Jump to content

Legacy fez contato com controle


Walter W. Leiser

Recommended Posts

Legacy fez contato com controle

Aeronáutica admite que diálogo pode ter induzido americano a erro; operadores devem depor

 

Vannildo Mendes, Tânia Monteiro, BRASÍLIA

 

Ao contrário do que afirmaram por meio do seu advogado, José Carlos Dias, os pilotos do Legacy que colidiu com o Boeing da Gol, no dia 29, conseguiram se comunicar com os controladores de vôo do Cindacta-1 (Brasília) quatro minutos antes do ponto em que deveriam mudar de altitude. No diálogo, o comandante do Legacy, Joe Lepore, pergunta à torre, em inglês:

 

- Confirme se posso descer ou se mantenho a altitude.

 

Como restavam 30 milhas (55 quilômetros) até o ponto em que o Legacy deveria, obrigatoriamente, baixar de 37 mil para 36 mil pés, a resposta do controlador de vôo foi:

 

- Ok. Mantenha.

 

O maior acidente aéreo da história do País, que deixou 154 mortos, só ocorreu porque o Legacy voava na contramão de sua aerovia. Pelo plano de vôo, ele deveria seguir de São José dos Campos a Brasília a 37 mil pés. A partir daí, teria de descer a 36 mil pés, mudando de aerovia. Já em Teres, ponto virtual de orientação a 300 km do local da colisão, o Legacy deveria ter subido para 38 mil pés.

 

Peritos da Aeronáutica já admitem a hipótese de ter havido mal-entendido na comunicação com o americano, mas não consideram esse o fator crucial para explicar a colisão. 'Ele (Lepore) pode até ter entendido isso como uma autorização para voar a 37 mil pés em todo o trajeto, mas não é o que constava no plano de vôo', disse um oficial da Força Aérea Brasileira (FAB). 'Podemos dizer que 98% da culpa é do jato e 2%, do controle de tráfego aéreo.'

 

O mesmo oficial esclareceu que, numa situação normal, a mudança de mil pés (300 metros) do nível de altitude é feita em 30 segundos. 'Naquele instante, não havia motivo para o controlador falar em mudança de altitude, pois é padrão que ela ocorra apenas sobre Brasília', disse o militar.

 

Uma cópia do diálogo foi encaminhada pela Aeronáutica ao delegado Renato Sayão, da Polícia Federal. Os oito controladores que trabalhavam no dia do acidente - afastados desde então - devem ser os primeiros a prestar depoimento. Quatro deles tiveram participação direta no monitoramento do jato, como o servidor que manteve o contato com o Legacy e seu supervisor.

 

A PF já apurou que os pilotos do jato não fizeram o briefing antes da decolagem em São José. Embora não seja obrigatório, o procedimento ajuda o piloto a conhecer a rota e informa as condições meteorológicas. Procurado, o advogado Dias não respondeu aos pedidos de entrevista.

 

Em Mato Grosso, militares continuam em busca dos últimos dois corpos desaparecidos - que também são os únicos ainda não identificados. Ontem, o Instituto Médico-Legal do Distrito Federal identificou mais 3 vítimas, elevando o total para 152.

 

'HISTERIA'

 

O blog do jornalista americano Joe Sharkey, passageiro do Legacy, voltou ao ar ontem. Sharkey disse que suspendeu o acesso ao blog por dois dias para não 'alimentar a histeria política no Brasil' sobre o acidente. Disse ainda que, 'finalmente, perguntas duras estão sendo feitas no Brasil sobre controle de tráfego, colocadas por mim desde o primeiro dia'.

 

COLABOROU LAURA DINIZ, ENVIADA ESPECIAL

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade