Jump to content

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

José C. Biason

Co-piloto ou marionete?

Recommended Posts

Co-piloto ou marionete?

 

O presente artigo fala da responsabilidade e importância do co-piloto, frequentemente subestimado por ele mesmo e por alguns comandantes "auto-suficientes".(Nota SDV)

 

Volta e meia vemos questionado, através de piadas de mau gosto, se a presença de um co-piloto na cabine de comando é mais uma exigência legal do que propriamente uma necessidade. Se você é um co-piloto, provavelmente inclinará a cabeça em sinal de concordância, enquanto os comandantes poderão validar qualquer tendência de fazer o mesmo, pela lembrança de seus dias de assento direito.

 

As piadas são criadas para serem aceitas com leveza; acontece que voar do lado direito, além de não ser uma piada, é algo muito sério.

 

O aviador pioneiro, que se indignou frente à mera sugestão de levar consigo um piloto, poderia ter tido razões conservadoras e antiquadas para isto. Mas, com o desenvolvimento, o progresso das aeronaves e a complexidade sempre crescente dos sistemas de tráfego, esta águia solitária tornou-se arcaica por razões óbvias.

 

Infelizmente, a degradação sutil do co-piloto não desapareceu juntamente com o comandante auto-suficiente. Talvez seja simplesmente uma continuação dos velhos tempos. Mas existe uma real possibilidade de que tais rebaixamentos, que muitas vezes ressumam nas cabines de comando de nossas mais modernas aeronaves, tenham contribuído com acidentes em que os co-pilotos desempenharam papéis importantes.

 

Todos nós temos visto o jovem e atento co-piloto, ansioso por assistir seu comandante de qualquer maneira possível. Assim mesmo, quantas vezes você tem visto ou sido um comandante impaciente, aquele que assume completamente os deveres do co-piloto a título de ganhar tempo? Quantos comandantes não são simplesmente impacientes para esperar que um inexperiente homem da direita tateie metodicamente através de uma lista de cheque?

 

A degradação da função, na cabine, está diretamente relacionada à atitude pouco realista de que um verdadeiro e completo "capitão" pode perfazer todas as funções da cabine melhor ainda quando despojado da assistência do co-piloto.

 

Conseqüências

 

Esta maneira de pensar pode ter um desenrolar com implicações indesejáveis, a primeira é que o co-piloto não tocará em qualquer coisa sem primeiro hesitar, observando disfarçadamente o piloto, vendo se ele concorda com o ato.

 

Em essência, tal co-piloto tende a transferir suas responsabilidades ao comandante. Ele, subconsciente-mente, desiste de tentar o desempenho de seus próprios standards, porque seu comandante o desencoraja a fazê-lo. Em outras palavras, ele se acomoda e espera que o comandante ou cumpra com todas as funções ou o instrua verbalmente sobre como e quando fazer alguma coisa na qual ele já deveria ser proficiente.

 

Existe um outro tipo de co-piloto sofrendo de uma tensão originária da mesma doença, que pensa estar o comandante constantemente a vigiá-lo; uma vez que ele sabe estar sendo minuciosamente observado, espera que todos os seus erros sejam imediatamente corrigidos, e assim deixa de ser tão cuidadoso como poderia ser.

 

Membro Vital

 

Infelizmente, nem todos os erros de um co-piloto são corrigíveis. Por exemplo: numa fase de emergência, cada homem tem uma obrigação a cumprir que, em hipótese alguma, deve ser transferida a outrem. Ou talvez o outro não tenha tempo para observar que alguém deixou de executar um item particular.

 

Co-pilotos também são membros vitais. Se assim não fosse, sua presença não seria prevista na composição de certas tripulações. Como membros vitais, eles não podem pensar que estão sentados do lado direito aguardando placidamente uma graduação, e nem devem ser tratados neste sentido. Mas se eles não estiveram conscientizados desse status, não operarão efetivamente, vindo o dia em que gerarão problemas.

 

Muitos co-pilotos inexperientes começam tentando seu melhor nível por uma questão de satisfazer o homem da esquerda. Não há nada de errado nisso, pois todo o subordinado deve tentar satisfazer seu superior no âmbito funcional, guardados os limites da dignidade profissional e pessoal. Mas o mais importante é que ele deve pensar por si mesmo; deve agir como uma entidade pensante e não como uma marionete do assento direito. Se ele não pensa, está roubando toda a equipe naqueles momentos em que alguém tem que pensar por ele.

 

Qualquer bom comandante de aeronave monitora seus co-pilotos numa certa extensão, particularmente se este é novato ou inexperiente naquele tipo de avião. Na verdade, o comandante monitora toda a equipe, mas os co-pilotos também necessitam da oportunidade de assumir responsabilidades e ganhar confiança na sua habilidade de servir como mão direita do comandante. Para fazer isso, o homem da direita precisa crer que é parte importante da tripulação. Nesta descoberta é que o comandante atua como parte imprescindível.

 

Comandantes de aeronaves não detêm o "monopólio do mercado de acidentes" e certamente os co-pilotos precisam executar seus deveres propriamente, a fim de tornar cada vôo o mais seguro possível. Afinal de contas, sabe-se que acidentes aéreos já foram precipitados por co-pilotos, prova ampla da natureza crítica de suas obrigações.

 

Publicado originalmente na Revista Cockpit (Ano 3, Jan/Fev 1989), da Associação dos Pilotos da VASP - (Indicado pelo Cmte. Pavanello - Diretor de Piloto da ATT).

 

Bons voos!

 

JC. Biason

Share this post


Link to post
Share on other sites

Otima materia, meu caro. Ando lendo esses textos por voce postados, e sao de imprescindivel valor/qualidade.

Continue assim.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ser copila eh um saco, mesmo estando certo estamos errados, tem gente que nao admite, e assim os acidenters acontecem...

Pior eh voar na base do pitaco, a aproximaçao fica um lixo, voo a 4 maos, prefiro ficar sem operar, nao ganho pra isso mesmo...

 

Abraços...

 

 

 

 

Co-piloto ou marionete?

 

O presente artigo fala da responsabilidade e importância do co-piloto, frequentemente subestimado por ele mesmo e por alguns comandantes "auto-suficientes".(Nota SDV)

 

Volta e meia vemos questionado, através de piadas de mau gosto, se a presença de um co-piloto na cabine de comando é mais uma exigência legal do que propriamente uma necessidade. Se você é um co-piloto, provavelmente inclinará a cabeça em sinal de concordância, enquanto os comandantes poderão validar qualquer tendência de fazer o mesmo, pela lembrança de seus dias de assento direito.

 

As piadas são criadas para serem aceitas com leveza; acontece que voar do lado direito, além de não ser uma piada, é algo muito sério.

 

O aviador pioneiro, que se indignou frente à mera sugestão de levar consigo um piloto, poderia ter tido razões conservadoras e antiquadas para isto. Mas, com o desenvolvimento, o progresso das aeronaves e a complexidade sempre crescente dos sistemas de tráfego, esta águia solitária tornou-se arcaica por razões óbvias.

 

Infelizmente, a degradação sutil do co-piloto não desapareceu juntamente com o comandante auto-suficiente. Talvez seja simplesmente uma continuação dos velhos tempos. Mas existe uma real possibilidade de que tais rebaixamentos, que muitas vezes ressumam nas cabines de comando de nossas mais modernas aeronaves, tenham contribuído com acidentes em que os co-pilotos desempenharam papéis importantes.

 

Todos nós temos visto o jovem e atento co-piloto, ansioso por assistir seu comandante de qualquer maneira possível. Assim mesmo, quantas vezes você tem visto ou sido um comandante impaciente, aquele que assume completamente os deveres do co-piloto a título de ganhar tempo? Quantos comandantes não são simplesmente impacientes para esperar que um inexperiente homem da direita tateie metodicamente através de uma lista de cheque?

 

A degradação da função, na cabine, está diretamente relacionada à atitude pouco realista de que um verdadeiro e completo "capitão" pode perfazer todas as funções da cabine melhor ainda quando despojado da assistência do co-piloto.

 

Conseqüências

 

Esta maneira de pensar pode ter um desenrolar com implicações indesejáveis, a primeira é que o co-piloto não tocará em qualquer coisa sem primeiro hesitar, observando disfarçadamente o piloto, vendo se ele concorda com o ato.

 

Em essência, tal co-piloto tende a transferir suas responsabilidades ao comandante. Ele, subconsciente-mente, desiste de tentar o desempenho de seus próprios standards, porque seu comandante o desencoraja a fazê-lo. Em outras palavras, ele se acomoda e espera que o comandante ou cumpra com todas as funções ou o instrua verbalmente sobre como e quando fazer alguma coisa na qual ele já deveria ser proficiente.

 

Existe um outro tipo de co-piloto sofrendo de uma tensão originária da mesma doença, que pensa estar o comandante constantemente a vigiá-lo; uma vez que ele sabe estar sendo minuciosamente observado, espera que todos os seus erros sejam imediatamente corrigidos, e assim deixa de ser tão cuidadoso como poderia ser.

 

Membro Vital

 

Infelizmente, nem todos os erros de um co-piloto são corrigíveis. Por exemplo: numa fase de emergência, cada homem tem uma obrigação a cumprir que, em hipótese alguma, deve ser transferida a outrem. Ou talvez o outro não tenha tempo para observar que alguém deixou de executar um item particular.

 

Co-pilotos também são membros vitais. Se assim não fosse, sua presença não seria prevista na composição de certas tripulações. Como membros vitais, eles não podem pensar que estão sentados do lado direito aguardando placidamente uma graduação, e nem devem ser tratados neste sentido. Mas se eles não estiveram conscientizados desse status, não operarão efetivamente, vindo o dia em que gerarão problemas.

 

Muitos co-pilotos inexperientes começam tentando seu melhor nível por uma questão de satisfazer o homem da esquerda. Não há nada de errado nisso, pois todo o subordinado deve tentar satisfazer seu superior no âmbito funcional, guardados os limites da dignidade profissional e pessoal. Mas o mais importante é que ele deve pensar por si mesmo; deve agir como uma entidade pensante e não como uma marionete do assento direito. Se ele não pensa, está roubando toda a equipe naqueles momentos em que alguém tem que pensar por ele.

 

Qualquer bom comandante de aeronave monitora seus co-pilotos numa certa extensão, particularmente se este é novato ou inexperiente naquele tipo de avião. Na verdade, o comandante monitora toda a equipe, mas os co-pilotos também necessitam da oportunidade de assumir responsabilidades e ganhar confiança na sua habilidade de servir como mão direita do comandante. Para fazer isso, o homem da direita precisa crer que é parte importante da tripulação. Nesta descoberta é que o comandante atua como parte imprescindível.

 

Comandantes de aeronaves não detêm o "monopólio do mercado de acidentes" e certamente os co-pilotos precisam executar seus deveres propriamente, a fim de tornar cada vôo o mais seguro possível. Afinal de contas, sabe-se que acidentes aéreos já foram precipitados por co-pilotos, prova ampla da natureza crítica de suas obrigações.

 

Publicado originalmente na Revista Cockpit (Ano 3, Jan/Fev 1989), da Associação dos Pilotos da VASP - (Indicado pelo Cmte. Pavanello - Diretor de Piloto da ATT).

 

Bons voos!

 

JC. Biason

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esses dia atras um Copiloto (marionete) salvou a vidas.

Devido a um mau subto sofrido pelo Cmte da aeronave do Bradesco.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Esses dia atras um Copiloto (marionete) salvou a vidas.

Devido a um mau subto sofrido pelo Cmte da aeronave do Bradesco.

Errata: Mal subto agora sim

Share this post


Link to post
Share on other sites

Apenas um comentário a respeito desse artigo:

 

É um texto interessante, mas que essencialmente tem como referência o que havia de concepção na época (1989). Hoje em dia, 20 anos depois, pelo menos nas grandes empresas aéreas bem conceituadas, muitas coisas mudaram, e a forma como cada um deve se portar e o que é primordial na participação efetiva de todos os membros da tripulação apresentam outros parâmetros. Como não poderia deixar de ser, é claro que alguns desvios de conduta, que extrapolam os limites aceitáveis, ainda afetam parte do processo de relacionamento, entrosamento e atuação de todos que trabalham numa empresa aérea, porque obviamente compõe a própria natureza do ser humano, mas isso atualmente é tratado mais como exceção do que referencial, principalmente quando observarmos o que as empresas andam estabelendo em seus treinamentos de vôo e de gerenciamento. Não há mais espaço para comportamentos omissos, medrosos, competitivos, arrogantes e nem de auto-suficiência. E independente da condição de vôo, todos os aspectos sempre serão aplicáveis a qualquer nível de experiência ou idade.

 

Se o espaço à participação foi aberto em grande amplitude, também devemos observar que não há mais tolerância quanto a qualquer alegação de que uma determinada função a bordo e/ou experiência acabam impondo limitações ou até mesmo abreviando responsabilidades durante um vôo. Se um comandante sempre será, em todos os sentidos, o responsável final pela qualidade operacional do produto que deverá ser apresentado por sua tripulação, que afetará consistentemente e consideravelmente no resultado de um determinado trabalho, do princípio ao final, os membros de sua equipe devem ter completa consciência de que suas atitudes em prol do melhor desempenho de suas atribuições contribuem decisivamente para aquilo que uma empresa aérea espera de seus funcionários, e essa importante noção também serve de alerta quanto aos acontecimentos diversos, porque todos serão cobrados e questionados, no caso de divergências ou qualquer tipo de incidente ou até mesmo acidente, ainda mais quando existem sinais claros de conduta indevida, comportamental e/ou profissional.

 

Lendo esse artigo, em dado momento pode surgir uma sensação de que devemos ter pena e benevolência do profissional que ocupa um assento a direita do comandante, mas no atual estágio da aviação comercial, as cobranças impostas superam qualquer justificativa quanto às barreiras que supostamente existem em certos ambientes de trabalho. Na prática, os atuais administradores e as autoridades aeronáuticas, quando aplicável, virão, sem qualquer receio, cobrar de cada membro da tripulação por qualquer ocorrência que tenha sido resultado de desvios daquilo que estava estabelecido nas regras, que estão cada vez mais abrangentes e claras quanto ao papel de todos a bordo (e fora de uma aeronave também). Eles, os tripulantes, devem ter uma perfeita e bem fundamentada idéia do quanto que é esperado de cada um deles e até onde cada um tem o direito de usar de suas atribuições para o melhor exercício de suas funções, quer seja um comandante, quer seja um co-piloto, novato ou sênior.

 

Abs

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu ainda acho que a questão é um pouco mais ampla. A questão sobre como o Master se comporta vem de muito tempo atrás... Chama-se educação. De quando era apenas criança...

 

Falo isso porque tem um professor ex-VASP que comentou que já aconteceu de o co-piloto que voava com ele salvou um aeronave. Eles estavam voando e o motor esquerdo falhou. O cmte foi cortar o motor olhando para o motor e não para o comando que iria executar. Na hora o co-piloto falou alto e firme "NÃO!" e TIROU A MÃO DO COMANDANTE do comando que iria executar. Simplesmente o Cmte iria cortar o motor errado.

 

O CMTE tem muita confiança. O Co-Piloto tem muita atenção. :cutuca:

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information