Jump to content

Aéreas terão que informar espaço entre assentos


A.Borges

Recommended Posts

Aéreas terão que informar espaço entre assentos ao vender passagens

 

As companhias aéreas serão obrigadas a informar ao venderem bilhetes o espaço que o passageiro terá para as pernas quando estiver sentado dentro do avião, afirmou Wagner Bittencourt, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, nesta quarta-feira (30).

 

Segundo ele, a medida entrará em vigor em “meses”. O propósito é estimular a competição entre as empresas aéreas. “A gente quer dar cada vez mais informação ao usuário, não só dessas características técnicas do voo, mas também do desempenho das companhias aéreas. Será informado aos usuários o nível de atraso, o nível de cancelamentos que elas [as companhias] têm”, disse.

 

Para evitar o caos aéreo do fim de ano, o ministro disse que o governo ordenou o cancelamento das férias de todos os funcionários de aeroportos que teriam o benefício nesse período de maior fluxo de passageiros. Isso inclui servidores da Infraero, Polícia Federal, Receita Federal e Anvisa, entre outros. A expectativa da Secretaria de Aviação Civil é manter o nível de cancelamento de voos na faixa de 5% do total.

Empresas aéreas também já foram informadas sobre a necessidade de ter aviões de reserva e equipes de tripulação de sobreaviso para emergências de fim de ano.

 

Sobre atrasos na devolução de bagagens, Bittencourt disse que as companhias são obrigadas a manter funcionários na área das esteiras. “Se não tiver [um funcionário da companhia aérea na área de entrega das bagagens], [o passageiro] pode reclamar com o pessoal da Infraero, que estará por ali com aquele [colete] amarelinho para ajudá-la com as providências que tem que tomar”.

 

Veja AQUI a entrevista.

 

Fonte: Folha online

Link to comment
Share on other sites

Aéreas terão que informar espaço entre assentos ao vender passagens

 

As companhias aéreas serão obrigadas a informar ao venderem bilhetes o espaço que o passageiro terá para as pernas quando estiver sentado dentro do avião, afirmou Wagner Bittencourt, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, nesta quarta-feira (30).

 

Segundo ele, a medida entrará em vigor em “meses”. O propósito é estimular a competição entre as empresas aéreas. “A gente quer dar cada vez mais informação ao usuário, não só dessas características técnicas do voo, mas também do desempenho das companhias aéreas. Será informado aos usuários o nível de atraso, o nível de cancelamentos que elas [as companhias] têm”, disse.

 

Se for assim mesmo que vai levar a melhor é a Avianca, que deixa bem explícito o Selo de Maior Espaço entre poltronas.

Link to comment
Share on other sites

Ridículo. Com tantas prioridades no setor ainda perdem tempo aprovando esse tipo de exigência. Até parece que o passageiro ao comprar a passagem vai conferir o espaço entre as poltronas. Vai ver somente o preço e pronto! Nível de atraso e cancelamento também é uma informação desnecessária, visto que isso não isentará a empresa da responsabilidade de honrar com o horário e as providências em caso de atraso de qualquer forma. E muitas vezes os atrasos se dão por conta de fatores meteorológicos e congestionamento de tráfego que estão além do controle das empresas.

Link to comment
Share on other sites

Ok, então a empresa terá que saber com meses de antecedência a matrícula do avião que efetuará o vôo, visto que entre os mesmos tipos de aeronaves, em alguns casos, há uma diferença de uns 8cm dependendo da matrícula...

 

Mais uma medida "pra aparecer", inócua para a melhoria do serviço prestado ao passageiro.

Link to comment
Share on other sites

É muito fácil o governo querer dar palpite nas empresas. Porque será que a gente não vê esse empenho para assuntos relacionados aos aeroportos? Porque não vemos medidas do tipo: estipulação de tempo máximo de espera na fila da imigração, de espera de bagagem ou tempo máximo de busca por vaga nos estacionamento dos aeroportos?

Link to comment
Share on other sites

Isso é trabalho pro povo ver como a Infraero trabalha incansávelmente pelo conforto e bem estar do passageiro.

Divulgar o espaço entre as poltronas, ja é feito, pelo menos, nos aviões da Gol, logo na entrada tem um selo da ANAC com a classificação do espaço.

 

E outra, é muito mais fácil jogar toda a responsabilidade pras cias aereas, do que tem uma estrutura decente. Os atrasos ocasionados em SLZ, em dias de chuva, com aquele p%¨*( terminal condenado às moscas??? Ou a reforma no pátio em GRU, deixando alguns fingers inoperantes, bem na época do final do ano? Ou os puxadinhos feitos de plástico espalhados por aí? O passageiro paga caro por uma estrutura e ganha o que?

Ou o fato de GRU não contar com um mísero CAT3? Quando o aeroporto fecha por nevoeiro, a culpa é da cia aerea?

Ou quando o voo dá remota, com a inauguração desses terminais remotos, faltam onibus pra fazer o desembarque... Isso tbm é culpa da cia aerea?

 

A aviação cresceu, e a estrutura ficou estagnada. Agora a infraero com essas (******) pra leigo ver.... É osso ser feliz assim....

Link to comment
Share on other sites

Notícia requentada para ANAC aparecer.

Isso não é aquele 'selo ANAC' que já é informado no site ao comprar a passagem e tem o selo na entrada da aeronave informando que ela está no padrão A, B, C...?!?

Link to comment
Share on other sites

Ou o fato de GRU não contar com um mísero CAT3? Quando o aeroporto fecha por nevoeiro, a culpa é da cia aerea?

 

Pior que tem, só a ABSA tem equipamentos e tripulação para fazer esse tipo de procedimento entre as nacionais

Link to comment
Share on other sites

Pior que tem, só a ABSA tem equipamentos e tripulação para fazer esse tipo de procedimento entre as nacionais

 

Mas as cias nacionais só não habilitam, pq nenhum aeroporto aqui tem. Não tenho dúvidas que, se fosse instalado o cat3 em aeroportos no Brasil, todas iriam homologar tbm.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade