Jump to content

Há 50 anos, Distrito Federal vivia seu primeiro drama aéreo


CHARLES SBBR

Recommended Posts

O anoitecer de 27 de setembro de 1961 registrava uma movimentação incomum no acanhado terminal provisório do Aeroporto Internacional de Brasília. Mesmo com poucos desembarques previstos, jornalistas e centenas de admiradores de um líder político em ascensão, o governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, aglomeravam-se no local. A bordo do Caravelle PP-VJD da Varig, que fazia o voo 592-J, Brizola foi avisado pelo comandante que a aterrissagem ocorreria em breve. Quando isso ocorreu, porém, às 18h32, os 63 passageiros e os nove tripulantes sentiram um impacto brutal. Em seguida, ouviram um estrondo. Minutos mais tarde, salvos, mas muito assustados, viram o avião ser destruído pelo fogo.

 

O primeiro acidente aéreo da história da nova capital — em perdas materiais, o maior da aviação comercial brasileira até então — completa 50 anos na terça-feira. Sem deixar vítimas, trouxe a certeza de que só por muita sorte se evitara uma tragédia que, além do abalo emocional, provocaria fortes repercussões políticas — o país saía da crise da renúncia de Jânio Quadros, além da tentativa de impedir a posse de João Goulart. Brizola, líder da Campanha da Legalidade, encerrada apenas 20 dias antes, era o nome mais em evidência, mas o Caravelle transportava também três ministros, diversos deputados e alguns jornalistas. “Nascemos de novo”, escreveu no dia 30, no Correio Braziliense, um dos sobreviventes, o repórter Elton Campos, dos Diários Associados.

ampliar.gif20110925083607568136i.jpg

Os relatos divergem sobre o momento exato em que começaram os problemas do voo 592-J. À época, o fotógrafo Carlos Contursi, que integrava a comitiva do governador, contou ter ouvido, pouco antes do pouso, gritos de passageiros que viajavam mais atrás, alertando que o avião estava em chamas. Em seguida, sentiu um choque violentíssimo contra o solo, viu bagagens de mão caindo dos compartimentos e pensou que o Caravelle iria se desintegrar.

 

Uma informação da Varig, divulgada na mesma noite, confirmou a versão de incêndio na turbina esquerda, que teria sido controlado antes da aterrissagem. Mas o relatório oficial da investigação realizada pela Guarnição Aérea de Brasília negou a ocorrência de problema técnico e atribuiu o acidente a falha do piloto, por ter feito uma tomada de pista muito curta, permitindo o toque no solo antes do início da área asfaltada. A quebra do trem de pouso e o fogo causado por vazamento de querosene viriam como consequências do erro humano.

 

Desembarque

Apesar das conclusões das investigações do acidente, foi a quebra do trem de aterrissagem que gerou o primeiro estrondo — relatado por todos — e impediu que o avião seguisse o curso normal. O Caravelle logo subiu alguns metros, atingiu de novo o chão com força e deslizou, desgovernado, para o lado esquerdo. O piloto tentou controlá-lo movendo a roda dianteira e usando os freios, mas a manobra revelou-se inútil: o aparelho seguiu derrubando as balizas laterais, saiu da pista e, já com fogo nos dois lados da fuselagem, parou a 800 metros do local em que tocara pela primeira vez o solo.

 

Dentro do avião, o tumulto era geral. Porém, segundo vários testemunhos, não havia pânico. Brizola levantou-se rapidamente, enquanto o secretário de Imprensa do Rio Grande do Sul à época, Hamilton Chaves, gritava para que o comissário de bordo abrisse a porta (leia depoimentos). A maioria dos passageiros escapou pela saída de emergência localizada sobre a asa direita (à esquerda, o fogo era mais forte). Os demais, pela porta dianteira. O então ministro da Saúde, Estácio Souto Maior, salvou documentos oficiais do órgão. E o deputado Josué de Castro ajudou uma passageira a desembarcar em meio às chamas.

 

Heróis

A fuga do avião não era mesmo fácil. Passando pela janela de emergência, o passageiro tinha de escorregar sobre a asa e, então, pular para o chão. Se tentasse deixar a aeronave pela porta da frente, a altura era maior. Quase todos chegavam ao solo e fugiam correndo, pois ouviam-se gritos de advertência: “Vai explodir!”. Depois, muitos acabaram voltando para auxiliar os demais.

 

Única mulher na tripulação, a comissária de bordo Therezinha Xavier Braga ficou até os últimos momentos para ajudar na retirada dos passageiros. Foi também a única ferida: sofreu queimaduras leves na mão e recebeu atendimento no Hospital Distrital de Brasília.

 

Segundo o Correio do dia seguinte, ela e o mecânico de voo Gaspar Baltazar Ferrario foram “os heróis do episódio”. Após ajudar vários passageiros, Ferrario certificou-se de que o avião estava vazio e tentou salvar os livros de bordo. Outro tripulante, o 1º comissário Siegfried Diefenthaeler, contou, em depoimento à Aeronáutica, que auxiliou diversos passageiros, entre eles uma mulher com uma criança. Depois, fez duas verificações em toda a cabine, inclusive nos lavatórios, para ter a certeza de que não havia mais ninguém no avião.

 

Espalhados pelas imediações da aeronave em chamas, passageiros e tripulantes assistiam à chegada dos bombeiros, em dois caminhões. A certa altura, parecia que eles tinham conseguido controlar o incêndio, mas logo as labaredas voltaram. Foi então que faltou pressão nas mangueiras de um dos veículos. Quando, afinal, o fogo acabou, já não adiantava: uma hora depois de tocar o solo, o Caravelle PP-VJD estava destruído.

 

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/09/25/interna_cidadesdf,271279/ha-50-anos-distrito-federal-vivia-seu-primeiro-drama-aereo.shtml

Link to comment
Share on other sites

Boa tarde amigos Forenses.

 

 

Brasília - Início da operação da primeira linha de aviação regular de passageiros atendendo a cidade, pela Real Aerovias. O DC-3 partia do Rio de Janeiro às 7 horas da manhã, fazendo escalas em Três Pontas, Varginha, Belo Horizonte, Uberaba, Araguari, Uberlândia, Goiânia e Anápolis, chegando em Brasília ao entardecer. Estação do aeroporto era uma barraca de lona.

 

Abraços

 

PP-CJC

Link to comment
Share on other sites

  • 2 years later...

Pá-de-coveiro para mim, por reviver este tópico :dente:

 

Mas, pesquisando na net, achei algumas imagens do acidente com o VJD:

 

Fortes emoções
27 de setembro de 2011
Fotos: Carlos Contursi/ Arquivo Pessoal Hamilton Chaves
Muito se falou, recentemente, nos momentos de tensão que envolveram o Rio Grande do Sul, seu governador, Leonel Brizola, e o país 50 anos atrás, durante a chamada Campanha da Legalidade. Mas vale a pena lembrar um outro fato que também completa meio século exatamente no dia de hoje.
Às 18h40min do dia 27 de setembro de 1961, um mês e três dias após o ato de renúncia de Jânio Quadros, que desencadeou a crise nacional, o avião Caravelle PP-VJD aproximava-se da cabeceira da pista 10 do aeroporto de Brasília, levando a bordo 63 passageiros e oito tripulantes, quando bateu violentamente contra o solo e incendiou-se. Além do governador Brizola e sua comitiva, três ministros do governo Jango – que havia tomado posse contrariando a vontade de alguns militares golpistas no dia 7 do mesmo mês – estavam entre os passageiros.
Ninguém morreu, mas a suspeita de que a aeronave teria sido alvo de sabotagem imediatamente assombrou a mente de muita gente. Os ministros Gabriel Passos, das Minas e Energia, Oliveira Brito, da Educação e Cultura, e Estácio Sotomayor, da Saúde, mais Leonel Brizola e diversos gaúchos que o acompanhavam nesta primeira visita ao Distrito Federal levaram um grande susto.
Depois de uma forte pancada e um estrondo, o aparelho perdeu o trem de pouso e deslizou de barriga para fora da pista. Quando parou, já estava transformado numa imensa fogueira. Com a cabine às escuras e as poltronas soltas, alguns passageiros em pânico esmurravam e chutavam, inutilmente, as janelas. Com gritos que pediam calma, os mais controlados ajudaram os tripulantes a evacuar a aeronave pelas portas dianteiras e de emergência.
A aeromoça Terezinha Xavier, com queimaduras nas mãos, foi quem se feriu mais gravemente. Do jato, avaliado na época em US$ 2,6 milhões, não sobrou quase nada. Perderam-se também 329kg de bagagens, 128kg de carga e 18kg de malas postais.
O fotógrafo gaúcho Carlos Contursi (1920 – 1998), que acompanhava o governador, assim que saiu do inferno e colocou os pés no chão, fez as primeiras fotos. Por limitações da época, elas só foram publicadas aqui dois dias depois. Na manhã do dia seguinte, ileso e incrédulo, ele fez outras tantas.
O relatório da comissão de investigação atribuiu o acidente a “erro de julgamento de aproximação do piloto em treinamento que não foi corrigido oportunamente pelo instrutor”. A notícia repercutiu na imprensa da época.
acidentea.jpg

 

acidente3.jpg

 

acidente21.jpg

 

acidente4.jpg

 

cb.jpg

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade