.

 

Pois é, os números de 2003 que postei em outro tópico parece que não dizem nada. :suicide_anim:

E tem uma questão que também me chama a atenção: sempre que se fala na distância dos grandes aeroportos com o centro de suas respectivas cidades, se fala que o Galeão é longe! Isso só pode ser brincadeira, pois dizer que um aeroporto que fica a 15 quilômetros do centro da cidade é longe é no mínimo falta de bom senso, ou falta de agumento, ou sei lá o que. :thumbsdown_still:

Link to comment
Share on other sites

Escreveu sim, Coiote. Você mesmo postou em um tópico. E eu sei que seria negativíssimo ter base no SDU, nesse trecho eu só estava comparando as duas notas.

 

Apesar do lobby em contrário feito por Sérgio Cabral, a Anac decidiu aumentar em pelo menos 50% o número de pousos e decolagens diários no Aeroporto Santos Dumont, que hoje opera vôos apenas para São Paulo. Até o Carnaval, de lá sairão aviões para várias cidades. Se a crise econômica não atrapalhar, ótimo: mais empresas, mais competição e mais vôos.

 

Fonte: Radar, Lauro Jardim - Veja de 12/11/2008

 

E agora:

 

David Neeleman tentou, tentou, mas Sergio Cabral não fez muito esforço, sabe-se lá porque, para que a Azul tivesse sua base operacional no Rio de Janeiro - mais especificamente no aeroporto Santos Dumont.

 

Por Lauro Jardim - 08:45

FONTE: Radar On-Line Veja.com

 

Na primeira, o Sergio Cabral não conseguiu nada, a ANAC acabará com as restrições e, subentende-se, a Azul vai estar baseada em SDU. Na segunda, é justamente o contrário!

 

Eu concordo com o Morteo. Para mim, uma coluna que emite duas coisas opostas como se fossem verdades em tào pouco espaço de tempo (essa Veja está na banca) não merece credibilidade.

 

Teria algo a ver com não-ajuda nos impostos???

 

Fica confuso pq a ANARC ajudou de um lado.

Mas em que o Cabral "atrapalharia" do outro (lado)???

 

Abraços;

Minduim

:thumbsup:

Link to comment
Share on other sites

Volto a afirmar,entre o dia 05 e 15 de dezembro começa os muitos vôos da Azul a partir do SDU, e se a base vai ser ou não no Rio de Janeiro só depende da liberação de um certo Hangar, e mesmo que a base não venha para o Rio de Janeiro, está confirmado as operações da Azul no SDU.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade