Jump to content

TV espanhola inicia polêmica discussão sobre a segurança da RYANAIR


747SBKP

Recommended Posts

Son seguras las líneas aéreas de bajo coste?

<p class="numComentariosRedesSociales" style="margin: 0px 0px 15px; padding: 6px 0px 10px; border-width: 1px 0px; border-top-style: solid; border-bottom-style: solid; border-top-color: rgb(204, 206, 209); border-bottom-color: rgb(204, 206, 209); outline: 0px; font-size: 16px; vertical-align: baseline; background-color: transparent; font-family: arial; overflow: hidden; color: rgb(0, 0, 0); line-height: 16px; ">Sé el primero en comentar

 

 

Ahora Marta

|09.09.2012

 

 

 

La compañía de bajo coste Ryanair vuelve a estar en el centro de la polémica por los continuos y graves incidentes que han ocurrido últimamente en sus vuelos: aterrizajes de emergencia, despresurizaciones, alarmas que no funcionan... Parece que las low cost no deberían ser low security, y de eso hemos hablado con Iván Gutiérrez, director técnico del Colegio de Pilotos COPAC, Pilar Vera, presidenta de la Asociación de Afectados del vuelo JK5022 de Spanair, y Álvaro Gammicchia, piloto experto en investigación de accidentes.

 

Vejam o vídeo de cerca de 15 minutos.

 

 

http://www.telemadrid.es/?q=programas/ahora-marta/%C2%BFson-seguras-las-lineas-aereas-de-bajo-coste

 

 

Link to comment
Share on other sites

Matéria sobre a segurança da Vueling ninguém faz né?!

 

Esse sentimento nacionalista que tem tomado conta da Espanha já cansou! Tá na hora deles colocarem o pé no chão e perceber que grande parte dos problemas deles, é por culpa deles mesmos e não dos outros.

Link to comment
Share on other sites

Matéria sobre a segurança da Vueling ninguém faz né?!

 

Esse sentimento nacionalista que tem tomado conta da Espanha já cansou! Tá na hora deles colocarem o pé no chão e perceber que grande parte dos problemas deles, é por culpa deles mesmos e não dos outros.

 

O problema que culpar os outros é muitttooo mais fácil!! Rir do umbigo sujo do outros é bem divertido e fácil, quero ver lavar o próprio umbigo!!

Link to comment
Share on other sites

Sinceramente, tenho muitos amigos que voam na Ryanair, e segurança não é um problema na empresa. Eles se surpreendem como uma empresa com gente de toda parte trabalhando consegue rodar tão bem operacionalmente, Aliás, a JAA jamais deixaria voar uma empresa com problemas de segurança.

 

O que pega na Ryanair é que ela deve incomodar muita gente: empresas estatais e privadas de outros países entre elas. Daí, qualquer coisa que acontece no tocante à segurança, mesmo que a empresa não tenha tido culpa, vira um caso de grande repercussão.

 

A empresa tem seus defeitos, o Michael O'Leary faz declarações polêmicas para ganhar publicidade gratuita, as pessoas reclamam de muita coisa, mas no final todo mundo viaja com ela aproveitando suas tarifas baixíssimas.

Link to comment
Share on other sites

Mat鲩a sobre a seguran硠da Vueling ningu魠faz n鿡

 

Esse sentimento nacionalista que tem tomado conta da Espanha jᠣansou! Tᠮa hora deles colocarem o p頮o ch㯠e perceber que grande parte dos problemas deles, 頰or culpa deles mesmos e n㯠dos outros.

 

Tirou as letras do meu teclado. Foi ate mesmo aqui no CR falado sobre os pilotos que nem falar ingles falavam e que seguiam proas contrarias que o controlador falava.

Voei de Vueling 1 vez pra nunca mais, teve troca de malas, eles tinham como acionar a pessoa que ficou com minha mala pq eu fiquei com a mala da pessoa, no final, eu achei a pessoa (pelo nome da etiqueta) no facebook e troquei com ela as malas. E a vueling demorou 2 semanas pra nao dar resposta nenhuma.

Mandei uma carta de reclamacao (o que e normal na holanda que eu vivo) e nao tive nenhuma resposta.

 

 

Sent from my iPad using Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Só posso fazer coro ao pessoal; a Espanha segue um péssimo caminho nesse ramo, ao invés de melhorar suas empresas fica procurando motivo para prejudicar (ou tentar) as concorrentes. Isso serve só para massagear os egos nacionalistas idiotas da população, mas não resolve o problema nem de longe. Aliás, qualquer semelhança com a Argentina não é mera coincidência.

Link to comment
Share on other sites

Aliás, qualquer semelhança com a Argentina não é mera coincidência.

 

Eu ia comentar algo parecido, mas como já tinha dado a primeira "paulada", preferi não dar duas de uma vez só.......rsrsrsrsrsrsrsrs

Link to comment
Share on other sites

Só posso fazer coro ao pessoal; a Espanha segue um péssimo caminho nesse ramo, ao invés de melhorar suas empresas fica procurando motivo para prejudicar (ou tentar) as concorrentes. Isso serve só para massagear os egos nacionalistas idiotas da população, mas não resolve o problema nem de longe. Aliás, qualquer semelhança com a Argentina não é mera coincidência.

Gostei principalmente da parte em negrito ;)

Link to comment
Share on other sites

N㯠sei porque os hermanos das am鲩cas e da europa ficam com esse topete t㯠alto, s㯠melhores que o resto do mundo? Fica o pensamento.

 

Os melhores do mundo em se individar hahahaha

 

 

Sent from my iPad using Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Luisa Belchior

 

Diário Ibérico

12062377.jpeg

PerfilLuisa Belchior é correspondente-colaboradora em Madri

Leia mais

 

 

 

Ryanair em guerra com a Espanha



24/08/12 - 10:37

POR LUISA BELCHIOR

 

Quem já viajou de Ryanair sabe: passagens baratas, cadeiras apertadas, bagagem de mão bem pequena, cartão de embarque impresso em casa e multas bem caras por esquecer-se alguma das muitas regras.

Todos os verões europeus prometo a mim mesma que evitarei viajar com a “low cost” irlandesa, mas a possibilidade de comprar passagens em cima da hora a preços bem melhores sempre me faz descumprir a promessa. Este mês, no entanto, pensei duas vezes.

Isso porque o governo espanhol acusou a companhia irlandesa de voar com combustível abaixo do nível mínimo exigido. Madri abriu, assim, uma guerra com a low cost, que ganhou o respaldo dos governos de quase toda a Europa criando rotas para reativar o turismo de vários destinos por aqui.

Depois de a companhia fazer dois pousos de emergência por uma tempestade que fechou o aeroporto de Madri, o governo espanhol fez uma inspeção que revelou a falta de combustível nas aeronaves. O presidente da Ryanair, Michael O’Leary, rebateu a crítica com o argumento de que a prática é normal entre muitas companhias. No dia seguinte, a agência de aviação espanhola negou a praxe, e agora estuda sanções à irlandesa.

Eu li a notícia enquanto fazia hora no aeroporto no início de uma manhã para um voo…da Ryanair. Desejei muito não ter espiado os jornais antes de voar, mas, ao aterrissar sã e salva no meu destino, voltei ao assunto.

Só neste verão, já subi (e, felizmente, desci!) duas vezes em um avião da “low cost” –e não descarto fazê-lo novamente. É que, muitas vezes, voar pela companhia compensa pelo preço. Sempre, claro, que você tenha ciência de todas as muitas normas da irlandesa, que faz de tudo para embolsar uns trocados a mais dos passageiros desavisados e, com isso, compensar o preço baixo das passagens.

Um amigo do Rio que passava férias por aqui na semana passada teve que pagar 80 euros por míseros 4kg a mais que levava na sua bagagem. Isso só para mencionar a história mais recente, porque os casos meus e de conhecidos com a Ryanair rendem um livro.

Os mais clássicos, e cômicos, são os de vestir roupas por cima de outras para aliviar o peso da bagagem e não pagar multa. Eu mesma já coloquei saia por cima de calça e dois casacos para passar pelos olhares rigorosos dos funcionários dos portões de embarque.

Quando minha mala vai apertada, e para escapar de não poder levar bolsa –já que a companhia só permite um volume dentro do avião, seja ele uma mala ou uma câmera fotográfica pendurada no pescoço–, enfio carteira e celular no bolso, escondo o iPad no meio do jornal, que eles deixam passar na mão, e esmago a bolsa vazia na mala. Uma vez no avião, refaço novamente a bolsa.

Dentro das aeronaves da Ryanair, confesso que, em voos mais curtos, de até uma hora e meia, não vejo muita diferença para outras companhias. Você senta, aperta o cinto, lê a revistinha da companhia, desafivela o cinto, levanta e vai embora. Já nos mais longos, de duas horas ou mais, eu começo a notar o peso da “low cost”.

As costas doem com a poltrona que não reclina. A fome aperta pela resistência em pagar caro por lanches ruins. E nem tente dormir por mais de 15 minutos, que é mais ou menos a frequência com que os comissários de bordo anunciam promoções da companhia. Acredite, elas vão de cigarros que não soltam fumaça a rifas.

Nos aeroportos, quem viaja de Ryanair também tem que ir preparado, mesmo para os que não despacham malas e levam o cartão de embarque já impresso –outra exigência da “low cost” sob pena de multa de 60 euros. Os passageiros que não sejam cidadãos da União Europeia têm de passar por um controle de passaporte nos balcões da Ryanair, algo que apenas a companhia exige. E, se por um deslize, você tiver que pagar alguma multa, será preciso fazê-lo depois de enfrentar uma fila de quem também caiu na armadilha.

Em alguns aeroportos, para agilizar, a companhia colocou máquinas de pagamento automático. Estas abaixos, que eu registrei no início do ano, são de Londres.

foto-44.jpg

Apesar de todos os contras, o faturamento das “low cost”, Ryanair incluída, cresceu 35% em 2011, mesmo com a crise, segundo estudo de uma consultora inglesa. Só nos aeroportos espanhóis, elas já representam mais da metade dos voos de saída e chegada.

Em julho, no entanto, começou o revés da Ryanair aqui na Espanha. Primeiro, a subida das taxas de aeroporto fizeram a companhia cancelar 15 rotas e reduzir a frequência de outras 46 no país. Depois, em agosto, o governo abriu a guerra pela falta de combustível que, pelo visto, está apenas começando.

No meio dela, vocês topariam voar com a companhia?

 

 

 

http://luisabelchior.blogfolha.uol.com.br/2012/08/24/ryanair-em-guerra-com-a-espanha/

Link to comment
Share on other sites

pl.logo.publico.print.jpg

 

El presidente de Ryanair acusa a Fomento de participar en la campaña de desprestigio contra su empresa

 

Volver a la noticia

 

Michael O'Leary envió una carta a la ministra Ana Pastro en la que se defiende de las acusaciones sobre su 'low seguridad': "Seguimos los mismos protocolos que Iberia o Vueling; es decir, los que marca la legislación europea"

 

PÚBLICO.ES MADRID 11/09/2012 17:32 Actualizado: 11/09/2012 18:38

 

 

1347381159923olearydn.jpg

 

Michael O'Leary, presidente de Ryanair. (Foto de Archivo) EFE

 

 

"¿Por qué Fomento filtra información a los medios españoles sobre nuestros incidentes y no sobre los de las compañías españolas?". Con esta pregunta, el presidente de Ryanair, Michael O'Leary ha pedido explicaciones a la ministra de Fomento, Ana Pastor, sobre

las recientes publicaciones que acusan a su compañía de no cumplir con las condiciones de seguridad necesarias para volar.

 

De hecho, O'Leary asegura que la información emitida ayer por el diario El Mundo, en la que se asegura que

Ryanair ha acumulado 1.201 incidentes en seis meses está manipulada. En ese dato, asegura el presidente de la compañía, se incluyen "se combinan deliberadamente reclamaciones relacionadas con la seguridad con otras con la normativa de equipajes" y otros aspectos relacionados con la legislación irlandesa. O'Leary acusa, así, a la Agencia Española de Seguridad Aérea (AESA) -presunta fuente de la que procede la información de El Mundo- de falsificar datos relacionados con su compañía.

Asimismo, involucra al Ministerio de Fomento como cómplice de una campaña de desprestigioque pretende "dañar el buen nombre de Ryanair y los 28 años que ha ostentado el récord de securidad entre las compañías aéreas de Europa". "Iberia y Vueling tienen nuestras mismas rutinas de seguridad y acumulan el mismo número de incidentes en relación a número de vuelos, pero no están puestos en el punto de mira de los medios españoles como nosotros", continúa O´Leary.

El presidente de la compañía respondió así a las

declaraciones realizadas ayer por Ana Pastor , que anunció sus pretensiones de pedir más competencias a la UE respecto a las "compañías aéreas extranjeras" para poder endurecer las sanciones impuestas a quien no cumpla la normativa. "No vamos a permitir que haya low security", sentenció ayer la ministra.

 

"Los pilotos de Ryanair cumplen con la normativa de la UE", defiende O'Leary

 

"Ryanair no es una compañía extranjera; es una compañía europea, con las mismas obligaciones que otras compañías europeas como Iberia, Vueling, Lufthansa o Air France", replica O´Leary en su carta. "Como la mayor compañía de Europa,

nos encontramos con incidentes, pero en todos los casos, los pilotos de Ryanair cumplen por completo con las normas de seguridad de la UE", continúa la misiva.Por último, asegura que los últimos aterrizajes de emergencia por falta de combustible están siendo investigados por las fuerzas de seguridad europeas.

 

 

© Diario Público.

Calle Caleruega nº 104, 1ª planta. Madrid 28033.

Teléfono: (34) 91 8387641

 

 

 

http://www.publico.e...sion-imprimible

Link to comment
Share on other sites

Falam tão mal da Ryanair, mas foi a unica companhia a investir em voos diretos proximos a minha cidade nos cafundos da Holanda. Tudo bem que sao 3 semanais, as vezes 2, mas por favor, a KLM e as outras "tradicionais" nao o fazem. Eu posso voar Groningen X .... direto, quando que normalmente eu teria que enfrentar 1 hora e meia de carro até schiphol e pagar o quadruplo do preco, mais estacionamento e afins. Pra quem mora no interior da europa sabe que a Ryanair é vantagem....

Link to comment
Share on other sites

Mes q vem embarco num avi㯠da Ryanair. Paguei 1 real a passagem de KRK para BUD e 60 reais pelo despacho de uma mala. Mesmo assim ainda saiu mais barato. E por 1 real a passagem eu quero + o que? Lanchinho quente, cerveja, mala despachada, assentos espa篳 e confortaveis? Ia ser d+ ja.

 

Enviado de meu XT910 usando o Tapatalk 2

Link to comment
Share on other sites

Espanha tá precisando é ficar quietinha na dela, não tem atrativo nenhum, vivem reclamando de tudo, e o lugar é tão bom que a montadora de bandeira espanhola vai virar alemã porque a Volks vai fechar a fábrica da SEAT para fazer os mesmos em Wolfsburg.

Link to comment
Share on other sites

o legal da 2ª reportagem do tópico é que a moça falou das "incoveniências" da Ryanair, mas afirma categoricamente que nunca a tira da lista como uma alternativa "barata e boa" pra usar..

 

.. isso é suficiente pra Irlandesa .. "falem mal mas falem de mim"

-----------

 

já a Iberia e a Vueling..

Link to comment
Share on other sites

Olha, também evito viajar de FR.

 

Low cost do jeito que eles fazem é fácil, o cliente que se vire com todas as externalidades.

 

"Ah eles voam para o interior", sim, só para o interior praticamente, tem que morrer um busão demorado até a cidade que você queria ir. Tipo Paris Beauvais

 

Ah e se eu perder a conexão, mesmo por que seja por culpa deles tenho que pagar taxa e remarcar? Aham Cláudia senta lá

 

E graças as "negociações agressivas" que a Ryanair teve com a Boeing e Airbus hoje ninguém quer olhar pra cara do Sr MOL, quer comprar vai ser o preço de tabela.

 

Que as companhias possam aprender com a Ryanair, pois provavelmente fazem muita coisa certa, mas não quero ser tratado como gado nem fazer o serviço deles como imprimir cartão de embarque.

Link to comment
Share on other sites

Caríssimo raverbashing:

 

Enquanto as "fucking" LC / LF e a mencionada cia. nos fazem passar por alguns contrangimentos... como imprimir o próprio cartão de embarque...

Aqui já temos que imprimir o próprio cartão do plano de milhagem e SORRIR (amarelo ou melhor laranja) para ser atendido por alguma empresa parceira no exterior. Mesmo FQTV com o status máximo do programa que oferecem é o preço da economia porca.

Paciência, é a opção por não ter uma alternativa no mercado com bons antecedentes históricos.

 

Saudações!

Link to comment
Share on other sites

O problema é que nós brasileiros estamos mal acostumados com viagem aérea! Na verdade vc está pagando pelo transporte de pessoas. Ou seja do ponto A ao ponto B!

 

Assim como o ônibus! Vc paga para ir de A até B e eles só fazem isso! Não te dão lanchinho em viagem de 6 hrs também. Eles param num posto de gasolina que é da conveniência deles e é lá que vc vai pagar para comer! Qual o problema de uma Cia aérea fazer isso? Quel o problema de uma cia. aérea cobrar pelos serviços adicionais de levar um passageiro do ponto A para o ponto B?

 

Não vejo problema nenhum, desde que tudo isso seja bem claro antes do passageiro comprar o bilhete. O que pra mim é bem claro na Ryanair!

Link to comment
Share on other sites

Só que a Espanha precisa se dar conta que tem muito a ganhar com o turismo já que esses voos baratos são ótimos para trazer turistas para lá. A Iberia que é um lixo é que deveria mudar. A Cretina, digo Cristina, Kirchner se mudou para a Espanha e esta governando por lá??

Link to comment
Share on other sites

Olhe, não moro na Europa, mas as vezes q viajo pra lá sempre voo com a FR. E posso usar inúmeras palavras pra descrever a experiência de voo com eles, desde eficiência, falta de simpatia, irredutibilidade nas regras... Mas uma coisa q sempre me transmitem é segurança, no conceito safety e security! Concordo com os que escreveram que isso nada passa de campanha do governo espanhol, achando q é mais fácil derrubar a FR do q melhorar a IB...

 

Sobre a FR voar pro interior, isso é excelente! Voar pra Lourdes, Bratislava, sem precisar pegar ônibus, não tem preço! Ou melhor, tem sim, e é muito baixo, pela FR!! Viva o MOL!!!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade