Jump to content

Em 5 anos, aeroportos regionais deixaram de receber R$ 517 milhões


Mills

Recommended Posts

O governo federal deixou de investir R$ 517 milhões em aeroportos de médio e pequeno porte entre 2006 e 2010, segundo dados da Secretaria de Aviação Civil (SAC).

 

Nesse período, foram destinados R$ 678 milhões ao Programa Federal de Auxílio a Aeroportos (Profaa), fundo que é abastecido com parte da verba arrecadada pela Infraero com tarifas aeroportuárias.

 

Desse total, porém, apenas R$ 161 milhões foram aplicados em projetos de modernização e melhoria de aeroportos, o que equivale a 23,7% do valor disponível nesses cinco anos.

 

O Profaa foi criado em 1992 com o propósito de ajudar a financiar obras em aeroportos de menor movimento e lucratividade, administrados principalmente por estados e municípios.

 

A principal alegação do governo federal para o baixo ap roveitamento das verbas do Profaa é a falta de preparo técnico de estados e municípios na elaboração de projetos. Mudanças de gestão, porém, podem ter colaborado para isso.

 

Desde 2008, a "caneta" do programa mudou de mãos quatro vezes: passou da Aeronáutica para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), voltou para a Aeronáutica e agora será responsabilidade da Secretaria de Aviação Civil, criada neste ano pela presidente Dilma Rousseff.

 

Segundo o ministro da SAC, Wagner Bittencourt, a verba do Profaa vai compor o novo Fundo Nacional de Aviação Civil, também criado com o objetivo de financiar melhorias em aeroportos.

 

O governo, porém, estuda outras fontes para irrigar o fundo e aumentar a verba disponível para os investimentos. Uma das possibilidades é taxar a operação de aeroportos sob concessão da iniciativa privada.

 

Ajuda aos estados

 

Bittencourt disse que a SAC tem trabalhado em parceria com os estados para garantir a aplicaçã o da verba disponível no Profaa. O resultado disso, afirmou ele, é que em 2011 já foram liberados R$ 101 milhões para projetos em vários aeroportos.

 

"Nós temos que fazer um trabalho de parceria com os estados, que aplicam o dinheiro do Profaa. E os estados também têm que se estruturar e se capacitar para apresentar bons projetos", disse. "A gente vai observar ao longo dos próximos anos uma utilização maior desses recursos".

 

A SAC informou que ainda não recebeu da Aeronáutica o saldo da verba não utilizada do Profaa nos últimos anos. O G1 enviou na segunda-feira (5) pedido à assessoria da Aeronáutica para que informasse qual o valor desse saldo. Na sexta-feira (9), o órgão informou apenas que ainda vai liberar R$ 41.706.334,37 a 11 convênios em andamento desde 2008 e que esses pagamentos devem seguir até 2013.

 

Reformulação

 

O presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), Apostole Lazaro Chryssafidi s, avalia que o Profaa precisa ser reformulado.

 

De acordo com ele, a entidade apresentou sugestões ao ministro Wagner Bittencourt, entre elas a aceleração na aprovação dos projetos, a qualificação dos gestores estaduais para apresentação adequada desses projetos, e que o Profaa passe a aceitar emendas parlamentares, que aumentariam o valor disponível para investimentos.

 

Estudo feito pela Abetar em 175 pequenos e médios aeroportos nacionais, que ficam em regiões de interesse turístico, apontou a necessidade de investimento de R$ 600 milhões por ano até 2015 para adequar esses aeroportos às exigências de segurança da Anac e para atender ao aumento da demanda por voos.

 

A Abetar representa 13 empresas aéreas, entre elas a Trip, Avianca e Passaredo, que operam em cerca de 140 desses aeroportos menores. Segundo a entidade, de 2005 para 2010 o número de passageiros transportados pelas empresas de aviação regional passou de 1,7 milhão para 6,5 milhões

 

 

 

G1

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade