Jump to content

Necessidade de novo aeroporto


A319_BR

Recommended Posts

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/20...+aeroporto.html

 

A GAZETA

 

O Aeroporto de Vitória continua a se destacar em âmbito nacional por indicadores de precariedade. Em 2009, quando recebeu 2,342 milhões de usuários, quatro vezes mais do que sua capacidade, que é de 560 mil passageiros/ano, foi apontado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) como o mais congestionado do Brasil. Agora, um estudo feito pelo Instituto Tecnológico de São Paulo aponta o seu estacionamento como o pior entre os aeroportos do país.

Os números dão ideia da situação. A oferta de vagas para carro no Eurico Salles é de 0,2 por passageiro, menos da metade da média de 0,5 entre aeroportos brasileiros. Representa sério transtorno. Pior ainda na comparação com o padrão mundial que preconiza 1,5 vaga por passageiro.

 

A Infraero promete aumentar o número de vagas. São 219 e passariam para 492. Um alívio? Sim. São 120% a mais. Porém, não é o suficiente, de acordo com o estudo do ITA, que recomenda espaço seis vezes maior do que o atual. De qualquer forma, espera-se que as 492 vagas surjam o quanto antes. Que a transição de governo não implique adiamento. A pressão da demanda é grande.

 

Enquanto aguardam aumento do pátio, os usuários do aeroporto pagam caro para estacionar. Há poucos dias, a diária quase duplicou, passando de R$ 25 para R$ 47. É tarifa para desestimular, cobrada em terminal aéreo tão modesto.

 

A pesquisa do ITA focaliza as condições operacionais dos 20 principais aeroportos do país, e os problemas são muitos. O de Vitória também chama a atenção por outros senões em suas instalações físicas, além do estacionamento pequeno. As dimensões do saguão são muito acanhadas, o check in está saturado e as salas de embarque e de desembarque não têm capacidade para dar vazão aos voos. É um retrato vivo de aeroporto de ontem operado hoje.

 

Vitória é a única capital do Sudeste sem linha aérea internacional. Tal limitação afeta o turismo e o comércio exterior em um Estado que tem participação destacada na balança comercial do país. É o quinto maior em fluxo de comércio (importação e exportação). Merece estrutura de transporte aéreo compatível com essa condição - que não deve ser atendida com a reforma do aeroporto. Pelo que tem sido noticiado, as obras não garantirão requisitos para internacionalização do terminal.

 

Está prevista a movimentação de 2,7 milhões de passageiros por ano no Eurico Salles, em 2014. Até lá, certamente, as arrastadas obras de remodelação estarão concluídas, mas se mostrarão defasadas. A projeção é para atender a 2 milhões de pessoas anualmente.

 

Indiscutivelmente, o futuro do transporte aéreo no Espírito Santo passa pela construção de novo aeroporto. E, por todos os problemas que se registram no Eurico Salles, e em outros terminais do país, não parece realista imaginar que o governo federal implante nova unidade no território capixaba, em tempo de atender bem à demanda. Inclusive porque, até 2014, a prioridade de obras aeroportuárias - e outras que competem ao governo - é para os Estados que sediarão jogos da Copa do Mundo.

 

Então, o caminho parece ser a privatização de um futuro aeroporto no Espírito Santo. A primeira experiência nesse sentido está sendo implementada no Rio Grande do Norte. Trata-se do aeroporto de São Gonçalo do Amarante, na região da Grande Natal. A previsão é de que o edital seja lançado neste ano e de que as obras se iniciem no primeiro semestre de 2010. Deve ficar pronto até a Copa de 2014.

 

O grupo vencedor da licitação para o novo aeroporto potiguar terá de realizar um vultoso investimento, cerca de R$ 650 milhões, para concluir o projeto. A garantia é a exploração comercial da unidade durante 25 anos, renováveis por igual período.

 

O Palácio do Planalto também estuda a concessão à iniciativa privada de um terceiro aeroporto no Estado de São Paulo. Essa possibilidade está em cogitação desde 2007, época de apagões aéreos, e agora está sendo resgatada em função do rápido crescimento do transporte aéreo, refletindo a dinâmica da economia.

 

Pesquisa ressalta condições inadequadas do saguão e das salas de embarque e de desembarque do Aeroporto Eurico Sales. Além disso, o check in está saturado

 

Os módulos operacionais do Aeroporto de Vitória deverão estar concluídos durante a temporada de verão, época em que o movimento de passageiros é bem maior

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade