Jump to content

Abav-BA luta por voos diretos Bahia-África


Diego Airways

Recommended Posts

Abav-BA luta por voos diretos Bahia-África

 

 

Hôtelier News

 

 

abav-ba_logo_101111.jpg

 

 

 

 

A Abav-BA, juntamente com os consulados dos países africanos Benin e Costa do Marfim, está elaborando um projeto circunstanciado, com o fim de viabilizar voos diretos do continente africano para a capital baiana.

 

"Salvador é a cidade mais negra depois das cidades africanas, com uma presença cultural, étnica e religiosa, ligada às tradições africanas", explica Pedro Galvão, presidente da Abav-BA. No cenário atual, leva-se até 20 horas uma viagem dos países africanos à Bahia, com escalas na Europa ou Estados Unidos. A situação é a mesma para os baianos em viagens de turismo ou de negócios ao continente africano.

 

"O custo dessas viagens já está calculado e tem valor altíssimo, se conseguirmos os voos diretos entre a África e Salvador, seria abatido cerca de um terço do valor", complementou Galvão, que acredita existir um grande interesse do turista baiano em visitar a África e vice-versa.

 

A ideia inicial é viabilizar um voo partindo de uma das capitais africanas, com possibilidade de agregar passageiros dos países vizinhos, principalmente os limítrofes, fazendo com que a aeronave mantivesse um índice de 70% de ocupação.

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

Espero que um dia consigam um voo africano à Bahia. Como existem negociações com a Costa do Marfim, poderiam colocar em prática pelo menos 1-2x/semana Abidjan/Salvador com a Air Ivoire.

 

 

 

 

1261203.jpg

Link to comment
Share on other sites

eu acho que dev existir fluxo xom a europa...esse papo de ligações culturais e etc fica só no papo...o bahiano, como todo o brasileiro de um modo geral quer ir pra europa ou pros eua...eles estão se lixando pra suas raízes indígenas e africanas....por isso somos um povo bobalhão que aplaude o primeiro gringo que faz uma careta..

Link to comment
Share on other sites

Viagem de turismo para a Costa do Marfim?? Esse pessoal da ABAV-BA precisa ir lá algum dia para ver como é que é antes de sair falando bobagem...

 

Como existem negociações com a Costa do Marfim, poderiam colocar em prática pelo menos 1-2x/semana Abidjan/Salvador com a Air Ivoire.

 

A Air Ivoire não faz vôos de longo curso. Ao que eu saiba aliás a Air Ivoire nem sequer está voando mais.

Link to comment
Share on other sites

Me parecem que estão atirando pra todos os lados, sem critério técnico, daqui a pouco aparece notícia que a abav ba está negociando voos com o Afeganistão.

Link to comment
Share on other sites

É... acho que a maior proximidade da Bahia seria com Angola. LAD-Brazil tem fluxo indiscutível. Acho muito plausível botar ao menos uma frequência semanal ou duas a depender da demanda pro Nordeste. Na verdade quero dizer... O vôo do GIG poderia 2 vezes por semana fazer escala em alguma cidade do Nordeste, (provavelmente SSA) na vinda. LAD-SSA-GIG-LAD.

Link to comment
Share on other sites

Snme a TAAG fez uma redução tanto em GRU como em GIG, não foi? Se teve isso acho difícil nova base no Brasil, mesmo que a razão tenha sido outra que não a demanda.

Link to comment
Share on other sites

Posso estar enganado mas eu acho que a TAAG reduziu por alguma limitação na frota. Só a TAAG mesmo para ter 3 777 novinhos em folha parados pra manutenção.

 

Tanto tem demanda, na minha opinião, que eles estão com 777-300 para o Brasil, e o bicho, que eu saiba, sai cheio e não é de hoje.

Link to comment
Share on other sites

 

"Salvador é a cidade mais negra depois das cidades africanas, com uma presença cultural, étnica e religiosa, ligada às tradições africanas", ...

 

... A situação é a mesma para os baianos em viagens de turismo ou de negócios ao continente africano.

 

 

 

E desde quando laços culturais garantem lucro na operação de um vôo desse porte?

 

Ainda se o foco fosse o fluxo de gente do Nordeste que está indo a trabalho pra Angola, ainda vá lá.

 

Isso pra mim é papo de aspone e líder de ONG que viaja regularmente pra lá, e quer facilitar a sua própria vida. Esse papo de "laços culturais" é uma tremenda falácia. Podemos ter origens, mas a cultura afro-brasileira é muito distinta. Além disso, não há laços estreitos (familiares, por exemplo) que gere fluxo de passageiros tão grande (como acontece, por exemplo, entre Brasil e Portugal).

 

E turismo para as regiões citadas... só podem estar de brincadeira.

Link to comment
Share on other sites

Se laços culturais bastassem teríamos:

 

GRU-NRT

FLN-LIS

VCP-AMS

VCP-MIA

PPB-NRT

CXJ-FCO

BNU-MUC

 

e por aí vai...

 

Se quisessem lançar um voo poderia ser: COO-ABJ-SSA-GRU umas duas vezes por semana no máximo.

 

Essa rota passaria pelos 2 países no qual os consulados estão envolvidos nessa negociação, SSA que quer um voo pra África e SP que poderia embarcar muitos passageiros para aquela região e que hoje fazem conexões e que querem chegar rápido e não querem ter que ficar mudando e esperando por voos na Europa, EUA ou Africa do Sul.

 

Nada que um 737-700 não faça, pois o alcance passa de 3300 NM e SSA-ABJ não chega a 2700 NM.

 

Com isso um voo da capital baiana até a marfinense duraria umas 5h30 e o voo inteiro, de GRU até COO demoraria umas 9 horas de voo mais o tempo das duas escalas que não passaria de 11h.

Link to comment
Share on other sites

Muita gente aqui no Brasil têm da Africa a imagem que é vendida pela mídia, a realidade não é bem assim... Lagos por exemplo deve estar ultrapassando São Paulo em população, e ao contrario do que se pensa tem muita gente rica por lá (embora que miséria também faça parte da realidade). As oportunidades de negócio não deveriam ser ignoradas, porém não sei se SSA realmente é o lugar mais adequado para fazer a ponte com esse continente, quem sabe o GIG fosse melhor opção, mas se SSA invistisse mais em infraestrutura aeroportuária daria uma boa opção de HUB...

Link to comment
Share on other sites

Se quisessem lançar um voo poderia ser: COO-ABJ-SSA-GRU umas duas vezes por semana no máximo.

 

Essa rota passaria pelos 2 países no qual os consulados estão envolvidos nessa negociação, SSA que quer um voo pra África e SP que poderia embarcar muitos passageiros para aquela região e que hoje fazem conexões e que querem chegar rápido e não querem ter que ficar mudando e esperando por voos na Europa, EUA ou Africa do Sul.

 

Nada que um 737-700 não faça, pois o alcance passa de 3300 NM e SSA-ABJ não chega a 2700 NM.

 

Com isso um voo da capital baiana até a marfinense duraria umas 5h30 e o voo inteiro, de GRU até COO demoraria umas 9 horas de voo mais o tempo das duas escalas que não passaria de 11h.

 

É um idéia interessante essa. Garante mercado saindo de GRU e atende o Nordeste com a escala em SSA.

 

Apesar de achar que 2 frequências é muito, atende a interesses de negócios para viagens curtas.

 

Lula falava em subsidiar voos para África. Porém, eu não vejo a Gol fazendo esses voos não. Acho que tá mais pra TAM com A319.

Link to comment
Share on other sites

A Varig mantinha voos para Sal, Maputo, Luanda, Johannesburgo, Abdjian, Lagos, Casablanca, Bissau... estou certo?

 

Vejo com bons olhos uma nova rota, e acho que SSA, dos aeroportos alternativos é o que mais tem sentido. Mesmo assim, acho que só há demanda na rota SSA-LAD.

Link to comment
Share on other sites

A Varig não voou para Guiné Bissau ou para Casablanca. A VASP por um tempo voou para o Marrocos e depois o incluiu como escala do voo para Atenas.

 

Houve uma época que as brasileiras voaram simultaneamente para Lisboa (TR e RG), Porto (RG), Madrid (VP e RG), Barcelona (VP e RG), Paris (RG), Roma (RG), Milão (RG), Zurique (VP E RG), Viena (TR), Munique(RG), Frankfurt (VP e RG), Atenas (VP), Amsterdam (TR e RG), Bruxelas (VP), Londres (TR e RG), Copenhague (RG) - 16 destinos no continente - e a Transbrasil chegou a fazer um voo de avaliação para Moscou.

 

Hj a Swiss, KLM, TAP, Singapore, Alitalia, Lufthansa... enfim, vcs sabem...

 

Na sua lista faltou a Cidade do Cabo e Dakar.

Link to comment
Share on other sites

Bom, eu já defendi várias vezes aqui que eu vejo como uma GRANDE oportunidade, é uma companhia montar um hub no Nordeste (preferencialmente Natal ou Recife, pela localização geográfica) que poderia servir de ponto de conexão entre o oeste da África e as Américas, visto que os EUA também possuem relativamente poucos vôos pra lá...e que também não existe uma companhia africana forte nesta região (as mais fortes ficam: sul-South African, leste-Ethiopian e Kenya).

 

"Esse cara tá LOUCO!" alguns irão dizer...

 

Mas estaríamos apenas "copiando" o modelo da Copa Airlines, de ligar a América do Sul ao Caribe e EUA...

 

OBS: porque de ser em Recife ou Natal? Isso permitiria voar para vários países do oeste africano com narrowbody (A320 ou 737) full payload, ou quase isso. E a diferença no custo operacional para um widebody é muito grande...

 

Quanto á rentabilidade, creio que poderia ser muito boa, pois temos vários passageiros do eixo Rio-SP que voam para a África via Europa ou South African, e os preços são bem salgados...

 

Claro que o problema é montar o hub, pois o ideal seria também voar para os EUA (Miami pelo menso), várias capitais da América Latina, e quem sabe Europa, para interligá-las com a África...e obviamente que isso é um projeto para alguns anos...

 

Quem sabe um dia esse sonho se realiza, hehe...

Link to comment
Share on other sites

Quem mantem essa "Associação Brasileira de Agentes de viagens" para fazer essa imbecilidade sem-noção? Brasil: o país da ineficiência, onde se jogam recursos no lixo, e coloca gente totalmente sem qualificação para trabalhar/gerir certas instituições, mas essa passou dos limites...

Link to comment
Share on other sites

Quem mantem essa "Associação Brasileira de Agentes de viagens" para fazer essa imbecilidade sem-noção? Brasil: o país da ineficiência, onde se jogam recursos no lixo, e coloca gente totalmente sem qualificação para trabalhar/gerir certas instituições, mas essa passou dos limites...

 

Bom, imagino que sejam as agências e os agentes vinculados a ela.

Link to comment
Share on other sites

Bom, eu já defendi várias vezes aqui que eu vejo como uma GRANDE oportunidade, é uma companhia montar um hub no Nordeste (preferencialmente Natal ou Recife, pela localização geográfica) que poderia servir de ponto de conexão entre o oeste da África e as Américas, visto que os EUA também possuem relativamente poucos vôos pra lá...e que também não existe uma companhia africana forte nesta região (as mais fortes ficam: sul-South African, leste-Ethiopian e Kenya).

 

"Esse cara tá LOUCO!" alguns irão dizer...

 

Mas estaríamos apenas "copiando" o modelo da Copa Airlines, de ligar a América do Sul ao Caribe e EUA...

 

Chico, você não está louco, e um melhor exemplo que o da Copa talvez seja o da Emirates que se tornou o hub dos passageiros da China para a África, pegando o tráfego que antes passava pela Europa. Natal realmente tem uma posição geográfica privilegiada para conexões para o oeste africano.

 

SÓ que posição geográfica é só o começo. Para concorrer com Paris tem que ter também qualidade no serviço, infraestrutura aeroportuária, grande oferta de vôos e boas opções de pernoite (ah, e acabar com a ridícula exigência de visto para permanências menores que três dias ou uma semana). Foi o que Dubai fez e o que o Brasil poderia fazer também. Mas estamos ainda muito longe.

 

Outro ponto é que na África ocidental não existe companhia para distribuir vôos pela região, você tem que voar direto para o destino final. Para ser hub é preciso ter vôos diários para cada um dos destinos lá, ou fazer triangulares (NAT-ABJ-ACC, NAT-LOS-YAO, etc.). Começar com dois vôos por semana para somente um destino e achar que vai aparecer passageiro na minha opinião é perder dinheiro.

Link to comment
Share on other sites

A Varig mantinha voos para Sal, Maputo, Luanda, Johannesburgo, Abdjian, Lagos, Casablanca, Bissau... estou certo?

 

Ela manteve vôos - deficitários - para essas rotas, mas o propósito era mais político que outra coisa. E o cenário daquela época era muito diferente do atual, não é válido para comparação.

 

Muita gente aqui no Brasil têm da Africa a imagem que é vendida pela mídia, a realidade não é bem assim... Lagos por exemplo deve estar ultrapassando São Paulo em população, e ao contrario do que se pensa tem muita gente rica por lá (embora que miséria também faça parte da realidade). ...

 

Miséria, e principalmente corrupção. São países muito complicados para empresas estrangeiras se estabelecerem. Só se arriscam as grandes "macacas velhas" e olhe lá.

Link to comment
Share on other sites

..., e acabar com a ridícula exigência de visto para permanências menores que três dias ou uma semana...

 

Só para adicionar mais dados a sua fala:

 

http://www.budgettravel.com/feature/8-most-complicated-countries-to-visit,7963/?page=2

 

O Brasil foi considerado, neste artigo, um dos mais complicados para obter visto pelos norte-americanos. No artigo fala que o consulado brasileiro em Los Angeles pede uma carta da esposa de turistas homens casados viajando sozinho na qual ela diz que concorda com a viagem. Além disso, temos poucos consulados que emitem vistos, e não são dos mais ágeis.

 

E certamente essa estrutura arcaica não combina com um país que queira servir de `hub` como Dubai, por exemplo.

 

Adicione a isto nossa estrutura pífia - aeroportuária e hoteleira - e temos uma impossibilidade de pensar nesta possibilidade.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade