Jump to content

Gol será transferida para T4 de GRU depois do Carnaval


C010T3

Recommended Posts

Novo terminal de Cumbica já opera hoje

 

Webjet é a primeira empresa a operar em nova área; Gol também vai para lá após o carnaval

 

08 de fevereiro de 2012 | 3h 06

NATALY COSTA - O Estado de S.Paulo

 

Com capacidade para 5,5 milhões de passageiros por ano, o Terminal 4 - Remoto do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, será inaugurado hoje com voos da Webjet. A partida inaugural estava prevista para as 3h55, com destino ao Recife. Mas a empresa não será a única que está de mudança para o novo espaço: depois de muita pressão da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a Gol vai transferir todas as suas operações domésticas para o Terminal 4 ainda este mês, depois do carnaval.

 

Fontes do setor comentam que a mudança da Gol custou caro para a Infraero. Relutante com o nível de infraestrutura que seria oferecido no Terminal 4, a empresa fez uma série de exigências à estatal antes de aceitar levar suas 170 operações domésticas diárias para um terminal remoto, a 2 km de distância do aeroporto, no meio do Terminal de Cargas.

 

Uma delas vai ser prontamente atendida: levar todas as operações internacionais da Gol - cerca de 30 voos por dia - para a Asa A do Terminal 1 de Cumbica. O objetivo é ficar mais o mais perto possível do Terminal 4 e facilitar o trânsito de funcionários e passageiros em conexão, que será feito por meio de micro-ônibus. Uma outra exigência seria o desconto em algumas tarifas aeroportuárias cobradas pela estatal para as operações em Cumbica - isso a Infraero não garantiu à Gol.

 

A insistência da Infraero em levar uma companhia de peso para o Terminal 4 era para não deixá-lo ocioso. Com apenas 10 destinos, 49 voos por dia e uma movimentação anual de 240 mil passageiros em Cumbica, a Webjet sozinha não preenche o espaço de 12 mil m² do novo terminal, tampouco tira o antigo do aperto.

 

O Terminal 4 está sendo inaugurado com quase dois meses de atraso. No começo de dezembro, um pedaço do teto desabou durante a construção. O acidente deixou dois funcionários feridos e postergou a data de entrega.

 

A obra da empreiteira Delta foi contratada em caráter emergencial em julho de 2011 pelo valor de R$ 86 milhões. A Justiça Federal questionou o processo de licitação da Delta - uma das líderes em contratos com o governo federal - e chegou a embargar a obra em setembro, mas a liminar foi cassada dois dias depois.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,novo-terminal-de-cumbica-ja-opera-hoje,832872,0.htm

Link to comment
Share on other sites

TAM+GOL no TPs1 nao caberia,nao sei como farao essa troca por conta dos voos inter da GOL,uma solucao seria retirar as Cias aereas da Asa A e levar pro TPS2,nao e?

Link to comment
Share on other sites

Bom,essa eu quero ver!Algumas operações internacionais da TAM já são feitas no TPS 2.Agora quero ver como vão fazer.Vou dar um pulo em GRU para dar uma espiada.

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados:

Guarulhos: capacidade de aeroporto cresce 21% com novo terminal

O novo terminal do aeroporto de Guarulhos (SP), inaugurado nesta quarta-feira, vai ampliar a capacidade do aeroporto de 25,9 milhões de passageiros ao ano para 31,4 milhões - uma ampliação de 21%. O terminal 4, que apenas realizará embarques e desembarques domésticos, conta com área de 11,2 mil m², estacionamento para 790 vagas distribuídas em dois bolsões. O investimento foi de R$ 85,7 milhões.

 

O estacionamento custará R$ 9, a primeira hora, R$ 13, entre uma e duas horas, e a partir da terceira hora o valor é de R$ 2,50 por hora. O aeroporto também disponibilizará dois bolsões de longa permanência, com custo diferenciado e translado por meio de vans gratuitas. O valor para permanência de cinco horas será de R$ 12, para 8 horas, R$ 17, e para 24 horas, R$ 25.

Inicialmente, apenas a Webjet vai operar no local, com cerca de 50 voos diários, entre chegadas e partidas. O terminal conta ainda com 34 balcões de check-in, nove portões de embarque, sistema de inspeção de bagagem de mão (com equipamento de raio-x), esteira de bagagem no desembarque, sistema de TV de vigilância, sistema informativo de voo, som digital, controle de acesso, elevadores, lojas e serviços, lanchonete, serviços de táxi e ônibus urbano,além de caixas eletrônicos e telefones públicos.

 

Para os passageiros, será disponibilizada internet sem fio gratuita por 15 minutos. No primeiro dia de funcionamento, apenas uma revistaria e uma cafeteria estavam funcionando no local. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) oferecerá gratuitamente aos consumidores um ônibus que irá percorrer os demais terminais.

Leilão

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) realizou na segunda-feira um leilão para transferir ao setor privado a exploração de três terminais aéreos internacionais: o de Cumbica, em Guarulhos, o de Viracopos, em Campinas e o Juscelino Kubitschek, em Brasília. O aeroporto de Brasília foi o que teve o maior valor acima da oferta mínima exigida pelo governo. O consórcio Inframerica Aeroportos levou a concessão na capital federal com a oferta de R$ 4,5 bilhões, ante preço mínimo de R$ 582 milhões - um ágio de 673%.

 

O consórcio formado por Invepar, OAS e a sul-africana ACSA, apresentou a melhor oferta econômica pela concessão do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), no valor de R$ 16,2 bilhões, com ágio de 375% sobre o preço mínimo de R$ 3,4 bilhões. Já o consórcio que inclui a Triunfo Participações e a francesa Egis Airport Operation fez a proposta financeira mais elevada pelo aeroporto de Viracopos (SP), de R$ 3,8 bilhões. O preço mínimo era de R$ 1,47 bilhão - um ágio de 159%. Os três aeroportos respondem, conjuntamente, pela movimentação de 30% dos passageiros, 57% da carga e 19% das aeronaves do sistema brasileiro.

Investimentos

Até o final da concessão de cada aeroporto estão previstos investimentos da ordem de R$ 4,6 bilhões em Guarulhos, R$ 8,7 bilhões em Viracopos e R$ 2,8 bilhões em Brasília. Os três aeroportos têm prazo de concessão diferentes. São 20 anos para Guarulhos, 25 anos para Brasília e 30 anos para Viracopos. Além da outorga, os concessionários terão que ceder um percentual da receita bruta ao governo, dinheiro que irá para um fundo cujos recursos serão destinados ao fomento da aviação regional. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar até 80% do investimento total previsto no edital do leilão para os três aeroportos.

Copa 2014

As concessionárias também têm investimentos mínimos estabelecidos para obras concluídas até a Copa de 2014. Para Brasília, estão previstos R$ 626,5 milhões, que devem ir para um novo terminal de passageiros para pelo menos dois milhões de pessoas por ano. Em Viracopos, a vencedora do leilão terá que colocar R$ 873 milhões, incluindo um terminal para 5,5 milhões de passageiros por ano.

 

Já em Cumbica, a empresa deverá construir um terminal para sete milhões e fazer investimento de R$ 1,38 bilhão. Além disso, estão previstas obras de ampliação de pistas, pátios, estacionamentos, vias de acesso. Os contratos assinados determinam o estabelecimento de padrões internacionais de qualidade de serviço.

O que muda na operação

- A estatal Infraero é responsável pela operação dos aeroportos no Brasil

- Agora, nos aeroportos concedidos, a Infraero será sócia dos concessionários privados, com participação de 49%

- A partir do contrato, haverá um período de transição de seis meses no qual a concessionária administrará o aeroporto em conjunto com a Infraero. Após esse período, que pode ser prorrogado por mais seis meses, o novo controlador assume o controle das operações do aeroporto

- A Infraero continuará operando 63 aeroportos no País, responsáveis pela movimentação de cerca de 67% do total de passageiros

- Não há previsão de aumento ou diminuição das tarifas

fonte: Vagner Magalhães para o site Terra 8 fev 2012

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Meus prezados:

Novo terminal de Cumbica está ocioso

Feito emergencialmente para 15 mil passageiros, terminal 4 recebe menos da metade, pouco mais de 1 mês após inauguração. Fim da ociosidade depende do acordo entre a Infraero e a Gol; iniciada em 2011, obra custou R$ 85,7 milhões

 

Construído de maneira emergencial para evitar "o caos aéreo", o terminal 4 do aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP), está ocioso -pouco mais de um mês após ser inaugurado. Em operação desde 8 de fevereiro, o terminal foi feito para 15 mil passageiros por dia, mas recebe menos da metade disso, cerca de 7.000, todos da Webjet, única companhia a usá-lo atualmente. Enquanto isso, os outros dois terminais de Cumbica operam cheios, acima da capacidade nos horários de pico. Em 2011, o aeroporto recebeu 15% mais passageiros do que pode abrigar.

 

A mais cotada para ir para lá é a Gol, mas ainda não há nenhuma definição concreta. Na avaliação da Infraero (estatal que administra os aeroportos), a definição ocorrerá em breve e a ociosidade atual é temporária. A Folha visitou o local três vezes nas últimas três semanas. Encontrou o lugar limpo e com aparência de novo, mas com os bancos do saguão quase vazios e um café com poucos clientes.

CHECK-IN VAZIO

Das 34 posições de check-in, apenas três estavam em uso ontem e na sexta-feira -de manhã, nos dois casos. A ociosidade atinge também o MOP, área de embarque criada em 2011 em Cumbica, como mostrou a Folha em janeiro. O local ficou conhecido por "puxadinho".

No terminal 4, a saída para a rua fica tranquila a maior parte do dia, exceção ao movimento dos ônibus que transportam gratuitamente os passageiros para os dois terminais de dez em dez minutos. De tão vazio, os taxistas locais foram liberados para ir para o novo terminal quando quiserem; há 40 vagas.

 

Em geral, os taxistas ficam no terminal 4 enquanto não chega a vez de irem para os terminais 1 e 2, onde a espera pela vez chega a quatro horas. "A demanda é pequena ainda, por isso não há a obrigatoriedade", diz Gilberto Niskolci, diretor da Guarucoop, cooperativa que atua ali.

O terminal 4 custou R$ 85,7 milhões. A obra começou em 2011, feita pela construtora Delta, contratada sem licitação por ser considerada emergencial. A Justiça chegou a paralisar a obra, mas a Infraero justificou o risco de "caos aéreo" no final daquele ano, o que não aconteceu. Disse ainda na ocasião que o terminal era importante para a Copa.

 

O fim da ociosidade do terminal 4 depende do acordo entre a Infraero e a Gol. Desde 2011, a empresa negocia a transferência de toda a sua operação doméstica para o novo terminal. A Infraero dava como certa a ida da Gol para o terminal até 1º de março, o que não ocorreu. Haverá uma reunião na semana que vem para tratar do tema. A Folha apurou que a Gol impôs exigências, entre elas a mudança da operação internacional da companhia do terminal 2 para o 1.

Essa mudança daria mais comodidade aos passageiros em voos de conexão, pois o terminal 1 é o mais próximo do recém-aberto. Mas isso depende de que uma empresa aérea internacional se disponha a trocar de lugar com a Gol.

fonte: Mariana Barbosa e Ricardo Gallo para a Folha de São Paulo, via CECOMSAER 14 mar 2012

Link to comment
Share on other sites

GRU está ocioso! Maravilha!

 

:macumba:

Ontem a ociosidade era tanta que as aeronaves aguardavam até uma hora por um gate,sem contar as órbitas próximas da terminal SP.

Link to comment
Share on other sites

Eu passei por lá no dia 11/03, voltando para POA e não estava tão vazia a sala de embarque!

 

isso que eram apenas 3 voos saindo naquele horário...

Link to comment
Share on other sites

E lá vem a palavra "ocioso" de novo, e o pior, vindo da imprensa. Isso significa que, quando nossos aeroportos forem finalmente ampliados de verdade, terão que imediatamente chegar ao limite, senão, estarão ociosos...

 

Um dia, aqui no Brasil, quando foi feita uma ampliação em um grande aeroporto, choveram críticas como "elefante branco", "ocioso" e outras besteiras. E hoje, justamente este aeroporto é o que tem mais espaço para crescer!!!

 

Pena que na mesma época outros aeroportos não foram ampliados, pois nossa situação seria muito diferente hoje. Mas o problema é a nossa mentalidade, infelizmente. E pelo jeito isso é muito difícil de mudar.

Link to comment
Share on other sites

Na minha opinião deveriam ir para o tps4 além da web, a avb, a paz e a trip, que são empresas "pequenas" sem o problema de conexões internacionais..

 

Seria o ideal! O problema é que dependemos de quem mesmo ?

Link to comment
Share on other sites

Poisé... a notícia fala de capacidade ociosa como se fosse algo ruim.

 

Essa imprensa é de dar tristeza mesmo... aí quando (se) a Gol passar as operações domésticas pra lá, vamos ver novo artigo da imprensa reclamando que:

1) com a transferência dos vôos da Gol, o novo terminal já se encontra além da capacidade

2) o incômodo para passageiros da Gol com conexão internacional é muito grande, pois será necessário trocar de terminal de ônibus

 

Ou seja: sempre vai ter algo pra reclamar.

 

Quem gosta de aviação e é da região de BH nunca vai esquecer de Confins sendo chamado de "elefante branco" durante muitos anos...

Link to comment
Share on other sites

Na minha opinião deveriam ir para o tps4 além da web, a avb, a paz e a trip, que são empresas "pequenas" sem o problema de conexões internacionais..

 

Concordo! Porém tiro a Avianca desta lista. A empresa tem conexões intnacionais com a Colombiana.

Mas a Passaredo e TRIP poderiam ir sem problemas.

Link to comment
Share on other sites

De fato, parece que a imprensa perdeu o bom senso ou não tem mesmo o que falar.

 

É perfeitamente compreensível que esteja "ocioso", pois apenas uma empresa está operando lá, e faz praticamente apenas um mês desde que abriu. É normal que as coisas ainda não estejam a "pleno vapor". E eu diria até que é um ponto positivo, pois se já estivesse super lotado seria um sinal que foi muito mal planejado. Apenas um mês de operações e com uma empresa só e já não está dando conta, aí sim teria do que reclamar!

Link to comment
Share on other sites

Concordo! Porém tiro a Avianca desta lista. A empresa tem conexões intnacionais com a Colombiana.

Mas a Passaredo e TRIP poderiam ir sem problemas.

 

A Trip tem conexões internacionais com a TAM. É possível que a Passaredo também tenha com a Gol... e aí, como fica?

O fato é que se for pra mover alguém, movendo as três menores afetaria menos gente, apesar de que, ainda assim, causaria transtorno pra alguns...

Link to comment
Share on other sites

Na minha opinião deveriam ir para o tps4 além da web, a avb, a paz e a trip, que são empresas "pequenas" sem o problema de conexões internacionais..

 

A questão é que a somatória das operações e pax dessas empresas é pouco expressiva, ou seja não causaria impacto no movimento dos atuais terminais, e não utilizaria nem 50% da estrutura que foi montada lá em caracter de urgência para desafogar o terminal.

 

Alguma empresa de maior expressividade tem que ir pra lá...

Link to comment
Share on other sites

 

A Trip tem conexões internacionais com a TAM. É possível que a Passaredo também tenha com a Gol... e aí, como fica?

O fato é que se for pra mover alguém, movendo as três menores afetaria menos gente, apesar de que, ainda assim, causaria transtorno pra alguns...

 

Foi exatamente isso que pensei, se for levar a fundo, todas teriam "conexões" internacionais com as maiores, porém o número de conexões AVB x AVA (2 voos), TRIP x TAM (nro de pax pequeno) e PAZ x GOL (nro pax pequeno) é bem menos expressivo do que "TAM x TAM" ou GOL x GOL" (grande nro pax). Levando as 4 "pequenas" para o tps4, com certeza o transtorno e o nro de pax afetado seria o bem menor do que levar uma das "grandes".

 

 

 

A questão é que a somatória das operações e pax dessas empresas é pouco expressiva, ou seja não causaria impacto no movimento dos atuais terminais, e não utilizaria nem 50% da estrutura que foi montada lá em caracter de urgência para desafogar o terminal.

 

Alguma empresa de maior expressividade tem que ir pra lá...

 

Discordo da sua afirmação, pois com as 4 "pequenas" no tps4, e passando parte das operações domésticas de uma das "grandes" (GOL ou TAM) para o atual MOP (ou puxadinho, como queiram) acredito que desafogaria o tps 1 (se for TAM) ou 2 (se for GOL).

 

Passando os pax das 4 para o tps4 libera mais espaço nos tps 1 e 2, e uma das grandes passando a utilizar o mop para voos domésticos, tira ainda mais pax dos terminais principais. Claro que tudo isso terá de ser seguido por um remanejamento das estrangeiras para melhor aproveitamento dos check-ins liberados nos tps 1 e 2.

 

E antes que alguém diga que passar uma das grandes para o mop teria o mesmo problema de conexões internacionais se elas fossem para o tps 4, discordo totalmente, pois o mop faz parte dos tps1 e 2, ou seja, o deslocamento do mop para o tps 1 e 2, ou vice-versa, é muito mais fácil e rápido do que do tps4.

 

Espero que tenham entendido o que quero dizer, pois escrevendo parece meio confuso... heheheheh

 

Ah, e não quero começar nenhuma discussão, apenas estou espondo minha opinião que não é a mesma que a sua. Tenho direito de discordar da sua, como vc tem o direito de discordar da minha opinião.

 

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

Ja estamos tao acostumados com aeroportos congestionados que, quando tem um terminal um pouco mais vazio, acabamos chamando de ocioso. Lamentavel!

 

:ranting_1:

Link to comment
Share on other sites

Entendi que a crítica se refere a estar ocioso enquanto os outros terminais estão saturados, isto é, deixaram para resolver quem se mudaria depois que ficou pronto.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade