Jump to content

DECEA aumenta capacidade em até 47% com nova setorização


Jack Daniels

Recommended Posts

Notícias

 

DECEA aumenta capacidade em até 47% com nova setorização

 

 

Publicada em 21.09.2011,

 

Setores-e1316626885573.jpg

 

Uma importante reestruturação dos setores que subdividem duas das cinco Regiões de Informação de Voo brasileiras (FIR, do inglês Flight Information Region) proporcionará um significativo aumento de capacidade para as operações aéreas nessas regiões.

 

Com a medida, já a partir de 17 de novembro desse ano, as chamadas FIR Brasília e Curitiba – que abrangem aproximadamente o espaço aéreo sobrejacente às regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do País e representam 78% do movimento de aeronaves no Brasil – perceberão respectivamente um aumento em suas capacidade da ordem de 47,77% e 39%.

 

O resultado expressivo é fruto de um importante estudo desenvolvido pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), CINDACTA I e CINDACTA II, com vistas ao aprimoramento das operações, antecedendo-se à alta de fluxo de tráfego aéreo recorrentemente prognosticada para o final de ano.

 

A oportunidade se dá, sobretudo, em face do processo de implementação da Navegação Baseada em Performance (PBN) – conceito associado à navegação aérea por satélite que, dentre outros benefícios, reduz e otimiza o percurso das rotas – nas terminais aéreas de São Paulo e Rio de Janeiro, cuja conclusão está prevista para 2013.

 

Isso porque, é indispensável que todas as alterações previstas para o tráfego dessas terminais – que respondem por uma porção significativa do fluxo brasileiro – sejam suportadas, do mesmo modo, pela circulação aérea das FIR Brasília e Curitiba, por meio de rotas que atendam às chegadas e às saídas de aeronaves nas terminais do Rio e de São Paulo.

A Nova Setorização emprega conceitos de setorização dinâmica e vertical. A primeira consiste, em síntese, na flexibilização da abrangência de determinados setores, submetidos, por exemplo, a picos de circulação aérea. Assim, em um dado momento do dia, estes setores podem ser alargados ou restritos a circulações estratégicas, alterando-se os seus limites laterais.

Já a setorização vertical vai além da convencional subdivisão horizontal do espaço aéreo, ao agrupar os setores segundo seus níveis de voo (altitudes). Conclusão? Determinadas regiões de grande fluxo de chegada e saída de aeronaves, em médias e baixas altitudes, como nas terminais aéreas, são separadas dos níveis de voo mais altos, onde as aeronaves apenas percorrem suas rotas e demandam um serviço diverso.

O DECEA, assim, antecipa-se à alta temporada de tráfego aéreo prognosticada para o fim do ano, provendo 25% de sobra de capacidade nessas regiões, ao permitir maior flexibilidade dos setores e otimizar os trabalhos dos controladores dos Centros de Controle de Área de Brasília e Curitiba.

 

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM/ DECEA)

Daniel Marinho – danieldhm@decea.gov.br

Link to comment
Share on other sites

Enquanto isso a rolha continua no chão.

 

Ontem foram exatamente 55 minutos de ponto de espera em POA, operando na RWY29, após abertura por FOG, já operando VFR. Isso que é um aeroporto sem grandes obstáculos, e tráfego aéreo.

 

Sem contar CWB, que não tem TWY pra RWY 15, FLN que não tem TWY pra RWY32, GIG que tem que dar um balão pra RWY 33, BSB que tem que dar a volta ao mundo pra RWY 11R, e... cansei de citar...

 

Esquecem que tudo que sobe tem que descer. Quero ver, com o aumento de tráfego nas FIR's, onde vai pousar as acfts durante uma CBlandia na TMA SP e RJ no verão!

 

Aiaiai...

Link to comment
Share on other sites

Legal ver que está havendo investimento em estudos da aeronáutica para otimizar e modernizar o controle do espaço aéreo. Claro que todos nós gostaríamos de ver tudo isso antes e mais rápido mas acho importante elogiar quando ações dessas são tomadas, como por exemplo os procedimentos adotados recentemente em GRU.

 

abs

Link to comment
Share on other sites

Parabéns ao DECEA! Apesar de eu não ter entendido rigorosamente nada do que vai mudar nas FIRs :ahhh: , aplaudo qualquer melhoria no sistema.

Basicamente, alem de uma nova divisão dos setores, estes setores poderão encolher ou ampliar a sua area em razão da ocupação. Olhando no mapa, imagine que o setor branco esteja saturado e o setor roxo vazio, a fronteira do setor roxo avança para a direita e assim os trafegos ficam melhor divididos. Além disso, passa a haver uma separação vertical, como é hoje as TMAs. Ou seja, mesmo voando com o ACC, ao cruzar determinado nivel, troca o controlador....

Link to comment
Share on other sites

Basicamente, alem de uma nova divisão dos setores, estes setores poderão encolher ou ampliar a sua area em razão da ocupação. Olhando no mapa, imagine que o setor branco esteja saturado e o setor roxo vazio, a fronteira do setor roxo avança para a direita e assim os trafegos ficam melhor divididos. Além disso, passa a haver uma separação vertical, como é hoje as TMAs. Ou seja, mesmo voando com o ACC, ao cruzar determinado nivel, troca o controlador....

 

Sabia que seria socorrido! Entendi a melhoria, Islander. Obrigado!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade