Jump to content

Gol é condenada a pagar R$ 20 mil a família vítima de overbooking


Led.737

Recommended Posts

Do UOL Notícias

Em São Paulo

 

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a companhia aérea Gol a pagar R$ 20 mil de indenização a uma família que foi vítima de overbooking, e mais R$ 1.406 referentes às passagens. A decisão dos desembargadores da 4ª Câmara Cível considerou que houve dano moral.

 

Mônica Flores Rick, Rafael Scmitt Rick e suas duas filhas compraram passagens aéreas para passar as festas de fim de ano em Porto Alegre (RS), mas tiveram que viajar com as meninas de 7 e 10 anos no colo, porque não havia assentos disponíveis no avião.

 

Além disso, os bilhetes comprados eram para um voo sem escala, mas o avião parou em Campinas (SP), o que provocou um atraso de quatro horas na viagem.

 

"A pessoa aguardar quatro horas para um voo, com escala que não era prevista, acomodando-se duas pessoas em cada assento, tendo adquirido passagens para todos de sua família, causa angústia, tristeza e sofrimento, ofendendo a incolumidade psíquica e a dignidade e gerando, por conseguinte, danos morais a serem compensados", declarou o desembargador Horácio dos Santos Ribeiro Neto, relator do processo.

 

 

Fonte: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2009/...t5772u5578.jhtm

Link to comment
Share on other sites

Viajar com uma criança de 10 anos no colo com o espaço que a GOL oferece, chega a ser um milagre, tanto o adulto como a criança devem ser magérrimas, fora que isso compromete muito a segurança, eles deveriam ter sido acomodados em outro voo...

Link to comment
Share on other sites

Também estou achando muito estranha a situação, tendo em vista que somente crianças de até 2 anos podem ser consideradas como colos.

Como a GOL permitiu isso no lugar de embarcar essas pessoas em outro vôo? Em caso de acidente o problema seria ainda pior que este processo de indenização.

Que coisa...

Link to comment
Share on other sites

Olha, quanto a esse caso eu não sei o que aconteceu, mas é provável que tenha ocorrido troca de aeronave e por isso não foi possível acomodar todo mundo até porque a GOL não pratica overbooking. Ou era um 738 e o avião que veio foi um 737 ou um 733. Ou ainda, era um avião da GOL e o que foi colocado pra fazer o vôo foi um da Varig, já que isso aconteceu no final de ano, e naquela época os aviões da GOL e Varig tinham configurações diferentes. Agora, no tempo que eu trabalhava no aeroporto, e não era na GOL, várias vezes quando acontecia o overbooking, oferecíamos o crédito, mas as vezes era necessário oferecer pra um pax fazer o CHD dele virar colo. Mas CHDs com uns 5 anos no máximo. E o pai recebia o crédito de volta do valor da passagem. E nunca ninguém processou!!! Pelo menos os casos que aconteceram no aeroporto que eu trabalhava.

 

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

Olha, quanto a esse caso eu não sei o que aconteceu, mas é provável que tenha ocorrido troca de aeronave e por isso não foi possível acomodar todo mundo até porque a GOL não pratica overbooking.

 

Abraços

 

Fiquei surpreso...

Link to comment
Share on other sites

Fiquei surpreso...

Com oq?

 

"A Gol informou, por meio de nota, que não faz a sobrevenda de passagens, o chamado overbooking e que seu sistema de venda de passagens da não permite que sejam vendidos mais assentos do que a capacidade das aeronaves.

 

De acordo com a empresa, em episódios pontuais podem ocorrer cancelamentos ou alteração do horário do vôo devido a remanejamentos da malha aérea da companhia. Nessas ocasiões, os passageiros são avisados com antecedência e reacomodados em outros vôos até o limite da capacidade de passageiros."

 

 

Link to comment
Share on other sites

O que pode ter acontecido, foi um overload.

 

Overload, é quando o limite da aeronave está no peso, e não no numero de assentos.

Já aconteceu aqui em CWB, o PR-GGA, com 187 pax checados na sala de embarque, quando caiu um temporal em CGH, e a pista ficou com restrição de 155 pax. Os 32 restantes, viraram um "overbooking".

 

Mas infelizmente tem mto pax esperto, aconteceu esses dias, de precisarmos que um casal com 1 CHD topasse levar essa criança como INFT. Claaaaaaaro, foi oferecido um trecho de cortesia, além de um voucher taxi no destino. Todos toparam, e no final, depois de usar o trecho de cortesia, entraram com uma ação contra a GOL.

Sorte que nós tínhamos como provar que foi feito um acordo com os pax. A ação não foi pra frente...

 

Creio que seeeee deve ter acontecido algo parecido com isso, foi pq a galera comeu bola...

Link to comment
Share on other sites

Que horrível.

Esses pax agiram de má fé !

 

:thumbsdown_still:

 

Como assim? A GOL nem deveria permitir uma coisa dessas, ela deveria ter arranjado algum voo em horário semelhante e ter colocado, e jamais permitido que uma CHD de 10 anos viajasse no colo, e vc ainda diz que a culpa foi dos pax? Eu até to gostando da GOL, mas essa foi uma toletada!

 

Link to comment
Share on other sites

Com oq?

 

"A Gol informou, por meio de nota, que não faz a sobrevenda de passagens, o chamado overbooking e que seu sistema de venda de passagens da não permite que sejam vendidos mais assentos do que a capacidade das aeronaves.

 

De acordo com a empresa, em episódios pontuais podem ocorrer cancelamentos ou alteração do horário do vôo devido a remanejamentos da malha aérea da companhia. Nessas ocasiões, os passageiros são avisados com antecedência e reacomodados em outros vôos até o limite da capacidade de passageiros."

 

Não sei vc Cae, mas eu achava que o "normal" era ter overbooking.

 

Overbooking é uma prática corriqueira entre as empresas, é uma equação simples, é mais barato solucionar os problemas pontuais decorrentes dos poucos casos de overbooking reais, do que amargar o prejuízo dos passageiros que desistem de viajar.

Achava que todas as empresas praticavam, é reprovável, mas num mercado que economiza centavos e considerando os valores das indenizações fixadas no Brasil, o overbooking acabava sendo aceito.

Talvez o perfil tarifário, as multas aplicadas e o público alvo da GOL, permitam que ela não pratique overbooking, méritos para ela.

Por isso fiquei surpreso.

 

Ps: Esta nota que a GOL emitiu, foi quando ela foi acusada de fazer "overbooking disfarçado" com os voos da VGR, ocasião em que a empresa sofreu uma série de condenações por esta prática.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Não sei vc Cae, mas eu achava que o "normal" era ter overbooking.

 

Overbooking é uma prática corriqueira entre as empresas, é uma equação simples, é mais barato solucionar os problemas pontuais decorrentes dos poucos casos de overbooking reais, do que amargar o prejuízo dos passageiros que desistem de viajar.

Achava que todas as empresas praticavam, é reprovável, mas num mercado que economiza centavos e considerando os valores das indenizações fixadas no Brasil, o overbooking acabava sendo aceito.

Talvez o perfil tarifário, as multas aplicadas e o público alvo da GOL, permitam que ela não pratique overbooking, méritos para ela.

Por isso fiquei surpreso.

 

Ps: Esta nota que a GOL emitiu, foi quando ela foi acusada de fazer "overbooking disfarçado" com os voos da VGR, ocasião em que a empresa sofreu uma série de condenações por esta prática.

Como trabalho na Gol sempre soube disso,inclusive no comeco da empresa era feito ate propaganda desse diferencial.

 

Apenas coloquei a nota como referencia,pois a politica da empresa de nao ter overbooking ainda nao mudou.

Link to comment
Share on other sites

Como assim? A GOL nem deveria permitir uma coisa dessas, ela deveria ter arranjado algum voo em horário semelhante e ter colocado, e jamais permitido que uma CHD de 10 anos viajasse no colo, e vc ainda diz que a culpa foi dos pax? Eu até to gostando da GOL, mas essa foi uma toletada!

 

 

 

A má-fé citada pelo Rodney é a do caso descrito pelo Raphacoxa, e nao o original, da primeira postagem.

Link to comment
Share on other sites

Estas questões sempre são complicadas, as vezes na boa intenção de ajudar o passageiro a conduta dos funcionários acaba complicando ainda mais a situação da empresa.

Soluções de improviso, como esta da criança ou aquele caso do passageiro que foi no jump, para resolver um problema acabam criando dois.

Estas "gambiarras" e "acordos" feitos na hora, podem enfraquecer mas não necesariamente prejudicam uma ação judicial, fora questões de segurança e de coerência operacional, fica difícil depois de um exceção destas, convencer outros passageiros de que crianças de até 10 anos não podem ir no colo, por exemplo.

Agora que existem passageiros mal intencionados, isso existe, sem dúvida, lembro do caso de um grupo de passageiros que sempre comprava passagens para véspera de datas festivas, com objetivo de conseguirem benefícios por conta do overbooking, overload.

Quando a empresa não oferecia nada entravam com ações na justiça, com alto teor emotivo, do tipo "perdi as comemorações com minha família querida".

O problema é que o advogado exagerou no tom da emotividade, chamou tanto a atenção qeu foi fácil identificar as petições iguais e o histórico dos passageiros que adotavam este procedimento, o cara tinha se especializado nisso. Só não foi condenado por litigância de má-fé (Usar de meios desonestos em uma açõa judicial), pq eram beneficiados da justiça gratuíta.

 

Abraços.

 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade