Jump to content

Infraero desperdiça milhões com projetos


tm6631

Recommended Posts

Estudo da consultoria EBP para o novo terminal de passageiros de Guarulhos é o terceiro contratado desde 1996

 

Valor de R$ 7 milhões deve ser pago pelo consórcio vencedor do leilão de concessão, a ser realizado em janeiro

 

MARIANA BARBOSA

DE SÃO PAULO

 

O projeto apresentado pela consultoria EBP (Estruturadora Brasileira de Projetos) para o terceiro terminal de passageiros de Guarulhos é o terceiro a ser contratado para a ampliação do aeroporto desde 1996.

O custo de R$ 7 milhões será pago pelo consórcio vencedor do leilão de concessão. A Infraero será sócia com até 49% de participação. Somente com o projeto anterior, a estatal gastou R$ 22 milhões. Os dois primeiros foram para "a gaveta".

O novo projeto é assinado pelos arquitetos Sérgio Athié e Ivo Wohnrath, em parceria com um escritório americano associado à consultoria de aeroportos Leigh Fisher.

Ele é mais flexível que os anteriores: prevê ampliações graduais, em quatro fases, ao longo dos próximos 30 anos. O investimento previsto é de R$ 5,2 bilhões, valor que inclui, além do terminal de passageiros, outras melhorias.

O primeiro projeto para o terceiro terminal de Guarulhos foi contratado em 1996, junto à consultoria de projetos de engenharia Figueiredo Ferraz. Procurada, a Infraero não informou, até a conclusão desta edição, quanto pagou pelo projeto.

Ele previa um terminal para 12 milhões de passageiros a um custo de R$ 711 milhões. O projeto foi questionado e refeito até que, em 2004, as obras já estavam orçadas em mais de R$ 1,1 bilhão.

A Infraero chegou a abrir licitação para a execução das obras. Mas o processo não passou da fase de pré-qualificação de propostas e foi revogado em 2008.

Em 2009, a Infraero abandonou oficialmente o trabalho da Figueiredo Ferraz e abriu concorrência internacional para a elaboração de um novo projeto.

Desta vez, o vencedor foi o consórcio MAG (PJJ Malucelli, Andrade e Rezende Engenharia de Projetos e Gabinete de Projetação Arquitetônica). O projeto custou R$ 22,6 milhões à Infraero e previa um terminal com capacidade para 42 milhões de passageiros. O desenho é assinado pelo escritório paulistano de arquitetura Mario Biselli e Artur Katchborian, em coautoria com Gicele Alves. A previsão de investimentos era R$ 716 milhões na primeira fase, até 2013 (equivalente a 40% do total da obra).

De acordo com o ministro da Aviação Civil, Wagner Bittenncourt, a Infraero vai oferecer o projeto do consórcio MAG para o vencedor do leilão de Guarulhos. "O vencedor está livre para executar o projeto [arquitetônico e de engenharia] que desejar. Não precisa seguir nem o da EBP."

No entanto, para cumprir as metas de conforto e capacidade do edital, será preciso seguir um projeto flexível, que permita ampliações graduais, como o da EBP.

 

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/990402-infraero-desperdica-milhoes-com-projetos-para-ampliar-aeroporto.shtml

Link to comment
Share on other sites

Bem, se eu fosse o Biselli ficaria MUITO chateado com isso...

 

Agora para os que sonham com GRU operando com 80 mi de pax ano deveria dar graças a deus pois o outro projeto viabilizaria uma capacidade bem maior que só o T3.

Link to comment
Share on other sites

Será que a Infraero está mais a serviço dessas empresas de consultoria do que dos usuários de aeroportos?

Creio que já testemunhamos o suficiente para pedirmos um fim ao festival de descaso que assola nossa infra-estrutura aeroportuária.

Amanhã será o dia para expressarmos nossa indignação http://juntos.org.br !

Link to comment
Share on other sites

Será que a Infraero está mais a serviço dessas empresas de consultoria do que dos usuários de aeroportos?

até a minha avó sabe que a ultima preocupação da infrazero são os pax.

ela esta mais a serviço dos politicos e seus parentes!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade