Jump to content

Justiça condena MatlinPatterson a pagar R$ 92 milhões à Gol


C010T3

Recommended Posts

Justiça condena fundo a pagar R$ 92 milhões à Gol

 

Por Bárbara Mengardo | De São Paulo

Valor Econômico - 17.10.2012

 

A 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve uma sentença arbitral que condenou o fundo americano MatlinPatterson Global Opportunities Partners a pagar R$ 92 milhões à companhia aérea Gol. O valor seria referente a uma diferença no valor da Varig Linhas Aéreas, adquirida pela Gol em 2007.

 

O fundo americano, por meio da VarigLog - unidade de logística e transporte de cargas da Varig -, administrou a companhia aérea após a aprovação de sua recuperação judicial, vendendo-a posteriormente à Gol. De acordo com o advogado Flávio Pereira Lima, do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados, que defende a Gol, após a aquisição, constatou-se que o balanço referência para determinar o valor do negócio estava adulterado. O problema foi, então, levado à arbitragem. "O fundo subtraiu passivos e aumentou ativos para induzir a Gol a pagar mais pela Varig", afirma.

 

De 2007 a 2010, a questão foi debatida em um tribunal arbitral nos Estados Unidos. O valor estabelecido no fim do julgamento, de R$ 92 milhões, refere-se à diferença entre a avaliação real da Varig e o que foi pago pela Gol. Atualizado, de acordo com Flávio Lima, o montante deve superar a casa dos R$ 100 milhões.

 

Para anular a sentença arbitral, o MatlinPatterson entrou com uma ação na 8ª Vara Cível do Fórum Central de São Paulo. O fundo alegava não ter assinado o contrato de venda da Varig que previa a cláusula arbitral, firmado entre a Gol, a VarigLog e a Volo do Brasil, que seria formada pelo MatlinPatterson e três sócios brasileiros.

 

Em primeira instância, entretanto, o juiz Helmer Augusto Toqueton Amaral entendeu que o fundo aderiu à cláusula arbitral ao assinar um aditivo do contrato. Dessa forma, a sentença arbitral seria válida.

 

O advogado da MatlinPatterson, Pedro Soares Maciel, do escritório Veirano Advogados, questiona a decisão, que foi mantida pelo TJ-SP. "O fundo não assinou a cláusula de arbitragem. Só um contrato que continha unicamente uma cláusula de não concorrência com a Gol. O fato de ter sido anexado ao contrato, não faz dele um aditamento, pois não modificou os termos do documento", diz Maciel, acrescentando que o fundo irá recorrer da decisão.

 

O advogado preferiu não comentar a sentença arbitral que condenou o fundo ao pagamento de R$ 92 milhões. "Infelizmente, a briga de mérito já está ultrapassada", afirma.

 

Paralelamente, tramita nos Estados Unidos uma ação em que a Gol pede o cumprimento da sentença arbitral e o pagamento dos R$ 92 milhões. Nesse caso, entretanto, a Justiça americana entendeu inicialmente que o aditamento seria apenas um anexo ao contrato, e o MatlinPatterson não teria assinado a cláusula que previa a arbitragem.

 

http://www.valor.com...-92-milhoes-gol

Link to comment
Share on other sites

Esse fundo usou de tudo quanto é método e artimanha juridica para esfolar as contas da Log e demais empresas onde a MP entrou como sócia.Seria interessante pelo menos uma vez vermos essa turma receber uma cobrança desta.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade