Jump to content

TRT nega pedido dos aeroviários de SP para bloqueio de recursos da Varig


serious flyer

Recommended Posts

TRT nega pedido dos aeroviários de SP para bloqueio de recursos da Varig

KAREN CAMACHO

da Folha Online

 

O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) negou hoje o pedido dos sindicatos dos Aeroviários do Estado de São Paulo e de Guarulhos de bloqueio dos US$ 75 milhões depositados pela VarigLog em favor da Varig logo após o leilão. O pedido era que o dinheiro, depositado no último dia 24 de julho, fosse utilizado no pagamento de obrigações trabalhistas --como salários atrasados, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), INSS e verbas rescisórias dos 5.500 funcionários da companhia aérea demitidos na última sexta-feira.

 

O mesmo recurso já foi bloqueado pela Justiça do Trabalho do Rio, ontem, com o mesmo objetivo. A decisão de hoje do TRT de São Paulo não muda a situação e o depósito continua bloqueado.

 

Os US$ 75 milhões foram pagos pela VarigLog para financiar investimentos na companhia aérea, conforme previsto no edital do leilão de venda da empresa.

 

O juiz Pedro Paulo Teixeira Manus, vice-presidente do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), justificou sua decisão de negar o pedido dizendo não ter a confirmação nos autos se a liminar concedida ontem pela 33ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro contempla ou não os empregados da Varig no Estado de São Paulo.

 

Outro motivo é não saber se os US$ 75 milhões vão ser suficientes para quitar as pendências reclamadas. O presidente do Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo, Uébio José da Silva, estima que as dívidas trabalhistas da Varig cheguem a R$ 1 bilhão no país.

 

A advogada da VarigLog, Claudia Campos Braga, que compareceu hoje à audiência convocada pelo TRT, afirmou que a nova dona da Varig não vai arcar com esses débitos. "A VarigLog arrematou a Varig e não tem que responder pelas verbas trabalhistas e pelas rescisórias porque, no nosso entendimento, não há sucessão. A Varig é quem vai arcar com as verbas rescisórias, e não a VarigLog". Segundo a advogada, "existe, no plano de recuperação judicial, previsão de pagamento dos salários atrasados por meio de debêntures."

 

O juiz Manus também negou hoje o pedido do Ministério Público de que 50% dos trabalhadores continuem nos postos no caso de greve. "Alguns não tem dinheiro nem mesmo para a condução para o trabalho, seria injusto determinar que trabalhem."

 

O sindicatos de São Paulo e de Guarulhos devem realizar amanhã assembléias para decidir sobre a paralisação.

 

http://noticias.bol.com.br/economia/2006/0...t91u109839.jhtm

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade