Jump to content

Novo presidente da Infraero


Vicente Medlig

Recommended Posts

Prezados colegas,

 

extraído da coluna Panorama Radar (Lauro Jardim - ljardim@abril.com.br),

da revista Veja desta semana (3 de dezembro de 2008):

 

 

Governo

Está chegando a hora

 

Nelson Jobim escolheu o novo presidente da Infraero. Substituirá Sergio Gaudenzi, com quem nunca se afinou. O eleito é um executivo, oriundo da iniciativa privada. Jobim já levou o nome a Lula.

 

 

Abraço a todos.

Link to comment
Share on other sites

esperança é sempre a última que morre, acho que essa frase poderia ser tambem o novo slogan da Infrazero.

 

Não pq ninguem mais tem esperança da infrazero!

O slogam dela poderia ser:

A "infra"Zero é a ultima que morre!!!!

Afinal o Brasil inteiro espera a anos essa coisa acabar e nao acaba!

Link to comment
Share on other sites

sinceramente, vcs acreditam que o Jobim realmente vai escolher alguém de peso pr administrar a Infraero? Eu pelo menos ñ sou tão ingenuo. É só ver a beleza de pessoas que ele indicou pr comandar a Anarc. Vão trocar seis por meia duzia.
Link to comment
Share on other sites

sinceramente, vcs acreditam que o Jobim realmente vai escolher alguém de peso pr administrar a Infraero? Eu pelo menos ñ sou tão ingenuo. É só ver a beleza de pessoas que ele indicou pr comandar a Anarc. Vão trocar seis por meia duzia.

 

Olha eu vou além!

Mesmo que houvesse um milagre, e ele contratasse alguem bom, o que essa pessoa poderia fazer dentro de um sistema que nao funciona?

 

Mas sem duvida existe algo estranho nisso tudo.

O Gaudenzi era contra a privatizaçao e o governo abriu as pernas para os vagabundos e anunciou que nao vai privatizar mais.

Entao pq o Gaudenzi saiu?

Mais uma vez o governo vem com manobras politicas!

Link to comment
Share on other sites

AFA FORTE... foi convidado um ex-presidente de uma grande companhia aérea...se ele aceitar as coisas vão mudar muito, pelo menos um que é do ramo.

:secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret:

 

O único que me vem a cabeça é o Bologna, e pelo que me lembro ele estava na WTorre...SE for ele já é um bom começo.

Link to comment
Share on other sites

Se for mesmo o Bologna, ele não deve estar feliz com o mercado imobiliário, o segmento mais forte da Wtorre (além de recentes no setor petrolífero, que também não anda atrativo no curto prazo) e há uma super-oferta de escritórios em SP atualmente (forte da Wtorre).

 

Mas como estatal, a Infrazero sofre dos mesmos desmandos de outras empresas e o cara não vai conseguir fazer muita coisa, pq as diretorias, superintendencias e outras áreas estão infestadas com os ratos do PT e de outros partidos aliados.

 

Vai se frustrar rapidinho ou vai para lá para preparar o terreno para a privatização, em que a própria Wtorre tb é parte interessada.

 

Rafael

Link to comment
Share on other sites

AFA FORTE... foi convidado um ex-presidente de uma grande companhia aérea...se ele aceitar as coisas vão mudar muito, pelo menos um que é do ramo.

:secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret: :secret:

 

Ja estou até vendo a mudança!

Em vez de seis aeroportos lucrativos, teremos meia duzia!

Link to comment
Share on other sites

RADAR ON-LINE

Com Paulo Celso Pereira

Lauro Jardim

 

 

O dedo de Coutinho

Teve o dedo de Luciano Coutinho, presidente do BNDES, a escolha de Guilherme Laager para comandar a Infraero. Mais do que isso: foi Coutinho quem identificou Laager como o executivo ideal para o cargo e sondou-o em nome de Nelson Jobim.

 

Laager hoje dirige as empresas de comunicação dos herdeiros de Antonio Carlos Magalhães.

Link to comment
Share on other sites

O governo prepara profundas mudanças na Infraero, antes mesmo da definição do modelo de privatização de aeroportos, em estudo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A primeira providência será a substituição do presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi, por um executivo do mercado. O mais cotado para assumir o posto é Guilherme Lagger, ex-diretor de Logística da Vale e ex-presidente da Associação Nacional do Transporte Ferroviário (ANTF). As mudanças não vão se restringir ao comando da estatal. Incluirão, segundo um ministro ouvido pelo Valor, as quatro diretorias e as 28 superintendências da Infraero, além dos administradores dos 67 aeroportos, das 80 unidades de apoio à navegação aérea e dos 32 terminais de logística de carga. Segundo esse ministro, os atuais administradores foram nomeados por indicação política. O propósito do governo, agora, é profissionalizar a gestão da estatal.

 

" A principal questão da Infraero não é apenas trocar a presidência da empresa, mas estabelecer uma nova governança. Isto significa fazer um movimento mais amplo " , contou o ministro, informando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ordenou a reestruturação completa da estatal aeroportuária. Há pouco mais de dois meses, Lula decidiu autorizar os estudos para a privatização dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Viracopos, em Campinas (SP).

 

O atual presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi, caiu em desgraça depois que passou a criticar abertamente a privatização. Na sua opinião, privatizar é um " retrocesso " porque, segundo ele, a Infraero administra 67 aeroportos, mas apenas 15 são lucrativos. De acordo com Gaudenzi, as receitas geradas pelos aeroportos que dão lucro cobrem os prejuízos dos aeroportos deficitários, mantendo-os em funcionamento.

 

Indicado para a Infraero pelo PSB, partido que integra a base de apoio ao governo no Congresso, Gaudenzi, que no governo Lula presidiu também a Agência Espacial Brasileira, declarou há duas semanas que não comandaria a privatização de aeroportos. " Caso se decida pela privatização, não sou a pessoa indicada para tocar o processo. Não tem briga nisso. Deixo o ministro da Defesa, Nelson Jobim, tranqüilo para que me substitua " , disse o presidente da Infraero ao jornal " Hoje Em Dia " .

 

A resistência de Gaudenzi à privatização tem sido um dos obstáculos à reestruturação do setor aeroportuário. Ele foi nomeado para a Infraero na esteira do caos aéreo provocado pelos acidentes da Gol, em 2006, e da TAM, em 2007, os maiores já ocorridos no país. No cargo, Gaudenzi lutou contra a privatização - defendida pelo BNDES e pela presidente da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), Solange Vieira - e propôs, como alternativa, a abertura do capital da estatal, medida descartada devido à sua complexidade e também ao desinteresse de investidores privados.

 

Nos últimos meses, o presidente Lula se irritou com a morosidade da Infraero nas obras de reforma e ampliação de alguns aeroportos. Convencido por dois governadores - Sérgio Cabral (PMDB), do Rio de Janeiro, e José Serra (PSDB) -, preocupados com a possibilidade de o país não atender aos requisitos de infra-estrutura exigidos para ser a sede da Copa do Mundo de 2014, Lula decidiu mudar radicalmente o rumo nessa área.

 

" A Infraero, se fosse uma cadeia de lanchonetes, ia se chamar slow-food " , brincou um governador, em conversa recente com Lula. " O governo não tem que cuidar mais de aeroporto. Isso as empresas podem fazer. (O governo) tem que cuidar é do ar (do tráfego aéreo), isso, sim, é tarefa exclusiva do Estado " , disse o presidente, em tom de desabafo, durante entrevista ao Valor.

 

O BNDES já iniciou o processo de licitação para a contratação de empresas de consultorias que o auxiliarão na modelagem de privatização dos aeroportos. Há cinco anos, o setor aéreo cresce, no Brasil, a taxas superiores a 10% ao ano. Em 2007, registrou expansão de 11,9% e neste ano, até setembro e comparado a igual período do ano passado, avançou 10,2%. O BNDES estima que o setor de transporte aéreo crescerá, no Brasil, cerca de 7% ao ano nos próximos 15 anos. Por essa razão, a idéia é acelerar os estudos para viabilizar investimentos privados na estrutura aeroportuária.

 

As mudanças prevêem, entre outras medidas, a adoção de mais aeroportos de conexão ( " hubs " ) - hoje, funcionam assim os de Guarulhos (SP), Congonhas (SP) e Brasília - e a possibilidade de construção de um terceiro aeroporto em São Paulo. O governo quer também descongestionar o tráfego aéreo na capital paulista por meio da expansão do aeroporto de Viracopos, em Campinas, e do aprimoramento dos terminais de cidades vizinhas, como Jundiaí, São José dos Campos, Sorocaba e Santos.

 

 

Fonte: Valor Econômico

Link to comment
Share on other sites

O propósito do governo, agora, é profissionalizar a gestão da estatal.

 

:rofl:

 

Lula da Silva ordenou a reestruturação completa da estatal aeroportuária.

 

Me ajudem aqui por favor!

Eu ja perdi a conta!

Essa é a terceira ou quarta vez que ele ordena isso?

 

Sérgio Gaudenzi, caiu em desgraça depois que passou a criticar abertamente a privatização. Na sua opinião, privatizar é um "retrocesso"

 

:rofl:

 

Indicado para a Infraero pelo PSB

 

:Brazil:

 

A resistência de Gaudenzi à privatização tem sido um dos obstáculos à reestruturação do setor aeroportuário.

 

:Brazil:

 

Solange Vieira - e propôs, como alternativa, a abertura do capital da estatal, medida descartada devido à sua complexidade e também ao desinteresse de investidores privados.

 

Porque será né?

 

"O governo não tem que cuidar mais de aeroporto. Isso as empresas podem fazer. (O governo) tem que cuidar é do ar (do tráfego aéreo), isso, sim, é tarefa exclusiva do Estado" , disse o presidente, em tom de desabafo, durante entrevista ao Valor.

 

:uhm: :uhm: :uhm: :uhm: :uhm: alguém me belisca por favor!

O lula finalmente se ligou que estatal sucks?

Sera que ele finalmente depois de tanto voar pelo mundo ficou envergonhado das nossas rodov... dos nossos aeroportos?

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade