Jump to content

Funcionários da Infraero fazem novo protesto contra a privatização


*Fênix*

Recommended Posts

Funcionários da Infraero fazem novo protesto contra a privatização

 

Cerca de 40 pessoas se reuniram no Aeroporto Tom Jobim.

Eles usaram faixas e cartazes para criticar Cabral.

 

Vídeo : http://video.globo.com/Videos/Player/Notic...+GALEAO,00.html

 

Cerca de 40 funcionários da Infraero fizeram um protesto, na manhã de terça-feira (18), no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, subúrbio do Rio.

 

A manifestação é contra a privatização do aeroporto e a possível demissão de 600 funcionários, o que representa 50% do efetivo que trabalha no Galeão.

 

Com faixas e cartazes, eles criticaram o governador Sérgio Cabral, que defende o projeto.

 

Os funcionários acreditam que, com a privatização, alguns serviços como o uso de carrinhos de bagagem e a limpeza do local passem a ser cobrados aos passageiros. No dia 26 de setembro, a Infraero já tinha protestado contra a privatização.

 

Fontes: G1 / Globonews

 

Bônus : Vídeo da declaração de Sérgio Cabral em defesa da privatização: http://video.globo.com/Videos/Player/Notic...M+JOBIM,00.html

Link to comment
Share on other sites

Para eles que protestam a privatização é a declaração do fim das mordomias de funcionário público.

PRIVATIZAÇÃO JA!

Link to comment
Share on other sites

Perder a boquinha ninguém quer. Trabalhar direito então?? Pra que?? Aliás, se trabalhassem direito não teria porque privatizar.

 

Couldn´t agree more

Link to comment
Share on other sites

O protesto é uma forma totalmente válida de exercício da cidadania, desde que não provoque a depredação dos patrimônios público e privado e não afete a liberdade individual. Dessa forma, trata-se de uma manifestação de opinião legítima. Acho que o debate sobre essa importante questão deve ser feito, de forma que se tome profundo conhecimento do assunto para permirtir a efetivaçao de uma decisão acertada sobre o destino do nosso sistema aeroportuário. A existência de opiniões divergentes é o primeiro passo para que se implemente uma boa discussão.

Link to comment
Share on other sites

O protesto é uma forma totalmente válida de exercício da cidadania, desde que não provoque a depredação dos patrimônios público e privado e não afete a liberdade individual. Dessa forma, trata-se de uma manifestação de opinião legítima. Acho que o debate sobre essa importante questão deve ser feito, de forma que se tome profundo conhecimento do assunto para permirtir a efetivaçao de uma decisão acertada sobre o destino do nosso sistema aeroportuário. A existência de opiniões divergentes é o primeiro passo para que se implemente uma boa discussão.

 

Certamente!

Acho que sem duvida ninguem aqui é unanime quanto a questao do modelo entao esta questao sim deve ser discutida.

Mas que a infrazero deve ser exterminada do mapa isso não resta duvida de que 99,99999999999999% é favoravel portanto a discusão ja está encerrada a muitos anos, apenas os funcionarios da infrazero ainda perceberam isso!

Link to comment
Share on other sites

Eu acredito que o problema da Infraero nem seja a incompetência de seus funcionários, mas sim daqueles que ocupam os altos cargos de direção da empresa. Esses da manifestação, coitados, não têm o mínimo de poder de decisão para delegar as políticas da empresa na área comercial e financeira. Agora, aqueles que estão no topo da empresa, onde chegaram através de indicações políticas, estes é que são os verdadeiros flagelos da empresa, e vivem mamando nas suas tetas, seja através dos mega-salários que recebem, seja fraudando licitações. É por causa desses que a Infraero chegou a esse ponto de quase estado de abandono e não por causa daqueles da manifestação.

Link to comment
Share on other sites

Eu como filho de funcionário público (não-infraero) vejo a coisa pelo outro lado. Realmente há "vagabundos" no funcionalismo, e há também em qualquer empresa particular. A diferença é que nas empresas privadas às vezes a pessoa é detectada e eliminada do quadro. Dizer que todos são vagabundos é preconceito/generalização. Muitas vezes as condições de trabalho nas estatais não é fácil, faltando planos de carreira, incentivos, ferramentas de trabalho, etc...coisa que desmotiva qualquer profissional, em qualquer profissão. No meu caso pessoal, minha mãe ficou por 8 anos sem receber nenhum aumento salarial...

Há também uma corrente de divulgação, "jornalismo", que incita a população contra o funcionalismo, com informações desencontradas e muitas vezes inverídicas, ou pelo menos generalizadas.

Não sou a favor da privatização, e sim a favor de uma organização competente. Porém, como sabemos, há uma grande dificuldade em se organizar as empresas públicas, por conta tanto da corrupção dos grandes, como da burocracia.

Não havendo essa organização, aí sim, parte-se para a privatização. Porém com respeito aos funcionários e seus direitos. A grande maioria entrou para o funcionalismo por meio de concursos justos e abertos a qualquer um que quisesse participar (exceto os corruptos de diversos níveis, que entraram sem seleção). Eles devem ser ouvidos sim.

Link to comment
Share on other sites

Eu como filho de funcionário público (não-infraero) vejo a coisa pelo outro lado. Realmente há "vagabundos" no funcionalismo, e há também em qualquer empresa particular. A diferença é que nas empresas privadas às vezes a pessoa é detectada e eliminada do quadro. Dizer que todos são vagabundos é preconceito/generalização. Muitas vezes as condições de trabalho nas estatais não é fácil, faltando planos de carreira, incentivos, ferramentas de trabalho, etc...coisa que desmotiva qualquer profissional, em qualquer profissão. No meu caso pessoal, minha mãe ficou por 8 anos sem receber nenhum aumento salarial...

Há também uma corrente de divulgação, "jornalismo", que incita a população contra o funcionalismo, com informações desencontradas e muitas vezes inverídicas, ou pelo menos generalizadas.

Não sou a favor da privatização, e sim a favor de uma organização competente. Porém, como sabemos, há uma grande dificuldade em se organizar as empresas públicas, por conta tanto da corrupção dos grandes, como da burocracia.

Não havendo essa organização, aí sim, parte-se para a privatização. Porém com respeito aos funcionários e seus direitos. A grande maioria entrou para o funcionalismo por meio de concursos justos e abertos a qualquer um que quisesse participar (exceto os corruptos de diversos níveis, que entraram sem seleção). Eles devem ser ouvidos sim.

Concordo com tudo o que você disse.

 

E, como já disse em outro tópico, nos anos 70 e 80 as estatais funcionavam muito bem. Por que? Porque tinham muito mais autonomia, não ficando presas em meio à burocracia estatal, facilitando inclusive a demissão de maus funcionários; seus cargos de direção eram ocupados por técnicos e não por afiliados políticos; e seus lucros eram reinvestidos na manutenção e expansão da empresa, ao invés de serem usados para cobrir o superávit primário do governo.

 

Grandes empresas multinacionais, referências em produtividade, são estatais, como a Renault, apenas para dar um exemplo.

Link to comment
Share on other sites

Eu como filho de funcionário público (não-infraero) vejo a coisa pelo outro lado. Realmente há "vagabundos" no funcionalismo, e há também em qualquer empresa particular. A diferença é que nas empresas privadas às vezes a pessoa é detectada e eliminada do quadro. Dizer que todos são vagabundos é preconceito/generalização. Muitas vezes as condições de trabalho nas estatais não é fácil, faltando planos de carreira, incentivos, ferramentas de trabalho, etc...coisa que desmotiva qualquer profissional, em qualquer profissão. No meu caso pessoal, minha mãe ficou por 8 anos sem receber nenhum aumento salarial...

Há também uma corrente de divulgação, "jornalismo", que incita a população contra o funcionalismo, com informações desencontradas e muitas vezes inverídicas, ou pelo menos generalizadas.

Não sou a favor da privatização, e sim a favor de uma organização competente. Porém, como sabemos, há uma grande dificuldade em se organizar as empresas públicas, por conta tanto da corrupção dos grandes, como da burocracia.

Não havendo essa organização, aí sim, parte-se para a privatização. Porém com respeito aos funcionários e seus direitos. A grande maioria entrou para o funcionalismo por meio de concursos justos e abertos a qualquer um que quisesse participar (exceto os corruptos de diversos níveis, que entraram sem seleção). Eles devem ser ouvidos sim.

 

Eu também como filho de funcionario publico (nao-infraero) concordo com tudo o que vc falou.

Porem se as condiçoes não sao faceis, se nao tem plano de carreira, incentivo, ferramentas e a galera está desmotivada e sem aumento, existe uma soluçao super simples para isso:

Mudem de emprego!

 

Quanto a divulgaçao contra o funcionalismo publico, ela nao vem apenas dos jornalistas nao.

Vem dos empresarios, funcionarios, investidores, e até dos meus professores na facudade!

Link to comment
Share on other sites

Se a relação ANAC-INFRAERO já andava precária, imagine quando esta estiver privatizada?

Será tudo quanto é aeroporto fazendo o que der na telha, ignorando normas e regulamentos de segurança operacional.

O Brasil realmente já durou demais na 1ª categoria da OACI!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade