Jump to content

É grave a crise


Carlos Augusto

Recommended Posts

Fonte: O Globo, 05/02/2009, pág.12

 

Coluna do Ancelmo Góis

 

 

Em janeiro, caíram 30% as vendas de passagens dos voos da TAP que partem do Brasil. A portuguesa é a empresa estrangeira com maior número de linhas entre Europa e Brasil.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Gente vamos analisar:

 

Todas as vezes em que o câmbio subia as tarifas internacionais caiam para compensar.

Faz um bom tempo que o câmbio subiu e as tarifas não cairam nada, e sendo assim o

movimento cai, como temos MUITOS clientes que estãoa diando suas viagens para datas

ainda não definidas e com isso o movimento cai mesmo e vai continuar caindo.

 

Abraços,

 

Link to comment
Share on other sites

O Brasil não esta imunizado na retração global de vôos internacionais. Estava lendo na imprensa internacional sobre o agravamento da crise mundial que afeta seriamente também o setor aéreo. Os governos em torno do mundo têm auxiliado a industria no sentido de ajudá-las a sobreviver à crise econômica, a maior do mundo em décadas.

A JAL, e sua rival rival All Nippon Airways , estão reduzindo suas operações drasticamente num esforço para cortar custos. O ministro dos Transportes do Japão, Kazuyoshi Kaneko ,disse ontem que compreendia as dificuldades do setor, e prometia um pacote de medidas para ajudar o setor aéreo japonês.

 

O que o Brasil poderia colocar em pauta, é uma rápida desoneração da altíssima carga tributaria que assola nossas empresas.

 

Link to comment
Share on other sites

Queda de 30% em um mês é bem estranho.

 

Agora, a crise para a Tap é mais perversa que nas demais companhias, pois a empresa tem um perfil menos business (não estou dizendo que a companhia só transporta farofeiro!) e, num cenário desses, as viagens turísticas são as primeiras a sofrer redução. Por outro lado, a minimização dos impactos é bem mais fácil, pois é a companhia com mais margem para reduzir frequências sem que haja redução paralela na demanda.

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Não só o Japão.

 

A KLM está cortando rotas, a Air France também.

A SAS pretende reduzir em mais de 15% seus voos de longo curso.

A Delta vem cortando voos seguidamente.

A United vem cortando voos, fazendo downgrades (de 747-400 para 777-200, de 777-200 para 767-300 e usando 757 em alguns voos). A American segue fazendo o mesmo.

A British vai em breve cortar operações entre UK e EUA

A Virgin vai seguir o mesmo caminho.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

será que teremos 764 e 744 encostados no deserto Lipe?

 

O B747-400 é bem capaz, mas o B767-400 acho muito difícil, simplesmente porque é uma aeronave mais moderna que o 744 e pode substituí-lo já que tem menos assentos. Além do mais, tem B744 dando sopa por aí enquanto 767 é difícil de ser achado, ainda mais o 400. Como o Felipe falou, o 777 substitui o 747 que por sua vez é substituído pelo 767-400, mais provável o 777 tomar conta das rotas do 747 e o 764 dos 777 e ficar assim padronizado.

 

Além do mais... O 767-400 é um artigo raro, só existem 37 produzidos e em operação no mundo... Com a Delta (21) e a Continental (16). Não duvido que se alguma delas se desfizesse de algum, muitas empresas se interessariam.

Link to comment
Share on other sites

Mas que tiver $$$ pode fazer subleasing de aeronaves de empresas indianas, a Jet Airways e Kingfischer dimensionaram demais suas frotas e agora está voando pouco ou alugando estas aeronaves, como ocorreu com o Boeing 777-300 que a Jet alugou para a THY. Pode-se dizer o mesmo com a JAL, ANA e algumas asiáticas que usam widebodies em vôos de curta duração, com a redução dos vôos, muitas aeronaves podem encostar ou serem devolvidas, como os últimos B747 versão Domestic que a JAL opera.

Link to comment
Share on other sites

 

O mundo inteiro superdimensionou suas frotas.

 

Me preocupa mais o efeito Asia, por conta dos A380 e também B773 conforme citado acima pelo CS. Estes jatos substituem outros, mas a Emirates segue numa louca corrida por mais mercado, e isso só pressiona LH, AF, LX, BA e outras asiáticas a reagir na forma de preços menores ou retirada de serviços. Viverá melhor aqueles que focam na América do Sul onde a concorrência das asiáticas não é ainda predatória.

 

Mas reitero, os voos Brasil-EUA durante a semana, notadamente os GRU-MIA, tem partido com 50 passageiros na economica e em geral com 40 a 60% na Executiva. Números MUITO abaixo do normal.

 

Agora, os dados da TAP para 01/2009 mostram que a queda não passou dos 10% na maioria das rotas!

Link to comment
Share on other sites

O mundo inteiro superdimensionou suas frotas.

 

Me preocupa mais o efeito Asia, por conta dos A380 e também B773 conforme citado acima pelo CS. Estes jatos substituem outros, mas a Emirates segue numa louca corrida por mais mercado, e isso só pressiona LH, AF, LX, BA e outras asiáticas a reagir na forma de preços menores ou retirada de serviços. Viverá melhor aqueles que focam na América do Sul onde a concorrência das asiáticas não é ainda predatória.

 

Mas reitero, os voos Brasil-EUA durante a semana, notadamente os GRU-MIA, tem partido com 50 passageiros na economica e em geral com 40 a 60% na Executiva. Números MUITO abaixo do normal.

 

Agora, os dados da TAP para 01/2009 mostram que a queda não passou dos 10% na maioria das rotas!

O trecho GRU_MIA está muito ,mais muito baixo mesmo!O MCO vai pelo mesmo caminho.Já no sentido inverso,os vôos têm partido completamente lotados por conta do final das férias.Vamos ver como ficam as coisas em Março. :unsure: :unsure: :unsure:

Link to comment
Share on other sites

Olá,

 

Hoje recebi os dados do nosso colega de fórum tapflyer (Alves) e há alguns dados interessantes para Janeiro, por exemplo NAT - LIS com uns saudáveis 85% de ocupação (com mais 1.024 passageiros que JAN/08) e LIS - NAT com 73% (com mais 804 passageiros que JAN/08).

 

Outras ocupações, que eu considero brilhantes neste clima económico, são: FOR - LIS 91%, GIG - LIS 88%, SSA - LIS 84%, GRU - LIS 83%, GIG - OPO 82%, REC - LIS 80%, CNF - LIS 76%, GRU - OPO 76% e BSB - LIS 74%.

 

Em termos de perda de pax, comparativamente a 2008, GIG - LIS perde 1.194 pax, GRU - LIS perde 741 pax, SSA - LIS perde 252 pax, REC - LIS perde 985 pax, GRU - OPO perde 386 pax e GIG - OPO perde 81 pax.

 

Segundo uma análise rápida, as rotas TAP que têm perdas ligeiramente mais acentuadas são GIG e EWR (esta naturalmente com a retracção do consumo dos norte americanos):

 

LIS/GIG/LIS perde um total de 2.609 pax (somando mais 566 nos voos OPO) e LIS/EWR/LIS perde um total de 2.567 pax (mas ganha 344 pax nos voos OPO).

 

Em resumo a TAP transportou mais 12.074 passageiros que igual periodo em 2008, nada mal!

 

Abraço

 

Luis

Link to comment
Share on other sites

Olá,

 

Hoje recebi os dados do nosso colega de fórum tapflyer (Alves) e há alguns dados interessantes para Janeiro, por exemplo NAT - LIS com uns saudáveis 85% de ocupação (com mais 1.024 passageiros que JAN/08) e LIS - NAT com 73% (com mais 804 passageiros que JAN/08).

 

Outras ocupações, que eu considero brilhantes neste clima económico, são: FOR - LIS 91%, GIG - LIS 88%, SSA - LIS 84%, GRU - LIS 83%, GIG - OPO 82%, REC - LIS 80%, CNF - LIS 76%, GRU - OPO 76% e BSB - LIS 74%.

 

Em termos de perda de pax, comparativamente a 2008, GIG - LIS perde 1.194 pax, GRU - LIS perde 741 pax, SSA - LIS perde 252 pax, REC - LIS perde 985 pax, GRU - OPO perde 386 pax e GIG - OPO perde 81 pax.

 

Segundo uma análise rápida, as rotas TAP que têm perdas ligeiramente mais acentuadas são GIG e EWR (esta naturalmente com a retracção do consumo dos norte americanos):

 

LIS/GIG/LIS perde um total de 2.609 pax (somando mais 566 nos voos OPO) e LIS/EWR/LIS perde um total de 2.567 pax (mas ganha 344 pax nos voos OPO).

 

Em resumo a TAP transportou mais 12.074 passageiros que igual periodo em 2008, nada mal!

 

 

Abraço

 

Luis

 

Exatamente,

 

Na verdade o tráfego Brasil-Portugal, em Janeiro de 2009, cresceu 7,9% (fonte: Alves) se comparado com Janeiro de 2008. Porém não ficou muito claro se vendas = tráfego na nota do colunista.

 

abs

 

 

Link to comment
Share on other sites

Nossas aereas nacionais acredito que sentirao menos que nossas congeneres internacionais a crise, pois elas trabalham com sua malha/lucro dependente do op nacional, que pela analise diaria verifica-se ainda boa pelo menos ate meados da primeira quinzena/03. A TAM sentira um pouco mais, dvd deter rotas de inter que realmente fazem diferenca na sua lucratividade, mas bem menos que as internacionais, que dependem muito de suas inter e estao com op centradas nos mercados "centrais da crise".

Apesar da crise, Brasil, Russia, India e China (este ultimo em menor escala, por incrivel que pareca) sao os paises considerados mais blindados contra crise, nas informacoes dos especialistas economicos (comentado inclusive em Davos, no forum mundial).

A GLAI fez uma grande reformulacao dvd sua propria crise, o que enxugou bastante seus custos e de uma forma involuntaria acabou por se preparar para esses periodos nebulosos que estao por vir, a TAM ja vem emprendendo um grande corte de custos a pelo menos 6 meses (materias e ativos imobilizados, a exemplo do fim de contrato de alguns leasing operacional e chegadas de aeronaves proprias) apesar de ter uma pesada divida de hedge de combustivel.

Quanto as pequenas, a grande maioria realiza operacoes com gastos op nao muito altos e dependem exclusivamente de rotas nacionais( AZUL) ou contratos governamentais(TRIP/TOTAL), que ainda nao sofreram efeitos da crise.

As projecoes dos analistas financeiros sao de que a GOL tem uma previsao de crescimento e a TAM tbm, apesar da projecao ser bem pequena, mas sem nenhuma retracao ou decrescimo.

Em suma, nossas aereas estao aptas para enfrentar a crise bem mais que as gigantes internacionais, que ate mesmo pelo seu tamanho acaba sendo bem mais complexa uma situacao de crise no seu principal mercado (AREA 1 e 2 do Pacifico Norte).

Muitas crise ja houveram, mas tenho um grande sentimento de que pela primeira vez nossas empresas estao extremamente preparadas para essa grande crise.

 

Afinal, por mais rigido que seja o inverno, depois sempre vira a primavera!!!! Depois de 2001, a aviacao aguenta qualquer uma!!!!

 

Um abraco e muita forca para todos nos da aviacao!!

Link to comment
Share on other sites

 

Acho que CWB foi retirada do mapa de novos vôos da TAP. mesmo que construam a 3o. pista, como está prevista na lista de investimentos pra Copa, pelo

 

menos por enquanto até passar os efeitos da crise o que vc acha LipeGIG ???

 

Acho que Belo-Horizonte e Rio e outros destinos deverão ser mantidos.

Link to comment
Share on other sites

Não sei de onde o Ancelmo Góis tirou essa queda de 30%...:suicide_anim:

 

Caro Thiago,

 

Também não sei de onde ele tirou esse número.

 

Mas vale a pena ressaltar que o número de vendas não corresponde ao número de passageiros transportados dentro de um mesmo mês. Ainda mais em se tratando de vôos internacionais. As vendas de um mês, são geralmente para viagens a serem realizadas dentro de 6 meses.

 

Esses números em queda poderão e darão bons indícios das ocupações no primeiro semestre de 2009.

 

Abraços,

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade