Jump to content

Dez anos: preço de viagem aérea cai 34%


José C. Biason

Recommended Posts

 

Dez anos: preço de viagem aérea cai 34%

Aumento de 224% no preço do barril do petróleo em 11 anos não atrapalha desempenho

 

 

 

Fonte: Valor Econômico

 

 

 

Apesar de a aviação comercial brasileira ter presenciado dois dos maiores acidentes aéreos de sua história, caos nos aeroportos e o fim de alguns de seus maiores protagonistas nos últimos 10 anos, um estudo da Bain & Company mostra que o ganho de eficiência das companhias aéreas, nesse período, também trouxe boas novas.

 

A análise mostra que a acirrada competição no setor aéreo vai se traduzir em um recuo de 34% no preço das passagens de 1998 até o fim deste ano. E isso vai acontecer mesmo com o aumento de 224% no preço do barril do petróleo no mesmo intervalo de tempo.

 

Essa previsão de queda no preço das passagens leva em consideração a sazonalidade dos últimos três meses do ano, período de alta temporada, quando há um aumento médio de tarifas de até 10%, segundo a Bain. A Gol, por exemplo, já anunciou que planeja um aumento de 20% no preço dos bilhetes aéreos até o final do ano, após uma intensa disputa por passagens mais baratas travada principalmente com a TAM, mas que foi reforçada pela estreia da Azul, em dezembro de 2008, e pelo crescimento de companhias como OceanAir e Webjet.

 

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também constatou a redução dos preços das passagens. Levantamento da Anac mostra que o valor pago pelos passageiros por quilômetro transportado (yield tarifa, no jargão do setor) foi de R$ 0,41 em setembro, o que representou um recuo de 29,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Esse índice é atualizado mensalmente de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede oficialmente a inflação do país. A Anac também mediu a tarifa média praticada nas 67 ligações aéreas monitoradas por ela. Em setembro, o valor médio foi de R$ 267, sendo que no mesmo mês do ano passado era de R$ 415,18, uma queda de 35,6%.

 

Num cenário de passagens mais em conta, o volume de passageiros embarcados em voos domésticos vai mais do que triplicar de 1998 até o fim deste ano, de 16,5 milhões para quase 60 milhões. As projeções foram feitas com dados acumulados até junho.. Mas toda essa evolução, segundo o estudo da consultoria, não foi suficiente para melhorar a infraestrutura do sistema aéreo.

 

"O que levou a essa queda de tarifa foi a substituição das empresas ineficientes pelas eficientes, leia-se Gol e TAM", afirma o especialista em aviação da Bain & Company, André Castellini.

 

Em 1998, lembra ele, TAM, Transbrasil, Varig e Vasp formavam o bloco das empresas de grande porte que disputavam os voos domésticos. Dez anos mais tarde só restaram TAM e Gol - esta última comprou a Varig em 2008 - nesse grupo. No mercado internacional, a hegemonia da Varig na década passada foi substituída pelo atual predomínio da TAM.

 

Castellini afirma que o barateamento das passagens e o aumento do fluxo de passageiros foram possíveis porque, em 10 anos, a utilização diária dos aviões saltou de 6,9 horas para 12,9 horas, uma expansão de 87%. A oferta média de assentos por quilômetro avançou de 89 milhões, em 1998, para 515 milhões, no ano passado, o que representa um crescimento de 479%. A receita bruta das aeronaves, por sua vez, era de R$ 21 milhões e passou para R$ 99 milhões no mesmo período de comparação.

 

"O que permitiu esse cenário foi a redução de custos e a rivalidade muito acentuada das duas principais empresas. E essa rivalidade se manifestou na ampliação da frota", diz Castellini.

 

O aumento do número de aviões na aviação comercial brasileira foi constatado pela Bain. Segundo a consultoria, a agressividade das empresas fez com que a oferta de assentos por quilômetro crescesse mais do que o dobro da variação anual do Produto Interno Bruto (PIB) desde 2006.

 

No primeiro semestre deste ano, enquanto o PIB recuou 1,2%, a oferta de assentos avançou 11% e a receita por passageiro por quilômetro teve expansão de 4%.

 

Com as compras de aviões novos, TAM e Gol têm atualmente uma das frotas mais modernas do mundo, de 5,9 anos e 7,4 anos respectivamente. Só perdem para a irlandesa Ryanair (2,8 anos) e para a americana JetBlue (4,1 anos). Os dados são de setembro de 2009, de um site especializado em aeronaves, o airfleets.

 

O desenvolvimento das companhias aéreas, porém, traz um dado preocupante. Castellini afirma que "pouco ou nada se fez" para melhorar a infraestrutura dos aeroportos nos últimos 10 anos. O estudo da Bain alerta para a necessidade de a capacidade aeroportuária ter de triplicar em 20 anos para poder acomodar a demanda que será gerada no período.

 

A Copa do Mundo de Futebol de 2014 e a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro, acrescenta a análise, "tornam ainda mais urgentes" as melhorias na infraestrutura aeroportuária. E como prioridade é citada a ampliação da capacidade dos terminais de São Paulo, que já estão operando no limite.

 

JC. Biason

 

 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade