Jump to content

Aviões da Vasp serão desmontados em Congonhas


Anderson Gamma

Recommended Posts

Aviões da Vasp serão desmontados em Congonhas

 

Nove aviões-sucata parados há seis anos vão ser finalmente desmontados do aeroporto de Congonhas, onde ocupam um espaço de 170 mil metros quadrados, e posteriormente leiloados. O primeiro jato será desmontado na próxima terça-feira (23/8), às 14h30, em Congonhas, com a presença da ministra Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça, que concederá uma coletiva à imprensa no local. A imprensa poderá acompanhar o início dos trabalhos no pátio em que as aeronaves da Vasp estão estacionadas. No prazo de 20 dias o restante dos aviões da Vasp em Congonhas será desmontado e, em cerca de 60 dias, haverá o primeiro leilão.

A ação é resultado do programa Espaço Livre, coordenado pelo Conselho Nacional de Justiça, que tem como parceiros a Infraero, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Tribunal de Justiça de São Paulo, Ministério Público de São Paulo, Tribunal de Contas da União, Procuradoria-Geral da República e Secretaria Especial de Aviação Civil — ligada à Presidência da República. A Vasp teve a falência decretada em 2008, mas os aviões já estavam parados e sem peças há pelo menos três anos antes disso. Ao todo, existem 27 aeronaves da companhia paradas em aeroportos brasileiros.

Em Congonhas, são nove aviões–sucata, sete Boeings 737-200 e dois Airbus A-300. O montante obtido com o leilão das aeronaves será destinado à massa falida da Vasp, ou seja, aos credores da companhia habilitados no processo judicial de falência. Outra possibilidade de destinação de aeronaves são museus, que poderão adquiri-las a preços simbólicos, como o Museu Asas de um Sonho, situado na cidade de São Carlos/São Paulo.

O procedimento para a retirada dos aviões ocorreu da seguinte forma: a Anac fez vistorias de aeronavegabilidade — possibilidade de voar — e deu laudos de completa deterioração dos aviões, que passaram oficialmente a ser considerados sucatas. Estes laudos da Anac, inéditos no Brasil, serviram para diagnosticar que as aeronaves em questão, já sem turbinas, peças, e até sem trens de pouso, jamais poderiam voltar a voar. Com base nos laudos, o avaliador judicial deu novo preço às aeronaves-sucata, estimados entre R$ 30 e R$ 50 mil. Com informações da Agência CNJ de Notícias.

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 158
  • Created
  • Last Reply

Outra possibilidade de destinação de aeronaves são museus, que poderão adquiri-las a preços simbólicos, como o Museu Asas de um Sonho, situado na cidade de São Carlos/São Paulo.

Tam, ouça as nossas preces e traga um A300 para o museu com o Vasp colors de 1980!

Link to comment
Share on other sites

Estarei no Leilão , se for aberto a Público e se for Baratinho faço uma casa como essa que uso no meu Avatar!

 

Posso Sonhar um Pouco né?

 

Por favor me acordem devagar!!

 

Abc

Link to comment
Share on other sites

Uma pena esse final da VASP... Graças ao Wagner Canhedo, que faliu a empresa e ainda saiu + rico dessa falência.

 

Pra quem não sabe, na década de 30 e 40 o Aeroporto de Congonhas era conhecido como "Aeroporto da VASP", tamanha era sua importancia ali...

Link to comment
Share on other sites

Uma pena esse final da VASP... Graças ao Wagner Canhedo, que faliu a empresa e ainda saiu + rico dessa falência.

 

Pra quem não sabe, na década de 30 e 40 o Aeroporto de Congonhas era conhecido como "Aeroporto da VASP", tamanha era sua importancia ali...

 

Até onde eu sei, congonhas era da Vasp mesmo, e depois de um tempo mudaram o nome para as outras empresas poderem operar lá, pois ficava "chato" a Varig e as outras empresas pousarem no "Aeroporto da Vasp".

Link to comment
Share on other sites

...pensar quanto prejuízo a morosidade da justiça causou, quanto patrimônio deteriorado enquanto ex-funcionários ainda esperam o que lhes é devido... deveriam ter congelado os bens do Canhedo a muitos anos!

Link to comment
Share on other sites

Levando-se em consideração a Lei 9.279/96 que regula os direitos e obrigações relativos à propriedade industrial, poder-se-ia, levando em conta que a marca VASP tenha sido registrada, a possibilidade de um dia poder ver uma empresa aérea novamente nas cores e nome da VASP, vez que a marca ela é suscetível de cessão. Vale destacar inicialmente que para quem não conhece, no Direito Brasileiro há uma enorme diferença entre a Marca e o nome Empresarial nos quais abaixo distinguo a todos:

 

Conceituação de Marca: Retiremos o conceito da própria lei 9279/96 em seus artigos seguintes:

 

 

Art. 122. São suscetíveis de registro como marca os sinais distintivos visualmente perceptíveis, não compreendidos nas proibições legais

 

Art. 123. Para os efeitos desta Lei, considera-se:

 

I - marca de produto ou serviço: aquela usada para distinguir produto ou serviço de outro idêntico, semelhante ou afim, de origem diversa;

 

Já o nome empresarial é entendido no Código Civil em seu artigo 1.155 o seguinte:

 

Art. 1.155. Considera-se nome empresarial a firma ou a denominação adotada, de conformidade com este Capítulo, para o exercício de empresa

 

 

 

Para simplificar, o nome empresarial é o constante como nome de fato da empresa, já a marca, entende-se a extensão como nome "fantasia" e sua abrangência legal à exemplo de logomarca, logotipo etc.

 

Portanto, caso apareça algum empresário interessado em colocar no ar uma empresa aérea nas cores e marca da VASP pode ser feita na mais traquilidade jurídica possível, conforme apresenta os artigos abaixo da Lei 9.2798/96

 

 

Seção II

Da Cessão

Art. 134. O pedido de registro e o registro poderão ser cedidos, desde que o cessionário atenda aos requisitos legais para requerer tal registro.

 

Art. 135. A cessão deverá compreender todos os registros ou pedidos, em nome do cedente, de marcas iguais ou semelhantes, relativas a produto ou serviço idêntico, semelhante ou afim, sob pena de cancelamento dos registros ou arquivamento dos pedidos não cedidos.

 

Desta forma, ainda há uma esperança, mesmo que remota de se ter VASP nos céus brasileiros em algum momento de nosso futuro, dependendo apenas de empresários com disponibilidade de tempo $$ para a compra. É caso semelhante como ocorreu com a Varig.

 

A Chamada Viação Aérea Rio Grandense Sociedade Anônima (VARIG S/A) antiga era proprietária de direito de sua marca VARIG (a conhecida estrela e com as cores azuis) e o que foi vendido a GOL foram a marca e não a empresa, por isso, esta ficou isenta de dívidas trabalhistas, pois, assim dispõe a Lei de falência.

 

Espero que tenham gostado deste meu breve tecimento sobre o caso, qualquer dúvida é só me perguntarem!

 

Atenciosamente

Link to comment
Share on other sites

Uma pena que o judiciário esperou as aeronaves se transformarem em "aviões-sucata" para tomarem alguma atitude. Vai sobrar o que para os funcionários-credores da finada empresa?Avião vendido a peso não é mais avião! Uma lástima!

Link to comment
Share on other sites

 

 

Desta forma, ainda há uma esperança, mesmo que remota de se ter VASP nos céus brasileiros em algum momento de nosso futuro, dependendo apenas de empresários com disponibilidade de tempo $$ para a compra. É caso semelhante como ocorreu com a Varig.

 

 

 

 

Deus te Ouça!

Link to comment
Share on other sites

Tenho fé de que algum dia o museu TAM ainda irá deixar em condições de voo um breguinha ou Airbus da Vasp... Uma pena ver essas aeronaves virar sucata...

Link to comment
Share on other sites

Uma pena que o judiciário esperou as aeronaves se transformarem em "aviões-sucata" para tomarem alguma atitude. Vai sobrar o que para os funcionários-credores da finada empresa?Avião vendido a peso não é mais avião! Uma lástima!

Estes aviões, quando pararam de operar, já não valiam mais nada. Varios já não voavam quando da suspensão das operações. Atingiram o ciclo maximo e perderam a aeronavegabilidade. Os outros que ainda operavam já estavam em fim de carreira também. Poderiam ter sido desmontados e algmas peças vendidas, mas mesmo isso seria complicado, pois eu acho que boa parte da documentação estava perdida. Peça aeronautica sem documento não tem valor nenhum....

Link to comment
Share on other sites

Doida pra entrar num avião desses e cutucar todos os botões :salute: (desligados claro!!!!! :P) Museu Aeroespacial compra um e deixa aberto para as ´´crianças´´ like me! :rotflol: !

 

:adios: Já pensou em cada aeroporto ter a cabine de um desses para visitação! Nossas os filhotes iam adorar! :P

 

PS: Adorei a idéia de casa avião!!!! :cheer:

PS2: total apoio ao museu da TAM adquirir um!

Link to comment
Share on other sites

Uma pena que o judiciário esperou as aeronaves se transformarem em "aviões-sucata" para tomarem alguma atitude. Vai sobrar o que para os funcionários-credores da finada empresa?Avião vendido a peso não é mais avião! Uma lástima!

 

Olá Cláudio Vila, tudo bom?

 

Em resposta a sua pergunta abaixo, eu te respondo.

Vai sobrar o que para os funcionários-credores da finada empresa?

 

 

Creio que infelizmente a massa falida da Vasp não tenha proventos suficientes para cumprir com todas as obrigações, principalmente no que se trata aos funcionários de massa e seguirá os pagamentos como determina a Lei de falências(Lei 11.101/2005) que segue na seguinte ordem:

 

 

Da Classificação dos Créditos

 

Art. 83. A classificação dos créditos na falência obedece à seguinte ordem:

 

I – os créditos derivados da legislação do trabalho, limitados a 150 (cento e cinqüenta) salários-mínimos por credor, e os decorrentes de acidentes de trabalho; (São os créditos trabalhistas na proporção de quem tem a receber de R$ 81.750,00 em diante, geralmente são funcionários do nível III em diante, tais como gerente, supervisor oficial,etc )

II - créditos com garantia real até o limite do valor do bem gravado; (São os fornecedores de bens e serviços)

III – créditos tributários, independentemente da sua natureza e tempo de constituição, excetuadas as multas tributárias; (São as taxas e impostos devidos aos órgãos gerenciadores tributários)

 

IV – créditos com privilégio especial, a saber:

a) os previstos no art. 964 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002; ** (olhar abaixo a lista)

b) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei;

c) aqueles a cujos titulares a lei confira o direito de retenção sobre a coisa dada em garantia;

 

V – créditos com privilégio geral, a saber:

a) os previstos no art. 965 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002;

b) os previstos no parágrafo único do art. 67 desta Lei;

c) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei;

 

VI – créditos quirografários, a saber: (Esses são os últimos a receberem)

a) aqueles não previstos nos demais incisos deste artigo;

b) os saldos dos créditos não cobertos pelo produto da alienação dos bens vinculados ao seu pagamento;

c) os saldos dos créditos derivados da legislação do trabalho que excederem o limite estabelecido no inciso I do caput deste artigo; (Os demais trabalhadores, aqui entende-se como os demais trabalhadores entre os níveis I e II)

 

VII – as multas contratuais e as penas pecuniárias por infração das leis penais ou administrativas, inclusive as multas tributárias;

 

VIII – créditos subordinados, a saber:

a) os assim previstos em lei ou em contrato;

b) os créditos dos sócios e dos administradores sem vínculo empregatício.

Link to comment
Share on other sites

Se realmente for a Leilão, este ato será aberto ao público sim, observado alguns critérios:

 

IMPEDIDOS DE PARTICIPAR: Menores, serventuários da justiça que está promovendo este leilão, leiloeiro e equipe

 

 

 

Regras de Conduta

 

Não é uniforme o comportamento esperado das pessoas em um leilão presencial; muitas das regras de conduta são são as mesmas de qualquer evento social, todavia esperam-se alguns comportamentos mínimos e há algumas considerações a se ter em mente para participar de um leilão:

  • Não é necessário convite. O leilão é público. Ele tem a necessidade jurídica de ser aberto a qualquer eventual comprador - todavia pode ser necessária a qualificação prévia por meio de inscrição ou outros critérios.
  • Em caso de interesse real, seja para aprender sobre o conteúdo do pregão ou para comprar, visite antecipadamente a exposição e tome as informações sobre os lotes antecipadamente.
  • Vista-se de acordo com o ambiente, a hora e o público do evento.
  • Pontualidade; está regra básica de qualquer evento social. Quem chega tarde pode simplesmente perder a oportunidade para outro interessado.
  • Cadastre-se, se pretende fazer lance em alguma peça ou se desejar receber os convites posteriores em casa.
  • Evite o álcool, principalmente se pretende fazer alguma compra! Em muitos leilões são oferecidas bebidas, mas a sobriedade é aconselhável ao bom negócio.
  • Ao fazer um lance, deixe clara sua oferta ao leiloeiro, procurar ser discreto para o público e visível para o pregoeiro.
  • Faça apenas lances adequados ao valor do lote, mesmo que o leiloeiro deixe em aberto. Lance pequeno demais é ignorância ou insulto.
  • Suba a oferta de acordo que o que estiver sendo praticado.
  • Não faça um lance além de suas posses. O lance no leilão tem o valor de um contrato firmado perante a autoridade: o leiloeiro ou seu representante tem função pública e é como se o contrato fosse registrado em cartório.

Link to comment
Share on other sites

Como já fui em Vários Leilões, alguns (raros) te dão o direito de examinar e até experimentar e não só comprar no estado em que se encontra sem direito a reclamações posteriores.

 

Numa ocasião arrematei um Gol Zero sem poder VER NADA, mas ZERO é ZERO, apenas com pequenas avarias no para lama dianteiro e para choque traseiro, fácil de arrumar!

 

Os carros só saem do Páteo do Leiloeiro com Guincho e só entra Guincho Cadastrado. Já fiquei P. Senti cheiro de Cartel.

 

Ao chegar na Oficina, o Carro não tinha Bateria, Alternador, Cabos de Vela, Velas, Estepe, Ferramentas, Triângulo, Macaco, Acendedor de Cigarros, Manual e outras coisas mais.

 

Apesar de tudo, por não ser Marinheiro de Primeira Viagem, comprei por um preço justo, não fossem essas surpresas e o resultado foi Elas por Elas. Mas o gosto da Competição é muito bom.

 

Se for Dar Lance não BEBA! rsrsrsrs

 

Avalie sempre antes de entrar e não compre por Impulso!

 

Não comprar ERRADO é sinal de ter feito a coisa CERTA!

 

Para exemplificar, a pessoa que comprou o 727 do meu AVATAR, arrematou em um Leilão e ficou assim:

 

 

(Custou Tudo U$ 30.000,00 )

 

Que idéia mais criativa! Joanne Ussary comprou um Boeing 727 usado! Ela pagou 2.000,00 pelo avião, 4.000,00 para mover e 24.000,00 para a renovação. ( tem um monte de janelas de madeira e especialidades) Mas nada mal para um investimento de US $30.000,00 ... As escadas abertas com uma porta da garagem e uma das casas de banho ainda está intacta. Há uma Jacuzzi pessoal no cockpit. A casa da Boeing é caracterizada como parte de uma coleção de conversões criativas. Tem uma vista espetacular! Parece que está Voando!

 

Claro que isso aconteceu onde tudo acontece!!!

 

Bons Lances a todos, mas não vamos Inflacionar OK?

 

Abcs

 

Mauro

Link to comment
Share on other sites

Estarei no Leilão , se for aberto a Público e se for Baratinho faço uma casa como essa que uso no meu Avatar!

 

Posso Sonhar um Pouco né?

 

Por favor me acordem devagar!!

 

Abc

Pô Mauro também pensei a mesma coisa, o problema não são nem os valores e sim o custo da logística de desmontar, levar, montar e recuperar em outro lugar. Mas por enquanto . . . rs

Link to comment
Share on other sites

Para exemplificar, a pessoa que comprou o 727 do meu AVATAR, arrematou em um Leilão e ficou assim:

 

 

(Custou Tudo U$ 30.000,00 )

Que idéia mais criativa! Joanne Ussary comprou um Boeing 727 usado! Ela pagou 2.000,00 pelo avião, 4.000,00 para mover e 24.000,00 para a renovação. ( tem um monte de janelas de madeira e especialidades) Mas nada mal para um investimento de US $30.000,00 ... As escadas abertas com uma porta da garagem e uma das casas de banho ainda está intacta. Há uma Jacuzzi pessoal no cockpit. A casa da Boeing é caracterizada como parte de uma coleção de conversões criativas. Tem uma vista espetacular! Parece que está Voando!

 

Claro que isso aconteceu onde tudo acontece!!!

 

Bons Lances a todos, mas não vamos Inflacionar OK?

 

Abcs

 

Mauro

Floodando :hypocrite:

 

Saiu de graça essa casa! Será que aqui a mesma sairia por este preço. Lembro de uma Flap que tinha uma matéria especial sobre isso. Havia o 727 da Avianca, United e Olympic, além do DC 8 e de um 377 que virou casa flutuante (!)_

Link to comment
Share on other sites

Pô Mauro também pensei a mesma coisa, o problema não são nem os valores e sim o custo da logística de desmontar, levar, montar e recuperar em outro lugar. Mas por enquanto . . . rs

 

 

Leadership, sabe que de Piloto e Louco todo mundo tem um Pouco!

 

Tenho um terreno com 12,50 mts de Frente X 48,0 mts de Fundo, muito próximo a Congonhas, numa Travessa da Av. Jornalista Roberto Marinho!.

 

Se você Arrematar, pode levar pra lá sem custo algum e ainda te ajudo a desmontar, desde que você me permita Sentar na Esquerda!!!

 

Abcs

 

Mauro

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.


×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade