Jump to content

Aeroporto do Galeão é campeão de colisões entre pássaros e aeronaves


Ricardo Fontes Moro

Recommended Posts

De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), só no ano passado foram 93 casos na área - O Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro, é o responsável pelo maior número de colisões entre pássaros e aviões no país. De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), só no ano passado foram 93 casos na área. Dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) mostram que há 3 anos, o registro era de pouco mais de 40 casos por ano. Com essa evolução, o Aeroporto do Galeão passa a responder por cerca de 10% desse tipo de colisão no País, superando o volume de registros dos aeroportos com maior movimento, como o Aeroporto Internacional de Cumbica (Guarulhos) e Aeroporto de Congonhas, ambos em São Paulo, e Aeroporto Internacional de Brasília - Presidente Juscelino Kubitschek. Os dados mostram apenas registros feitos pelas empresas aéreas e tripulações, como explicou o major Rubens de Oliveira, gerente do Programa de Controle do Perigo Aviário. Segundo ele, “há um consenso internacional que somente 20% a 25% das colisões que acontecem são comunicadas. Há uma tendência de [o registro de casos] ser maior [do que o divulgado] e de forma geral, é de 4 a 5 vezes maior do que esse volume”. A maior preocupação dos técnicos são os urubus, que, por voarem mais alto e por mais tempo, provocam mais incidentes, além de quero-queros, corujas e carcarás. A identificação dessas aves explica a liderança do aeroporto do Galeão nesse ranking. O complexo fica às margens da Baía de Guanabara, cercado pelo esgoto a céu aberto, lançado por comunidades próximas, além de manguezais e detritos acumulados. “O entorno do Galeão é muito complicado. A própria Baía de Guanabara é muito poluída com atração de muitas aves como garças e urubus, o aterro de Gramacho, os lixões clandestinos. Esse micro ambiente do entorno do Galeão nos preocupa muito e o aeroporto tem muito movimento. E quanto maior o movimento no aeroporto, maior o risco de colisões com as aves”, afirmou o major.

 

Fonte: Portal de notícias IG.

Link to comment
Share on other sites

De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), só no ano passado foram 93 casos na área - O Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro, é o responsável pelo maior número de colisões entre pássaros e aviões no país. De acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), só no ano passado foram 93 casos na área. Dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) mostram que há 3 anos, o registro era de pouco mais de 40 casos por ano. Com essa evolução, o Aeroporto do Galeão passa a responder por cerca de 10% desse tipo de colisão no País, superando o volume de registros dos aeroportos com maior movimento, como o Aeroporto Internacional de Cumbica (Guarulhos) e Aeroporto de Congonhas, ambos em São Paulo, e Aeroporto Internacional de Brasília - Presidente Juscelino Kubitschek. Os dados mostram apenas registros feitos pelas empresas aéreas e tripulações, como explicou o major Rubens de Oliveira, gerente do Programa de Controle do Perigo Aviário. Segundo ele, “há um consenso internacional que somente 20% a 25% das colisões que acontecem são comunicadas. Há uma tendência de [o registro de casos] ser maior [do que o divulgado] e de forma geral, é de 4 a 5 vezes maior do que esse volume”. A maior preocupação dos técnicos são os urubus, que, por voarem mais alto e por mais tempo, provocam mais incidentes, além de quero-queros, corujas e carcarás. A identificação dessas aves explica a liderança do aeroporto do Galeão nesse ranking. O complexo fica às margens da Baía de Guanabara, cercado pelo esgoto a céu aberto, lançado por comunidades próximas, além de manguezais e detritos acumulados. “O entorno do Galeão é muito complicado. A própria Baía de Guanabara é muito poluída com atração de muitas aves como garças e urubus, o aterro de Gramacho, os lixões clandestinos. Esse micro ambiente do entorno do Galeão nos preocupa muito e o aeroporto tem muito movimento. E quanto maior o movimento no aeroporto, maior o risco de colisões com as aves”, afirmou o major.

 

Fonte: Portal de notícias IG.

 

E o pior eh que ainda querem colocar um terminal pesquiro proximo ao GIG..... :thumbsdown_still: :thumbsdown_still: :ranting_1: :ranting_1: :thumbsdown_still: :thumbsdown_still: :ranting_1:

 

VERGONHA

 

CORSARIO 2402

 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade