Jump to content

Embraer na China, uma jornada turbulenta que pode estar chegando ao fim


Hangar20

Recommended Posts

O terrível acidente ocorrido no último dia 24 no Aeroporto Yichun, na China, envolvendo uma aeronave da Embraer, o E-190, é o último capítulo de uma jornada de turbulência da empresa brasileira em terras chinesas.

 

Em dezembro de 2002 a empresa brasileira juntou-se a China Aviation Industry Corporation (AVIC) para criar a empresa Harbin Embraer Aircraft Industry Company, Ltd, destinada a montagem final dos aviões da família ERJ 145 para o mercado chinês. Desde 2007, no entanto, as notícias vindas da China não têm sido favoráveis aos brasileiros.

 

O maior contrato da Embraer na China é com a companhia aérea Hainan Airlines, no valor de US$ 2,7 bilhões, e apresentou problemas desde sua assinatura. O acerto previa a venda de 100 aviões: 50 ERJ 145, produzidos em Harbin, e 50 Embraer 190, feitos no Brasil. Em maio de 2009, o contrato foi ajustado e o número de pedidos firmes reduzido de 50 para 25 jatos ERJ 145. Além disso, foi alongado em seis meses o prazo de entregas, do final de 2010 para o final do primeiro semestre de 2011.

 

Antes da reformulação do contrato, ainda no final de 2008, as ações do governo chinês para combater a crise mundial acabaram por impor restrições ao setor de aviação do país e mais especificamente à EMBRAER. Desde então a empresa brasileira convive com enormes dificuldades para obtenção de licenças de importação junto à autoridade chinesa, o que tem causado graves problemas para a entrega dos jatos E-190 fabricados no Brasil. Neste caso, nem mesmo a intervenção do próprio presidente Lula em sua última visita à China conseguiu produzir qualquer avanço sobre o impasse.

 

A Embraer também assistiu sua sócia chinesa se tornar parceira indireta da arquirrival Bombardier. O governo chinês fundiu as duas grandes fabricantes de aviões: AVIC II, sócia da Embraer, e AVIC I, que se preparava para colocar no mercado um avião concorrente da família 170/190, o ARJ 21. Com a nova AVIC o projeto do ARJ 21 foi deslocado para uma terceira companhia, a Commercial Aircraft Corporation of China (CACC), que também é controlada pelo governo chinês. Em novembro de 2008, a CACC firmou acordo de cooperação tecnológica com a Bombardier para produzir o ARJ 21.

 

Se antes a EMBRAER sequer cogitava produzir da família E-170/190 na China, algo que antes da crise econômica sempre interessou os chineses, hoje a situação é bem diferente. Neste exato momento, é a empresa brasileira que pede autorização para a produção de aeronaves de até 120 assentos em território chinês e, ironicamente, as autoridades chinesas demonstram total desinteresse no assunto.

 

A verdade é que o futuro da EMBRAER na China é incerto. Até julho de 2011, muito provavelmente, a Harbin será mantida para concluir a entrega dos 25 jatos ERJ-145. A partir daí, aparentemente apenas mudanças muito positivas nas relações entre a EMBRAER e a China farão com que a empresa brasileira permaneça em solo chinês. E certamente a tragédia no Aeroporto Yichun ocorrida com o E-190 não ajuda.

 

Redação HANGAR20

Link to comment
Share on other sites

Não consigo fazer uma relação do acidente com o E-190 na China, com a lisura da imagem da Embraer no mesmo país.

Afinal de contas, nem se sabem ainda, às causas reais e oficiais do acidente.

 

Link to comment
Share on other sites

a EMBRAER deveria parar de ficar paparicando a china, eu sei que a oportunidade de se vender muito está lá, mas não precisa se humilhar a tanto

 

 

Airbus, Boeing e Bombardier pensam diferente...

Link to comment
Share on other sites

a EMBRAER deveria parar de ficar paparicando a china, eu sei que a oportunidade de se vender muito está lá, mas não precisa se humilhar a tanto

 

Assim, me senti um tanto "por fora" da realidade. O que a EMBRAER fez que pode ser considerado uma humilhação para instalar-se na China? :hypocrite:

 

É impressão minha ou há um certo exagero por aqui? Bem, patriotismo fanático à parte gostaria de lembrar que isso tudo é BUSINESS, ONLY THIS. :cutuca:

Link to comment
Share on other sites

Coincidentemente saiu no Wall Street que muitas empresas estão revendo a política de abrir empresas na China, pois só podem via joint-ventures e com transferência de tecnologia. Inclusive um fabricante americanos de lâmpadas foi bem claro: "preferimos manter a propriedade intelectual que ganhar dinheiro no curto prazo."

 

Airbus, Boeing e Bombardier pensam diferente...

 

A Airbus tem linha do A320 lá.

Link to comment
Share on other sites

Funciona assim na China ....

 

Milhões de pessoas ávidas por trabalho e a um custo muito mais barato ... em verdade não tenho a mínima idéia das leis trabalhistas que lá imperam ( se é que elas existam ). Em comparação ao Brasil, tenho certeza que batemos os chineses em custo de mão-de-obra, haja visto nossas pesadas cargas tributárias relacionados a ela: para cada R$ 1,00 pago a um trabalhador, mais R$ 0,80 são recolhidos em impostos ao governo, entre eles para citar alguns:

13o. salário, férias remuneradas, horas extras, FGTS, INSS, dissídio, direito a greve, recolhimento não compulsório de um dia de trabalho ao síndicato, afastamento por doença, licença maternidade de 6 meses, multa de 40% sobre o FGTS em caso de rescisão, adicional noturno, adicional por tempo de trabalho, adicional por insalubridade, assistência médica em grupo, bolsa família, bolsa alimentação, bolsa supermercado .... e por aí vai ...

E depois de tudo acertado e pago, em caso de demissão, o contratante ( no caso a empresa ) ainda corre o risco de um processo trabalhista.

Vocês conseguem visualizar isto tudo como direito de um trabalhador na China ? Dúvido !!!

 

Assim, e desta forma, os chineses autorizam a abertura da "joint-venture" e a produção "sob-licença" no território deles e claro com

transferência de tecnologia ( conhecido como "off-sets" ).

Tecnologia de ponta é administrada pela matriz no exterior, que precisa preservar ao máximo a qualidade da produção, não importa onde ela seja

feita ( nada a ver com "badulaques" chineses de péssima qualidade vendidos em lojas de R$ 1,99 pelo Brasil afora e pela tão conhecida Rua 25 de Março aqui em São Paulo ).

 

E colocar ( fincar nunca ) o pé na China significa ganhar principalmente o imenso e aparentemente infindável mercado que ali existe.

 

Uma vez absorvida a tecnologia, os chineses desenvolvem seu "clone", com qualidade igual ou superior daqueles que copiaram. E a um custo muito inferior

ao preço do concorrente daquele de quem ele "sugou" seu conhecimento ( maximizado aí mais uma vez pelo custo da mão de obra e pelo estrutura da empresa e o do desenvolvimento e maturação do produto - exemplo: Airbus A320 ).

 

"Clone" estabelecido no mercado ( interno e no satélite de países de sua influência ) a China dá ADEUS à "joint-venture", deixando aquele que

alí em terras chinesas se instalou e custeou a parceria de mãos vazias ( e atadas pelos chineses com seu mercado protecionista ).

 

Lembrem-se, é a China, aquela, a comunista, e da qual nada sabemos o que acontece em sua política interna extremamente preservada e inacessível,

e de que nem sempre respeitam os tratos estabelecidos pelos painéis da OMC - Organização Mundial do Comércio.

Link to comment
Share on other sites

Funciona assim na China ....

 

Milhões de pessoas ávidas por trabalho e a um custo muito mais barato ... em verdade não tenho a mínima idéia das leis trabalhistas que lá imperam ( se é que elas existam ). Em comparação ao Brasil, tenho certeza que batemos os chineses em custo de mão-de-obra, haja visto nossas pesadas cargas tributárias relacionados a ela: para cada R$ 1,00 pago a um trabalhador, mais R$ 0,80 são recolhidos em impostos ao governo, entre eles para citar alguns:

13o. salário, férias remuneradas, horas extras, FGTS, INSS, dissídio, direito a greve, recolhimento não compulsório de um dia de trabalho ao síndicato, afastamento por doença, licença maternidade de 6 meses, multa de 40% sobre o FGTS em caso de rescisão, adicional noturno, adicional por tempo de trabalho, adicional por insalubridade, assistência médica em grupo, bolsa família, bolsa alimentação, bolsa supermercado .... e por aí vai ...

E depois de tudo acertado e pago, em caso de demissão, o contratante ( no caso a empresa ) ainda corre o risco de um processo trabalhista.

Vocês conseguem visualizar isto tudo como direito de um trabalhador na China ? Dúvido !!!

 

Assim, e desta forma, os chineses autorizam a abertura da "joint-venture" e a produção "sob-licença" no território deles e claro com

transferência de tecnologia ( conhecido como "off-sets" ).

Tecnologia de ponta é administrada pela matriz no exterior, que precisa preservar ao máximo a qualidade da produção, não importa onde ela seja

feita ( nada a ver com "badulaques" chineses de péssima qualidade vendidos em lojas de R$ 1,99 pelo Brasil afora e pela tão conhecida Rua 25 de Março aqui em São Paulo ).

 

E colocar ( fincar nunca ) o pé na China significa ganhar principalmente o imenso e aparentemente infindável mercado que ali existe.

 

Uma vez absorvida a tecnologia, os chineses desenvolvem seu "clone", com qualidade igual ou superior daqueles que copiaram. E a um custo muito inferior

ao preço do concorrente daquele de quem ele "sugou" seu conhecimento ( maximizado aí mais uma vez pelo custo da mão de obra e pelo estrutura da empresa e o do desenvolvimento e maturação do produto - exemplo: Airbus A320 ).

 

"Clone" estabelecido no mercado ( interno e no satélite de países de sua influência ) a China dá ADEUS à "joint-venture", deixando aquele que

alí em terras chinesas se instalou e custeou a parceria de mãos vazias ( e atadas pelos chineses com seu mercado protecionista ).

 

Lembrem-se, é a China, aquela, a comunista, e da qual nada sabemos o que acontece em sua política interna extremamente preservada e inacessível,

e de que nem sempre respeitam os tratos estabelecidos pelos painéis da OMC - Organização Mundial do Comércio.

 

ta errado cara, lá não tem nada de comunista, eles abandonaram esse objetivo nos anos 80 e que teve em Deng Xiaoping o cara que criou as bases da China de Hoje!! o que há lá e capitalismo de Estado, mais nada...como disse um amigo acima, são apenas negócios.

 

e outra, o que a china faz com a OMC, os Eua e a união européia tb fazem...lembra da rodada de Doha??? lembra como acabou?hahaha não acabou..aliáis, nem começou..foi mais ou menos como cúpula do clima em copehagen: eua e união européia não aceitaram abrir mão nem de seus protecionismos agrícolas frentes a brasil, índia, alguns países africanos e china, e nem de suas metas de emissão de Co2...portanto...acho qeu China, Eua e UE ou o C** a quatro é tudo a mesma coisa!

Link to comment
Share on other sites

18/08/2010 - Valor Online

China eleva o salário mínimo em mais de 20%

 

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao UOL.

 

Nome:

 

E-mail:

 

Descrição do erro:

 

 

UOL

18/08/2010 - 08h51

China eleva o salário mínimo em mais de 20%

SÃO PAULO - A província de Qinghai, no nordeste da China, vai elevar o salário mínimo, tornando-se a 27ª entre as 31 províncias do país a realizar reajustes neste ano, informa a imprensa local. O novo salário mínimo vigorará a partir de 1º de setembro.

 

De acordo com a mídia chinesa, os aumentos concedidos até o momento ultrapassam os 20% na maior parte das províncias, sendo que em algumas regiões, chegam a 30%.

 

Atualmente, o salário mínimo de Shanghai, de 1.120 yuan (US$ 165), é o mais alto do país. Há regiões, entretanto, em que o valor do mínimo é de 580 yuan (US$ 84,97).

Com a recuperação da economia mundial, a China retomou sua política de aumento salarial iniciada em fevereiro. Os reajustes haviam sido congelados em novembro de 2008 devido à crise financeira global. A escassez de mão-de-obra em algumas regiões, destaca a imprensa chinesa, incentivou o governo a acelerar os reajustes.

(Francine De Lorenzo | Valor, com agências internacionais)

 

recortei essa reportagem aí...mas a coisa não pode ser vista da maneira que vemos. o salário é menor, mas o apoio do estado é total. mais..a população chinesa ainda é muito rural..tanto que o governo está tendo problemas com mão de obra..e mais..as famílias chinesas poupam dinheiro, coisa que não fazemos aqui..o cara aqui ganha um salário e gasta tudo em cerveja e em compras a crédito...lá eles poupam mais. o salário mais alto deles é de R$ 330 reais aproximadamente, o nosso é só uns duzentinhos a mais...e tb temos trabalho escravo tanto quanto eles lá...

Link to comment
Share on other sites

ta errado cara, lá não tem nada de comunista, eles abandonaram esse objetivo nos anos 80 e que teve em Deng Xiaoping o cara que criou as bases da China de Hoje!! o que há lá e capitalismo de Estado, mais nada...como disse um amigo acima, são apenas negócios.

 

e outra, o que a china faz com a OMC, os Eua e a união européia tb fazem...lembra da rodada de Doha??? lembra como acabou?hahaha não acabou..aliáis, nem começou..foi mais ou menos como cúpula do clima em copehagen: eua e união européia não aceitaram abrir mão nem de seus protecionismos agrícolas frentes a brasil, índia, alguns países africanos e china, e nem de suas metas de emissão de Co2...portanto...acho qeu China, Eua e UE ou o C** a quatro é tudo a mesma coisa!

 

Em nenhum momento citei comunismo, citei ?

As práticas comerciais externas chinesas nada tem a haver com o capitalismo de estado e suas consequencias sobre os direitos dos trabalhadores locais e reflexos diretos dos custos de mão de obra sobre o preço final do produto.

A prova está aqui ....

"Com a recuperação da economia mundial, a China retomou sua política de aumento salarial iniciada em fevereiro. Os reajustes haviam sido congelados em novembro de 2008 devido à crise financeira global. A escassez de mão-de-obra em algumas regiões, destaca a imprensa chinesa, incentivou o governo a acelerar os reajustes.

(Francine De Lorenzo | Valor, com agências internacionais)".

Para o mundo sim, capitalismo de estado, para os chineses, o bom e velho comunismo quando se trata de direitos trabalhistas.

 

Quanto à OMC, sim há problemas e protecionismo de todos os lados, e é por isso que existem os painéis individuais de discussões, como aconteceu entre Embraer e Bombardier anos atrás sobre subsídios governamentais para exportação ( neste caso com ganho parcial à Embraer ).

 

Link to comment
Share on other sites

recortei essa reportagem aí...mas a coisa não pode ser vista da maneira que vemos. o salário é menor, mas o apoio do estado é total. mais..a população chinesa ainda é muito rural..tanto que o governo está tendo problemas com mão de obra..e mais..as famílias chinesas poupam dinheiro, coisa que não fazemos aqui..o cara aqui ganha um salário e gasta tudo em cerveja e em compras a crédito...lá eles poupam mais. o salário mais alto deles é de R$ 330 reais aproximadamente, o nosso é só uns duzentinhos a mais...e tb temos trabalho escravo tanto quanto eles lá...

 

Não confundir salário mínimo com piso salarial.

 

Você por gentileza poderia e dizer qual é o piso salarial de um engenheiro aeroespacial na China comparado ao seu equivalente aqui no Brasil ?

Ah, e por favor, não se esqueça de agregar os custos ao empregador.

Link to comment
Share on other sites

Airbus, Boeing e Bombardier pensam diferente...
Prezado T7blue: A China tem o maior interêsse (por enquanto) na Boeing e Airbus, pois ainda não fabrica aeronaves de grande capacidade (mais de 150 pax). Quanto à Bombardier, ela irá seguir o caminho da EMBRAER, pois só foi objeto de uma jointy venture para enfraquecer a presença daquela no mercado (mercado?!) chinês. Quando os chineses obtiverem o know how dos canadenses, darão um jeito de tirá-los da China. O que ocorre é que as relações internacionais seguem as regras capitalistas e as domésticas, as comunistas. E o governo chinês virou mestre nisso!
Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade