Jump to content

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Itamar Arruda Jr.

GIG - LAD com TAAG!

Recommended Posts

Olá galera!!

 

 

Há muitos anos eu procuro pelas revistas especializadas e pelos sites de aviação, algum relato de vôo da TAAG. A empresa que eu vi operando no Galeão com o 707, depois com o L1011 e, finalmente, com os seus 747-300, sempre exerceu sobre mim um fascínio. Misturado a uma grande curiosidade.

 

Pois bem, nesse mês de novembro eu fui avisado de um compromisso que teria que cumprir fora do país e qual não foi a minha surpresa ao ser informado que eu deveria partir com destino a Luanda! Ah TAAG...aí eu vou.... :ohyes:

 

O meu agente de viagens entrou em contato comigo me informando que me enviaria o bilhete eletrônico. A TAAG aderiu a esse sistema, recentemente, portanto, nada de bilhete impresso com aquela “atraente” logo na capa... :ranting_1:

 

O meu vôo foi marcado para uma quinta-feira, com decolagem marcada para às 19:00. Na véspera do embarque, eu fui avisado de que eu deveria chegar ao Galeão o mais cedo possível pois o check-in da TAAG começa o atendimento às 13:00, encerrando às 17:00. e o vôo estava, completamente, lotado.

 

Ao chegar ao terminal de embarque, por volta das 14:00, pude avistar uma verdadeira multidão de passageiros nas filas para a Classe Econômica e outra fila, ao longo do terminal, formada por passageiros angolanos que chegaram ao aeroporto por volta das 08:00 da manhã, para colocar o nome na lista de espera do vôo. :suicide_anim:

 

CHECKIN.jpg

 

Eu me apresentei ao agente de viagens que me aguardava, e fui rapidamente acompanhado ao guichê destinado a Classe Executiva que, assim como o da Primeira Classe, tinha o atendimento fluindo de forma rápida e sem maiores burocracias. A Classe Executiva do 747 da TAAG se situa no piso principal e, também, no Upper Deck e, evidentemente, a minha escolha recaiu sobre um assento no piso superior, onde a configuração 2X2 é sempre muito bem vinda.

 

CHECKIN05.jpg

 

CHECKIN02.jpg

 

Encerrado o check-in, eu recebi junto com o cartão de embarque o convite para a Sala Vip da TAAG que atende aos passageiros das Primeira e Executiva. Trata-se da mesma sala que é usada pela COPA, localizada no piso superior do embarque internacional, em frente ao Dufry. A sala é muito bem equipada, com estofados, poltronas, um buffet sortido e com várias opções, internet à disposição e um ambiente calmo e agradável.

 

SALAVIP.jpg

 

SALAVIP2.jpg

 

SALAVIP3.jpg

 

SALAVIP4.jpg

 

Por volta das 19:00, a atendente da Sala Vip fez o anúncio de que deveríamos embarcar e, assim, seguimos em direção ao magnífico D2-TEA que nos aguardava. Ao chegar a porta do avião, fui recepcionado pelo purser do vôo que de maneira gentil mas sem maiores sorrisos me indicou a escada que leva ao Upper Deck do nosso 747.

 

ESCADA.jpg

 

Ao chegar no Piso Superior, havia 03 comissárias à disposição para nos auxiliar na localização dos assentos e a determinar de forma, imperativa, onde e como deveriam ser guardados os pertences de mão. O avião, para a minha surpresa, está muito bem conservado. As poltronas são bastante largas, embora deixem a desejar na hora de reclinar. O pitch é pequeno se considerarmos que se trata de Classe Executiva, tanto que ao subir o apoio dos pés, ele esbarra na poltrona da frente. Não há nenhum sistema individual de vídeo e as poucas projeções feitas foram exibidas por meio dos já antigos e conhecidos telões deslizantes.

 

PITCHEXEC.jpg

 

UPPERDECK01.jpg

 

Com a bagagem de mão acomodada, sentei em minha poltrona e alguns minutos depois, uma gentil comissária passou oferecendo champagne, seguido de água mineral e suco de laranja. Declinei do champagne, do suco e optei por ficar somente com a taça de água mineral.

 

Comando de portas em automático e nosso 747 começa o seu push back rumo ao seu vôo para o continente africano. As 19:45, a aeronave deixou o solo carioca para iniciar o seu vôo de 07 horas e 30 minutos, a uma velocidade de 900km/hora, voando a uma altitude de 33.000 pés.

 

Aproximadamente 40 minutos após a decolagem, as luzes da cabine de passageiros voltaram a ser ligadas para que o serviço de bordo pudesse ter início. As comissárias passaram abrindo as mesas individuais de refeição de cada passageiro, forrando-as com toalhas brancas com a logomarca da TAAG em alto relevo e retorno a posição das poltronas, de todos os passageiros, para a posição vertical “é para o senhor poder jantar mais confortável!”

 

Na seqüência, foram oferecidas as já conhecidas toalhas quentes acompanhadas do menu preparado para o vôo. Eu ouvi de alguém que os vôos da TAAG quase nunca oferecem menu (isso vale para a Primeira Classe e para a Classe Executiva) e, por isso, confesso que foi uma grata surpresa recebê-lo das mãos de uma simpática comissária angolana.

 

MEAL01.jpg

 

Enquanto eu analisava o menu, ela ofereceu as bebidas e acabei optando por uma singela Coca-Cola (comum, claro!). As opções de bebidas são muito variadas e de alta qualidade, variando do champagne, passando pelo whisky, vinho tinto, 03 opções de sucos, água de coco dentre outros. Junto com a minha Coca-Cola, foi colocado um prato de porcelana com o pacote de castanha enquanto as escolhas pelo prato principal eram feitas. Naquele vôo, teríamos a opção de frango, camarão ou filé migon. Mantendo a minha linha “light” optei pelo frango.

 

A comissária trouxe a salada, muito bem montada e com excelente apresentação, ofereceu pães quentes e sempre retornava oferecendo novas opções de pães ou oferecendo mais bebidas.

 

MEAL02.jpg

 

O serviço de bordo é muito bem feito, as comissárias se empenham para fazer o melhor que podem e capricham na apresentação mas na minha opinião, eu acho que poderia ser mais ágil. O prato principal demorou muito tempo para ser servido e, considerando o cansaço de todos, a fome era praticamente inexistente quando ele, finalmente, chegou a minha mesa de refeição.

 

Terminei o meu jantar e dentre as 03 opções de sobremesa que tínhamos, eu acabei optando por um bolo de coco que, por sinal, estava excelente! Recusei o café e a comissária retornou com um fone de ouvido e com a necessaire (ou kit de amenidades, como queiram). A necessaire é bem equipada e traz uma máscara para dormir, escova de dentes e gel dental, meias, um frasco de perfume francês e um abafador de ruídos. Confesso que foi mais uma agradável surpresa. Ponto para a TAAG.

 

MEAL03.jpg

 

Pulo rápido ao banheiro para escovar os dentes e, claro, fazer a foto clássica!! :thumbsup:

 

WC.jpg

 

Depois de quase 03 horas de serviço de bordo, as luzes, finalmente, voltaram a ser desligadas para que pudéssemos tentar dormir. Eu tentei ouvir alguma música do sistema de áudio do avião mas nenhum canal, repito, nenhum canal, funcionava! Desisti e peguei o meu ipod.

 

O Vôo transcorreu tranquilamente e faltando 1 hora para o pouso em Luanda, fui despertado por uma das comissárias para o café da manhã. O vôo é muito rápido e o horário bastante “ingrato”, considerando que o fuso de Luanda é de +3 horas com relação a Brasília, com isso, decolamos as 19:45 do GIG e estaríamos pousando pouco mais de 03:00 da manhã, horário de Brasília.

 

Novamente o ritual da toalha branca nas mesas individuais de refeição, posição vertical das poltronas (lembram? risos...) e, num passo mais acelerado, teve início o serviço de café da manhã, com opções de frutas, café, leite, chá, sucos, água de coco, opções pães, bolos e, assim, novamente a TAAG me surpreendeu.

 

MEAL04.jpg

 

Quando terminávamos o café da manhã, as primeiras luzes de sol começaram a refletir no nosso 747 e pudemos avistar a costa da África chegando. Nesse momento, fomos pegos por ventos fortes que fizeram com que nosso avião descesse, em poucos minutos, alguns bons metros de altitude.

 

COSTAAFRICA.jpg

 

Já preparados para o pouso, pude observar a cidade de Luanda, ainda com poucas luzes e em poucos minutos estávamos pousando no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro. Nossa aeronave tocou o solo angolano de forma bem suave e, lentamente, foi se dirigindo ao terminal sem perder de vista o “follow me” que nos guiava.

 

CHEGANDOLUANDA.jpg

 

SOLLANDING.jpg

 

UPPERDESEMBARQUE.jpg

 

Olhei pela janela e pude observar o nosso “irmão gêmeo” D2-TEB parado, juntamente com 01 737-200, 01 737-700 e dois 777, todos da TAAG. O que me chamou a atenção foi a quantidade de aeronaves B-1900 que avistei no aeroporto de LAD, a maioria pertencente a SONAIR. O aeroporto não possui pontes de embarque o que fez com que o desembarque se desse da melhor forma possível e lembrando a minha infância: Escada para que te quero! :ohyes: :ohyes:

 

PATIOLAD.jpg

 

UPPER.jpg

 

 

De uma análise geral, eu posso dizer que a TAAG conseguiu superar as minhas expectativas. Embora o avião não possua nenhum recurso de entretenimento, poltronas já obsoletas, sistema de áudio que não funciona e um pitch de executiva muito aquém do desejado, o serviço de bordo, a simpatia das comissárias e o estado de conservação do avião merecem todos os meus elogios. Não houve atraso, a minha bagagem chegou, absolutamente, em ordem e em todas as poltronas havia uma cópia da revista de bordo Austral. :thumbsup:

 

Espero que gostem e depois posto o relato do vôo da volta (já no D2-TEB!)

 

Abraços a todos!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Itamar, espetacular Flight Report, muito legal mesmo! Essa foto da janelinha do 747 com o sol se pondo está fodástica!

Pegou um safety pra mim??? :hypocrite:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente fligh report. Interessante que essa é umas das mais tradicionais rotas que ligam o Brasil à África e nunca tinha lido nenhum relato na internet. Gostei das fotos. Não entendo porque a TAAG não opera com os 777 para o Brasil. Acho que a demanda da rota justifica um upgrade de aeronave, proporcionando mais conforto para os cliente.

No mais, parabéns pela iniciativa e sempre que voar, nos presentei com seus FR's.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Não entendo porque a TAAG não opera com os 777 para o Brasil. Acho que a demanda da rota justifica um upgrade de aeronave, proporcionando mais conforto para os clientes.

 

Ótimo report!!!! Parabéns Itamar!

 

Boa pergunta do Rafael e adiciono mais questoes! Acredito que uma das razoes possa ser ETOPS (alguns dizem que isso acabou, mas nao acredito), mas nao deve haver nenhuma alternativa entre GIG e LAD dentro do tempo de ETOPS desses T7 da TAAG, acho. Mesmo Praia e Ilha do Sal estao distantes demais.

 

Quando a ONE iria fazer Angola e JNB, iria fazer também via Lagos correto? Assim o 767-300ER cumpriria ETOPS tranquilamente. SAA sempre operou quadrimotores (747SP, A343 e 346) e a RG com MD11.

 

A TAAG deve ter uma demanda altíssima no LAD-LIS também de T7. Uma vez vi um 743 deles em CDG.

 

Me corrijam por favor se estiver errado!

 

Abracos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

corroboro com todos

 

excelente FR

 

estou ansioso par ler o da volta

 

abs!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gostei muito desse FR seu pela Taag agora, realmente eu sempre estou no GIG é incrivel o tanto que esse vôo lota de pax para Luanda.

 

Eu notei ali os carregadores que sempre estão no balcão da Taag.

 

parabéns.

 

 

:thumbsup:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente Flight Report... O interessante é ver a TAAG com lista de espera, vôo lotado e operando sozinha na rota... Era uma rota que a ONE se daria bem, ao invés de ter se aventurado no México... Vai entender

 

Parabéns aí Itamar! Se for possível, mande mais fotos daí de LAD!!

Abs!!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Não entendo porque a TAAG não opera com os 777 para o Brasil. Acho que a demanda da rota justifica um upgrade de aeronave, proporcionando mais conforto para os cliente.

No mais, parabéns pela iniciativa e sempre que voar, nos presentei com seus FR's.

 

Duas palavras: carga e ETOPS. Deve-se lembrar que o 743 que opera no GIG é Combi, ou seja, leva um mundo de carga e, pelo menos até algum tempo atrás me foi informado que esses 772 da DTA não tinham a certificação ETOPS pra cruzar o Atlantico pro GIG.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Itamar, espetacular Flight Report, muito legal mesmo! Essa foto da janelinha do 747 com o sol se pondo está fodástica!

Pegou um safety pra mim??? :hypocrite:

Valeu GustavoK!! Eu to muito longe de ser fotógrafos como vocês mas às vezes o resultado até que não sai tão ruim assim....risos...! Sim senhor, eu peguei safety!! Me manda a sua trade list e vamos negociar!! :thumbsup: Na verdade a foto é do sol nascendo, assim que pousamos em LAD, devia ser umas 05:50 (horário local). Abração!

 

Excelente Itamar. Pô, 3 horas + 1 hora de serviço de bordo com poltrona na vertical? rs

Pois é JPS... e vai tentar convencer a comissária do contrário... risos... É na vertical e sem reclamar! Abs

 

Excelente fligh report. Interessante que essa é umas das mais tradicionais rotas que ligam o Brasil à África e nunca tinha lido nenhum relato na internet. Gostei das fotos. Não entendo porque a TAAG não opera com os 777 para o Brasil. Acho que a demanda da rota justifica um upgrade de aeronave, proporcionando mais conforto para os cliente.

No mais, parabéns pela iniciativa e sempre que voar, nos presentei com seus FR's.

 

Oi Rafael,

 

Valeu pelo comentário! Eu também sempre procurei algum relato de vôo na TAAG e só encontrei um no airliners.net de um vôo feito no T7, de LIS para LAD. Eu fico feliz em ter tido essa oportunidade e de poder compartilhar com vces! Abs!

 

Ótimo report!!!! Parabéns Itamar!

 

Boa pergunta do Rafael e adiciono mais questoes! Acredito que uma das razoes possa ser ETOPS (alguns dizem que isso acabou, mas nao acredito), mas nao deve haver nenhuma alternativa entre GIG e LAD dentro do tempo de ETOPS desses T7 da TAAG, acho. Mesmo Praia e Ilha do Sal estao distantes demais.

 

Quando a ONE iria fazer Angola e JNB, iria fazer também via Lagos correto? Assim o 767-300ER cumpriria ETOPS tranquilamente. SAA sempre operou quadrimotores (747SP, A343 e 346) e a RG com MD11.

 

A TAAG deve ter uma demanda altíssima no LAD-LIS também de T7. Uma vez vi um 743 deles em CDG.

 

Me corrijam por favor se estiver errado!

 

Abracos.

 

Oi Fernando,

 

Valeu pelo seu post tbem! Eu ouvi de um funcionário da TAAG, em Luanda, que o T7 não opera para o GIG em função de ETOPS mesmo. É uma pena, porquê o "bixo" ficou bonito nas cores da TAAG. A nossa aeronave parqueou ao lado de um mas como a segurança do aeroporto é muito rígida eu só consegui tirar uma foto muito "meia boca" da janela do avião. Eu vou postar depois. Abs!!

 

corroboro com todos

 

excelente FR

 

estou ansioso par ler o da volta

 

abs!!

 

Valeu Leo! Prometo fazer o da volta! Abs...

 

Excelente Flight Report... O interessante é ver a TAAG com lista de espera, vôo lotado e operando sozinha na rota... Era uma rota que a ONE se daria bem, ao invés de ter se aventurado no México... Vai entender

 

Parabéns aí Itamar! Se for possível, mande mais fotos daí de LAD!!

Abs!!

 

Grande Thiagovskie! Valeu! Pois é, o vôo decola FUUUULLLLL mesmo!!! Isso sem contar na carga que vai.... não podemos esquecer que o 747 ainda por cima é versão combi!!! Eu posso te garantir que esse vôo da ida estava com 100% de ocupação! Abs...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Perfeito!

Matou a minha curiosidade de ver o interior do 737-300!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente!!! Muito legal o reporte do seu vôo na empresa do "Palanca Negra" na cauda. Esperamos a volta!!! Abraços!!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito bom... foi o primeiro FR que li sobre a TAAG!

Gostei de tudo, menos desse interior que parece muito antigo... pq que eles não renovam o interior, hein?

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Itamar, meu Filho, bela viagem! Que bom que você gostou da TAAG, isso mostra como você, apesar de só voar por esse Brasil todo a bordo de jatos executivos estalando de novos, é uma pessoa simples a ponto de voar na classe executiva da TAAG!

 

Gostei do seu FR!

 

Abs,

 

p.s.: Já tem safety da Azul?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parabéns ! Sensacional o Flight Report !!

 

Desde criança que conheço esta rota, a TAAG e tudo mais. Porém, NUNCA li ou vi algo relacionado a ela por todos estes anos. Este FR matou a curiosidade de MUITA gente !

 

Sobre o embarque eu gostaria de saber o porquê da TAAG encerrar o check-in 2 horas antes do vôo ? Já vi no GIG o vôo que saía as 23:00hs nas sextas-feiras. O check-in estava lotado às 18:00hs !! Ou seja: CINCO HORAS antes do embarque.

 

Pq esta antecedência toda ? É por causa das bagagens ? Do balanceamento da aeronave ??

 

 

Engraçado que o 777 pode ir de JFK para NRT sem parar; de JFK para SHA, HKG e mais um monte de rotas longas, mas não pode fazer GIG-LAD de 7h30min por causa do ETOPS.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Engraçado que o 777 pode ir de JFK para NRT sem parar; de JFK para SHA, HKG e mais um monte de rotas longas, mas não pode fazer GIG-LAD de 7h30min por causa do ETOPS.

 

Nishan,

No caso da TAAG não é uma questão do T7 poder ou não fazer uma rota dessas; ele faz, e com bastante tranquilidade, mas os T7's da TAAG não estão certificados para tal. A certificação ETOPS envolve motores (individualmente), manutenção, vários outros fatores. É como você ter um carro, saber dirigir mas não ter a carteira de habilitação... a priori, você não pode dirigir.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Muito bom... foi o primeiro FR que li sobre a TAAG!

Gostei de tudo, menos desse interior que parece muito antigo... pq que eles não renovam o interior, hein?

Abraços

 

Fala Lucas;

 

Durante algum tempo eu trabalhei diretamente para a TAAG no GIG e em sua loja na Av Presidente Vargas no centro do RJ. E eu sempre me fazia esta pergunta até que um dia eu tive a oportunidade de falar diretamente com o Delegado da TAAG no Brasil (assim é chamado o diretor) senhor Eugênio Costa, e este me informou que os interiores do D2-TEA e D2-TEB (B743) dificilmente seriam trocados pois as aeronaves eram arrendadas da SwissAir, torno a repetir que isso foi a informação que tive deste senhor. Quanto a colocar o T7 pra voar para o GIG, desde a compra da ACFT existe a vontade porém além do problema do ETOPS, o movimento de carga ente GIG/LAD é coisa absurda e o T7 reduziria muito essa capacidade uma vez que os B743 são Combi.

 

Para se ter uma idéia no ano de 2003 a base GIG além de quitar todos os seus compromissos daquele ano ainda enviou gordas quantias de dólares pra LAD pra ajudar a matriz a resolver problemas de caixa ( Esclareço aos senhores que as bases da TAAG são independentes, ou seja, se determinada base não se sustenta o vôo para aquela localidade é encerrado) e, ainda, por duas vezes eu presenciei o pagamento de salário dos tripulantes no GIG em virtude de falta de liquidez em LAD para tal....

 

Essa empresa me encanta, por sua história, por seus aviões, por seus paxs, por seus tripulantes, por suas cores e por suas confusões administrativas... Mas enfim não seria a DTA se fosse diferente.

 

Um abraço a todos

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente!!

Sem palavras para este maginifico FR!!

Parabéns!

 

Abraços!

Share this post


Link to post
Share on other sites
(...) mas os T7's da TAAG não estão certificados para tal.

 

Creio que seja ao contrário, a TAAG que não é certificada para a operação ETOPS no Boeing 777.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Me agradou muito o serviço da TAAG!

Ficaria muito feliz se a empresa ampliasse seus vôos no Rio com o Boeing 777 em mais um vôo diário, se possível, após revisões de bilateral, etc.

Pelo que o Itamar mostrou, desempenho ótimo, deve ser equivalente à Paris ou Lisboa.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Nishan,

No caso da TAAG não é uma questão do T7 poder ou não fazer uma rota dessas; ele faz, e com bastante tranquilidade, mas os T7's da TAAG não estão certificados para tal. A certificação ETOPS envolve motores (individualmente), manutenção, vários outros fatores. É como você ter um carro, saber dirigir mas não ter a carteira de habilitação... a priori, você não pode dirigir.

Ah, tá ! Entendido :thumbsup:

 

Antes de voltar aqui ao tópico, fui em um de fotografias do tráfego em JNB e vi um 777 da Singapore Airlines. Aí mesmo que fiquei sem entender !

 

Após esta sua explicação sobre o que realmente envolve o ETOPS, tudo ficou claro.

 

 

*Deste modo, caso alguma cia. aérea tivesse um 777 (Qantas, Aerolineas, Lan Chile) e ela fosse aprovada no ETOPS, poderia fazer a rota Am. do Sul-Oceania sem problemas ???

Share this post


Link to post
Share on other sites
*Deste modo, caso alguma cia. aérea tivesse um 777 (Qantas, Aerolineas, Lan Chile) e ela fosse aprovada no ETOPS, poderia fazer a rota Am. do Sul-Oceania sem problemas ???

 

Não pois seria necessário o ETOPS 330 mas não existe nenhuma companhia homologada pra ele.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Impressionante e só comprova o fato de que vôo exclusivo vale mais do se aventurar em destinos já "conquistados".

 

Que um dia uma empresa brasileira tenha a iniciativa de fazer rotas internacionais inéditas e sair do "mais do mesmo". Taí a TAAG com um serviço justo, apesar de contestada por muitos (falam mal da TAAG e não observavam as maravilhas que LAB e outras propiciavam pela América do Sul),

faz da sua unica rota para a América do Sul uma mina de ouro (já várias vezes citadas como a rota mais rentável da TAAG)

 

E só mostra que independe de onde desce o vôo, vôo exclusivo LOTA em qualquer lugar.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mudando um pouco de assunto,mas nem tanto:

 

falam do GIG como aeroporto que ainda parece um aeroporto dos anos 70, mas a TAAG com esse Jumbo e seu sistema de entretenimento e poltronas não fica muito longe também não.

 

Se o 777 viesse pra cá, seria uma revolução.

 

De qualquer forma, vida longa ao 747-300 Combi

Share this post


Link to post
Share on other sites

×
×
  • Create New...

Important Information