Jump to content

Aerolíneas Argentinas reduzirá malha aérea internacional


A.Borges

Recommended Posts

Companhia aérea estatal desligará da frota 21 aviões; medidas fazem parte de cortes de subsídios do governo argentino

 

A Aerolíneas Argentinas, empresa estatal de aviação, reduzirá a sua malha aérea internacional e desligará da sua frota 21 aviões, sendo três jumbos 747, 16 Boeing 737-500 e dois MDs. O anúncio foi feito nesta manhã pelo ministro do Planejamento da Argentina, Julio De Vido, e pelo presidente da Aerolineas, Mariano Recalde.

 

As medidas estão dentro do contexto de redução do gasto público, que fez com que o governo argentino cortasse ao longo deste mês cerca de US$ 1 bilhão por ano em gastos com subsídios. Segundo a última informação tornada pública pela empresa, a Aerolíneas teve um déficit de US$ 486 milhões no ano passado, segundo US$ 416 milhões referentes à parte operacional. "Para 2011, estamos projetando resultados equivalentes", disse Recalde.

 

O enxugamento dos voos deverá atingir sobretudo as operações com Europa, América do Norte e Oceania. "A parte internacional responde por 40% do resultado negativo da empresa", afirmou De Vido. Tanto De Vido quanto Recalde foram enfáticos em afirmar que ficarão intocadas as frequências para os países vizinhos. Em relação ao Brasil, a razão determinante é ó superávit na conta de turismo.

 

"Cada visitante do Brasil na Argentina está deixando em média US$ 220 ao dia, o dobro da média para o resto do mundo", afirmou De Vido. Segundo dados da Câmara Argentina de Turismo, no ano passado 1,195 milhão de brasileiros visitaram a Argentina.

 

A desativação de 21 aviões significará uma redução dos assentos disponíveis, mas não uma diminuição da frota, já que a empresa fez em 2010 um forte investimento de compras de novas aeronaves mais compactas: adquiriu 20 aviões Embraer, 24 Boeing 737 e 11 Airbus.

Também foram anunciadas medidas para aumentar a carga de trabalho do pessoal operacional. Nos últimos dias, uma série de conflitos entre o governo e sindicatos prejudicou as atividades da companhia, que há oito dias chegou a suspender por 24 horas suas operações internacionais no aeroporto de Ezeiza.

 

Fonte: IG - economia

Link to comment
Share on other sites

E que MD11 sao esses, que nunca vi na malha....além do mais eles recém adquiriram um A340-313 da AirFrance que andava por Portugal, pensei que esse novo A340 fosse pra reforcar os voos a Roma, ,mas parece que será para substituir as futuras saídas do B747....bom...enfim...deixamospra ver oq acontece, mas uma dela.....inclusivequeria comentar que o A340 novo nas novas cores ficou lindissímo.

Link to comment
Share on other sites

E que MD11 sao esses, que nunca vi na malha....além do mais eles recém adquiriram um A340-313 da AirFrance que andava por Portugal, pensei que esse novo A340 fosse pra reforcar os voos a Roma, ,mas parece que será para substituir as futuras saídas do B747....bom...enfim...deixamospra ver oq acontece, mas uma dela.....inclusivequeria comentar que o A340 novo nas novas cores ficou lindissímo.

 

Não são MD-11... São MD-88

162042.jpg

 

:joinha:

Link to comment
Share on other sites

Desculpa a pergunta, mais,..... Por que ?

Na minha opinião presta péssimos serviços. Além de tudo é uma estatal da Cristina Kirchner. Imaginem o grau de aparelhamento político partidário da empresa.

Link to comment
Share on other sites

Possivelmente isso faz parte do "saco de maldades" :6: pós-reeleição da presidente Cristina (Argentina). Mais do mesmo ("política"! = deixar as ações amargas para depois das eleições!), em meio a apertos de orçamento e acusações não sem fundamentação de "maquiagem" de inflação... :ahhh:

 

Sobre a AR fazer ou não falta, não tem como um país do porte da Argentina não ter cia(s). aérea(s) expressiva(s). O problema está no conturbado histórico da AR nas últimas décadas e, para o usuário, de fato, tem sido muito frequente passar por "calvários" de cancelamentos, atrasos e outros infortúnios. :ranting_1: Muito ruim... A empresa realmente está com "filme queimado"! :thumbsdown_still:

 

A LAN como opção? Não parece que os argentinos vão aceitar fácil largar o osso e ter uma chilena como n. 1. Vamos ver...

 

Ainda no caso da Argentina, tem um agravante adicional (e aí nem é culpa da AR): os vulcões andinos (dizem as más línguas que é a "vingança" chilena a "los che" pela perda antepassada de boa parte da patagônia... :awesome: :lala: :hypocrite: ).

 

Bem... É sempre ruim (e triste) ver cortes na aviação... :( Boa sorte, de novo, à AR!

Link to comment
Share on other sites

Tiram 21 aviões da frota, ficam 22. Daqui a pouco vira uma Pantanal da vida, que tem empresa, nome mas só falta uma coisa básica de uma cia. aérea, (avião).

Link to comment
Share on other sites

O problema é que o pessoal não olha pra trás. Os B73G vieram justamente para substituir os B735, então uma hora eles iriam parar. Vale lembrar que ainda há a malha da Austral, os MD-80 que estão na ARG são 3 que não chegaram a ser transferidos para a AU. Acredito que a ARG não deve ter uma malha doméstica para uma frota de 30 aeronaves, e vale lembrar que a empresa está recebendo Boeings 737-800, então a questão é puramente de substituição de frota. Quanto aos B744, chegou a ser comentado que virão outros A343 para substituí-los. A frota da AU conta com 20 E190 e 13 MD80. Na minha opinião a decisão é acertada.

Link to comment
Share on other sites

Yikes! Só espero que diminuam o protecionismo dentro do próprio país. A LAN Argentina tem dificuldade de crescer em meio a vários slots e frequências que ficam dormentes na mão da AR.

Link to comment
Share on other sites

Pelo jeito as operações para MAD, FCO, AKL, SYD e MIA vão para o espaço. Devem estar perdendo muito dinheiro para sustentar tais rotas. Daqui a pouco a Aerolineas vai se resumir a voos domésticos e intl na América do Sul. As Européias devem estar rindo à toa, especialmente a Iberia.

Link to comment
Share on other sites

ARG não é companhia séria, definitivamente!

 

Reduzir frota não é a salvação da pátria, você reduz a frota (e o potencial de receita) em 20%, mas não diminuem em 20% o staff, as instalações e outros custos. Ou seja o ganho é temporário.

 

Infelizmente a ARG está moribunda e o governo argentino acha que trazer B738 é modernizar a empresa . . .

Link to comment
Share on other sites

Pelo jeito as operações para MAD, FCO, AKL, SYD e MIA vão para o espaço. Devem estar perdendo muito dinheiro para sustentar tais rotas. Daqui a pouco a Aerolineas vai se resumir a voos domésticos e intl na América do Sul. As Européias devem estar rindo à toa, especialmente a Iberia.

 

De onde voce presume isso?

Os 747 são responsáveis apenas pelos voos a Madrid e estão chegando mais A340 na empresa, que supostamente devem substituir os voos a Madrid no caso de saída dos jumbos.

 

E além do mais essa medida de retirada da frota dos jatos mais antigos e beberrões me parece mais uma estratégia acertada do que errática!

 

É uma pena que tenhamos cada dia menos jumbos de passageiros voando pela américa do sul e pelo mundo!

 

Aproveitando este post, observo que muitos aqui aparentemente tem um tezão enorme em falar mal da AR, alguns talvez sem sequer ter posto o pé em alguma aeronave da frota!

E quanto aos conflitos gremiais, parece até que nenhuma empresa na Europa ou ao redor do mundo enfrenta um conflito trabalhista... quantas vezes a Air france, entre outras!

Link to comment
Share on other sites

Peraí. Eu li essa mesma notícia no La Nación mais cedo.

 

E apesar de falarem em supressão de rotas, não falaram, no entanto, em abandono de todas as rotas intercontinentais.

 

Eles estão falando em aposentar os 737-500 (que estão sendo gradualmente substituídos pelos NG, certo?), os MDs e os 744.

 

Não falaram aposentar os A340.

 

Portanto, eles devem sair de algumas rotas, como a Oceania, por exemplo, e de algumas na América do Norte.

 

Creio que a Aerolineas manterá algumas rotas europeias, como Madri e Roma, por exemplo, com A340.

 

Quanto a crescer na América do Sul. A decisão deles tem fundamento. Eles poderão, por exemplo, usar E-Jets para voar direto de Buenos Aires para algumas cidades do Brasil, como CWB, CNF, BSB... E para algumas outras capitais menores e cidades de interior do Brasil.

Belíssima estratégia para fazer frente à Pluna e às brasileiras TAM e GOL, pois é muito mais confortável um voo direto do que um uma viagem com paradas em GRU, POA ou MVD para ir à Buenos Aires.

Link to comment
Share on other sites

 

De onde voce presume isso?

Os 747 são responsáveis apenas pelos voos a Madrid e estão chegando mais A340 na empresa, que supostamente devem substituir os voos a Madrid no caso de saída dos jumbos.

 

E além do mais essa medida de retirada da frota dos jatos mais antigos e beberrões me parece mais uma estratégia acertada do que errática!

 

É uma pena que tenhamos cada dia menos jumbos de passageiros voando pela américa do sul e pelo mundo!

 

Aproveitando este post, observo que muitos aqui aparentemente tem um tezão enorme em falar mal da AR, alguns talvez sem sequer ter posto o pé em alguma aeronave da frota!

E quanto aos conflitos gremiais, parece até que nenhuma empresa na Europa ou ao redor do mundo enfrenta um conflito trabalhista... quantas vezes a Air france, entre outras!

 

Outro exemplo de estatal que sofre com as greves é a TAP.

 

Quanto à AR, na boa... Sabe aquele estereótipo daquele argentino decadente, mas prepotente? É a própria AR. Disparado a companhia aérea com o pior atendimento com a qual viajei. Além do mais, acho que só a BRA tinha aviões tão caindo aos pedaços como a AR. Estão colhendo o que plantaram, infelizmente. E agora não dá para apelar para privatização, visto que não algo bem sucedido na última vez.

 

O pessoal acha que é uma decisão acertada reduzir estes vôos internacionais, eu discordo... Como podem abrir mão de EZE-MAD, EZE-FCO ou EZE-MIA? Provavelmente vão usar os A343 quando os receberem...

 

Acho que quem defende o apequenamento da AR como solução fica pensando como exemplo a Pluna, mas são realidades totalmente diferentes. Um país da relevância regional como a Argentina sempre terá uma empresa nacional "forte".

Link to comment
Share on other sites

E lá se vão os voos em C para SYD por R$ 4.000,00...

 

Agora falando sério, estava na cara que a CIA tinha um retorno baixo em seus voos. O mesmo trecho que paguei 4k para SYD, custava 12k pela LAN...

 

Enfim, serviço ruim, aviões velhos, um país quebrado... Uma cena trágica.

Link to comment
Share on other sites

Acho que a Aerolíneas perde a oportunidade de fazer como a Pluna e a Tap que apostaram no mercado brasileiro. Varias cidades brasileiras para explorar como MAO, BEL, FOR, REC, SSA, BSB, CNF, etc..

Link to comment
Share on other sites

E lá se vão os voos em C para SYD por R$ 4.000,00...

 

Agora falando sério, estava na cara que a CIA tinha um retorno baixo em seus voos. O mesmo trecho que paguei 4k para SYD, custava 12k pela LAN...

 

Enfim, serviço ruim, aviões velhos, um país quebrado... Uma cena trágica.

 

Esse vôo é um dos poucos diferenciais que a AR tem, eu não acabaria com ele tão cedo. Boa parte da demanda Brasil-Austrália poderia passar por ali. Claro que ter uma aeronave moderna e com condições de vencer o apelo de Emirates, South African, etc ajudaria...

 

Outra coisa que gostaria de perguntar é o seguinte... porque a Aerolineas se afastou do mercado sul do Brasil - Europa via MAD e FCO? Lembro que até poucos anos atrás, seus preços eram muito competitivos quando comparados com Varig (na época) e europeias. Era comum sair daqui de POA e ir para Europa via EZE.

Link to comment
Share on other sites

Respondendo a mim mesmo... Foi devido à saida dos voos de POA para o AEP. A opção ainda existe, mas envolve ficar 8 horas em Buenos Aires, e fazer por conta o trecho AEP-EZE, impraticável, talvez com o Code-Share com a Gol (a única que faz POA-EZE direto) esta possibilidade volte. Atualmente, a IB faz code-share com a Pluna para captar passsageiros via MVD.

Link to comment
Share on other sites

E lá se vão os voos em C para SYD por R$ 4.000,00...

 

Agora falando sério, estava na cara que a CIA tinha um retorno baixo em seus voos. O mesmo trecho que paguei 4k para SYD, custava 12k pela LAN...

 

Enfim, serviço ruim, aviões velhos, um país quebrado... Uma cena trágica.

 

Não dá pra comparar o produto Lan com AR em voos intercontinentais, né?

 

Vamos ver se com a vinda de novos A340 alguém em Buenos Aires vai ter idéia de investir no produto "interiores de qualidade, padronizados e compatibilizados" nos wide bodies.

Creio que, se eles estão em vias de entrar na sky team, alguma pressão nesse sentido devem ou deveriam estar sofrendo....

 

Por enquanto a favor da imagem da AR talvez só o novo terminal C em EZE que eles já estão a operar e que está sendo executado a segunda etapa de obras...não vai ficar um terminal mirabolante mas pelo menos é um passo para melhoria de EZE...

Link to comment
Share on other sites

Respondendo a mim mesmo... Foi devido à saida dos voos de POA para o AEP. A opção ainda existe, mas envolve ficar 8 horas em Buenos Aires, e fazer por conta o trecho AEP-EZE, impraticável, talvez com o Code-Share com a Gol (a única que faz POA-EZE direto) esta possibilidade volte. Atualmente, a IB faz code-share com a Pluna para captar passsageiros via MVD.

 

Na verdade se não me engano eles estão fazendo o seguinte EZE-POA-AEP pela manhã e nofim da tarde/início da noite o inverso: AEP-POA-EZE.

Exatamente para tentar conectar POA com os voos em EZE.

O mesmo eles estão fazendo para Montevideo, SCL, Córdoba e Mendoza para EZE, me parece uma estratégia boa, mas ainda assim EZE sofre com falta de conexões com os regionais em maioria indo para AEP!

Se está dando resultado esperado já não sei...

Link to comment
Share on other sites

Portanto, eles devem sair de algumas rotas, como a Oceania, por exemplo, e de algumas na América do Norte.

 

Creio que a Aerolineas manterá algumas rotas europeias, como Madri e Roma, por exemplo, com A340.

 

Quanto a crescer na América do Sul. A decisão deles tem fundamento. Eles poderão, por exemplo, usar E-Jets para voar direto de Buenos Aires para algumas cidades do Brasil, como CWB, CNF, BSB... E para algumas outras capitais menores e cidades de interior do Brasil.

Belíssima estratégia para fazer frente à Pluna e às brasileiras TAM e GOL, pois é muito mais confortável um voo direto do que um uma viagem com paradas em GRU, POA ou MVD para ir à Buenos Aires.

 

Creio que EZE-AKL-SYD não será cancelado, mas sofrerá redução de frequências. Parece que a dobradinha LAN/Qantas virou a preferida dos brasileiros.

 

A malha européia (sic) vão manter apenas Madrid e Roma, saindo Barcelona. Surpresa mesmo seria se saísse Roma à favor da AZA.

 

EUA, ela só voa para MIA, nem para JFK a ARG consegue voar! MEX pode ser reduzida ou cortada.

 

Evieiramiranda, os E-Jets são da Austral e creio que por motivos trabalhistas não seja fácil aeronave da AU operar vôo AR - isso é um dos maiores empecilhos da integração das duas.

 

Acho que a Aerolíneas perde a oportunidade de fazer como a Pluna e a Tap que apostaram no mercado brasileiro. Varias cidades brasileiras para explorar como MAO, BEL, FOR, REC, SSA, BSB, CNF, etc..

 

Concordo! Preferiram apostar em GRU e GIG onde têm uma variedade de empresas desde a Gol até a Qatar e em breve a Emirates que entrar em novos mercados. Brasília tinha bons loads quando a Tam operava lá. SSA e REC bem trabalhadas ia ter tráfego todo ano. CNF dispensa comentários, Curitiba idem. Quem agradece? A Pluna . . .

 

Não souberam aproveitar a quinta liberdade que tem com o Brasil para investir em um EZE-BSB-MIA ou EZE-SSA-MAD quando ainda operava os A310-300 e não haviam concorrentes nas rotas.

 

Preferiram a canetada e transferiram os vôos dela para AEP como forma de ganhar mercado, assim é fácil aumentar yields.

 

E a falta de visão de seus gestores entregou mercados com demandas reprimidas (EZE-LHR, EZE-FRA, EZE-AMS) para as européias, sem falar de JFK.

Link to comment
Share on other sites

 

E a falta de visão de seus gestores entregou mercados com demandas reprimidas (EZE-LHR, EZE-FRA, EZE-AMS) para as européias, sem falar de JFK.

 

caro,

 

a Tam tb não padeceu da mesma patologia oftamológica??? :rotflol:

 

com exceção de vc e de alguns aqui, fico impressionado com o patente gozo que alguns possuem de denegrir nao apenas a AR como tb a própria Argentina e seus cidadãos! Até parece que nós, brasileiros, somos tão humildes e cordiais, até parece que somos um povo sensato, crítico, observador de suas condições políticas e esperto em se defender de malandros de terno e gravata sejam de grandes corporações, do Estado ou as duas coisas que é o que mais tem por aí. É preciso lembrar a falência que o grupo marsans e a ibéria, em momento justapostos, impuseram à economia e à gestão da AR durante os fracassados governos neoliberais a partir de Menen, se não em engano. É preciso que aqueles que hoje afirmam - como alguns aqui - que a AR não passa de uma empresa gerenciada pela família Kirchner, se lembre que foi o Estado argentino através do seu povo que está tendo que pagar a conta por tanta ingerência, irresponsabilidade e ROUBO por parte dos grandes administradores europeus!!!!

 

mas esses sujeitos que têm prazer com a situação da AR devem estar furiosos e sem saber o motivo da Iberia e o marsans não terem enterrado de vez a Aerolíneas...são pessoas que amam a europa mesmo que os europeus estejam aqui lhes roubando, em vez de criar laços de solidariedade entre pessoas de sua mesma realidade...temos tanto a aprender com os Argentinos e eles tanto conosco...uma coisa é criticar a administração de uma empresa, seja ela pública ou privada...outra coisa é julgar a partir de uma orientação xenófoba que é uma fantasia estimulada pela imprensa dos dois países...mas que baixeza de espírito e dignidade, hein! esse fórum poderia passar sem isso...

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade