Jump to content

A Estratégia de Risco da Webjet


Hangar20

Recommended Posts

A Estratégia de Risco da Webjet

 

A Companhia Aérea Webjet tem uma trajetória de altos e baixos. Em 2004, nasceu com apenas uma aeronave, mas parou suas operações menos de um ano depois. Voltou em 2006 e só ganhou corpo de verdade em 2007 quando o Grupo CVC passou a ser acionista da empresa.

 

A companhia de hoje nada mais tem a ver com aquela de 2004, é a terceira maior do país com aproximadamente 6% do mercado, já transportou cinco milhões de passageiros e opera vinte aeronaves Boeing 737-300.

 

Apesar desses números que impressionam, há no mercado, na imprensa e até nos fóruns de aviação especulações de que a companhia não estaria no rumo certo.

 

Desde que voltou a operar em 2006 a companhia vinha crescendo de forma lenta, porém sustentável, até que em 2009, Wagner Ferreira, ex-TAM, assumiu a presidência da empresa e deu início a uma reestruturação completa.

 

Em um ano, a frota de aviões praticamente dobrou, o conforto dentro dos aviões sumiu, a marca mudou e os preços das passagens caíram. Para se ter ideia, as aeronaves que antes tinham 136 assentos, passaram a ter 148 e os sanduíches e doces que eram servidos durante o serviço de bordo, foram substituídos por barras de cereal ou torradas.

 

Com a mudança nos serviços e a redução nos preços, a Web tende a perder os passageiros de negócio, que pagam relativamente mais, entretanto, exigem serviços relativamente diferenciados, como maior conforto a bordo e programa de milhagem.

 

Para que o novo plano dê certo, é necessário ter aviões cheios, mas infelizmente, observando os números divulgados pela ANAC em 2010, não é o que vem acontecendo. Desde janeiro, a taxa média de ocupação nos vôos da companhia só foi superior a 80% no mês de julho.

 

Segundo especialistas, com tarifas reduzidas e um Boeing 737-300 com aproximadamente 70% de ocupação, dificilmente as contas fecham.

 

Especula-se que a RYANAIR companhia aérea européia de baixo custo tenha interesse em comprar a empresa caso seja aprovada a mudança no Código Brasileiro de Aeronáutica, a qual permitirá que estrangeiros detenham até 49% das companhias aéreas brasileiras.

 

Se essa foi a melhor estratégia, só o tempo dirá, de qualquer modo, desejamos sorte e sucesso a Webjet para que a empresa cresça cada vez mais e de forma sustentável, trazendo assim mais concorrência para o mercado brasileiro.

 

Redação HANGAR20

Link to comment
Share on other sites

''Especula-se que a RYANAIR companhia aérea européia de baixo custo tenha interesse em comprar a empresa caso seja aprovada a mudança no Código Brasileiro de Aeronáutica, a qual permitirá que estrangeiros detenham até 49% das companhias aéreas brasileiras.''

 

WebJet Parando por falta de Piloto.... situacao financeira critica... interesse da RYANAIR...Projeto de aleracao do CBA para aumento de particapacao de capital estrangeiro e contratacao de pilotos estrangeiros...

 

:uhm:

 

Parece que é tudo de caso pensado.!

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Nossa, essa Web...ta pra mim já era...não gostei das duas vezes que voei com ela e ainda agora com essa patif....de hoje....não voo mesmo...Tem empresa bem mais interessante nesse país! Que cresça a Trip, a Passaredo, a Avianca!!!

Link to comment
Share on other sites

''Especula-se que a RYANAIR companhia aérea européia de baixo custo tenha interesse em comprar a empresa caso seja aprovada a mudança no Código Brasileiro de Aeronáutica, a qual permitirá que estrangeiros detenham até 49% das companhias aéreas brasileiras.''

 

WebJet Parando por falta de Piloto.... situacao financeira critica... interesse da RYANAIR...Projeto de aleracao do CBA para aumento de particapacao de capital estrangeiro e contratacao de pilotos estrangeiros...

 

:uhm:

 

Parece que é tudo de caso pensado.!

 

Parece? Já está mais que provado que É SIM tudo de caso pensado!

Link to comment
Share on other sites

Curioso. A ultima notícia que tive da Webjet (de gente de dentro) era de que a empresa nunca esteve tão bem. Vôos bem cheios e empresa dando lucro.

 

Os interesses que rolam por de traz dessas grandes CIAs são imensuraveis.$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Link to comment
Share on other sites

mais pelo amor de deus né, uma coisa não tem nada a ver com a outra, esse problema já era previsto há 2 meses atrás e todos sabiam, inclusive os vps. Mais q tá cheio tá, q tá dando lucro tá, dito isso pelo próprio presidente em email interno. Nao podemos confundir alhos com bugalhos né?

Link to comment
Share on other sites

Curioso. A ultima notícia que tive da Webjet (de gente de dentro) era de que a empresa nunca esteve tão bem. Vôos bem cheios e empresa dando lucro.

So lembrar que por vezes voo cheio nao significa lucro

Nao estou dizendo que a WebJet esta tendo prejuizo, mas apenas lembrando que nao podemos mensurar o seu balanco contabilistico com o seu load factor....

Link to comment
Share on other sites

Os interesses que rolam por de traz dessas grandes CIAs são imensuraveis.$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

 

Acho que todas as empresas né.

Link to comment
Share on other sites

Eu fico com um pé atrás com relação à Webjet, pois por não ser uma companhia de capital aberto fica difícil saber sobre seus resultados.

 

Os dados que temos são da ANAC, contemplam até 2008 e mostram que a companhia nunca deu lucro, devido ao maior peso dos custos fixos, com o endividamento tendo evoluido como uma bola de neve. De lá para cá a empresa se expandiu, ganhou escala, mas foi também o momento de tempos turbulentos na aviação brasileira, com as duas grandes, que divulgam seus resultados trimestralmente, dando demonstrações claras de como tem sido difícil gerar lucros substanciais como os observados até 2007. E olhem que não é mistério para ninguém que Tam e Gol possuem maiores yields, bem como economias de escala.

 

Torço pela Webjet, para que a mágica de cobrar muito menos (mesmo para datas próximas e pouca ou nem dia de permanência no destino) e ainda obter lucro dê certo, mas eu não consigo dar meu voto de confiança à companhia.

Link to comment
Share on other sites

Eu fico com um pé atrás com relação à Webjet, pois por não ser uma companhia de capital aberto fica difícil saber sobre seus resultados.

 

Os dados que temos são da ANAC, contemplam até 2008 e mostram que a companhia nunca deu lucro, devido ao maior peso dos custos fixos, com o endividamento tendo evoluido como uma bola de neve. De lá para cá a empresa se expandiu, ganhou escala, mas foi também o momento de tempos turbulentos na aviação brasileira, com as duas grandes, que divulgam seus resultados trimestralmente, dando demonstrações claras de como tem sido difícil gerar lucros substanciais como os observados até 2007. E olhem que não é mistério para ninguém que Tam e Gol possuem maiores yields, bem como economias de escala.

 

Torço pela Webjet, para que a mágica de cobrar muito menos (mesmo para datas próximas e pouca ou nem dia de permanência no destino) e ainda obter lucro dê certo, mas eu não consigo dar meu voto de confiança à companhia.

 

 

Por falar nisso, alguém sabe quando a ANAC deve divulgar o anuário estatístico da aviação de 2009?

Link to comment
Share on other sites

Acho que estão atropelando as coisas por aqui...

 

Por enquanto, me parece que estão repetindo o que fez a Gol no início de Agosto. Venderam muito, muitos charteres e no fim não tinham tripulação para atender a demanda.

 

Aí vc pode perguntar, pq fariam isso??

E a resposta é simples: Pelo simples fato de a Gol ter feito tal operação, ter sido multada e depois anistiada, criando uma espécie de estímulo aos interessados em transgredir as leis que regem o setor.

 

Na minha humilde opinião, acho que a ANAC deveria vigiar com mãos de ferro os "Charters", que pra mim são sempre os vilões dessas situações. A ANAC deveria criar critérios pelo número de aeronaves e tripulação, a quantidade de voos charters possíveis para cada compania.

 

O setor aéreo brasileiro vive um "boom", creio que nenhuma Cia. estava preparada pra isso e quando aparece demanda extra, as empresas não resistem a receita e deixam que a bomba exploda mais pra frente, sempre com a conivência das autoridades do setor que por outro lado não criam as condições nescessárias para que as Cias. de aviação trabalhem de maneira correta.

 

É mais ou menos o seguinte: O governo pisa na bola com o setor, que pisa na bola com o usuário. O governo não faz a sua parte, as Cias levam prejuízo, repassando parte do incoveniente ao usuário....

É um ciclo qúe só continua por um motivo: Os usuários do sistema aceitam as transgressões tanto do governo como das Cias.

Link to comment
Share on other sites

mais pelo amor de deus né, uma coisa não tem nada a ver com a outra, esse problema já era previsto há 2 meses atrás e todos sabiam, inclusive os vps. Mais q tá cheio tá, q tá dando lucro tá, dito isso pelo próprio presidente em email interno. Nao podemos confundir alhos com bugalhos né?

 

 

Por traz de toda grande noticia existe uma muito maior !

 

Link to comment
Share on other sites

Também acredito que haverá uma fusão como ocorreu com a LATAM entre a WEBJET e a RYANAIR, mas como já citado aqui os irlandeses aguardam mudanças nas leis brasileiras para concretizar a transação. :check:

 

Bem, quanto a empresa não dar lucro com voos cheios... Não acho que a coisa é bem por aí, porque sabemos que o crescimento da empresa foi muito bem calculado e observado por pessoas muito respeitadas na aviação brasileira. O que preocupa de fato é todo essa bagunça causauda pelo mal gerenciamento da tripulação... :unsure:

 

Se bem que, como já estudado em outros tópicos por aqui faltam profissionais no mercado e ficará bem mais difícil contornar todos esses problemas (tomara que eu esteja errado! :rolleyes: ).

Link to comment
Share on other sites

Também acredito que haverá uma fusão como ocorreu com a LATAM entre a WEBJET e a RYANAIR, mas como já citado aqui os irlandeses aguardam mudanças nas leis brasileiras para concretizar a transação. :check:

 

Bem, quanto a empresa não dar lucro com voos cheios... Não acho que a coisa é bem por aí, porque sabemos que o crescimento da empresa foi muito bem calculado e observado por pessoas muito respeitadas na aviação brasileira. O que preocupa de fato é todo essa bagunça causauda pelo mal gerenciamento da tripulação... :unsure:

 

Se bem que, como já estudado em outros tópicos por aqui faltam profissionais no mercado e ficará bem mais difícil contornar todos esses problemas (tomara que eu esteja errado! :rolleyes: ).

 

 

 

Tambem nao vou me espantar se a RYANAIR comprar a azul a gol,ou se a TAM comprar a RYANAIR, ou se a A.A comprar a GOL.

 

depois da aprovacao da alteracao do CBA vai valer tudo. :(

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade