Jump to content

Kingfisher Airlines perde licença


Gabriel A. Camilo

Recommended Posts

Em inglês:

 

(Reuters) - Kingfisher Airlines' licence was suspended on Saturday after it failed to address the Indian regulator's concerns about its operations, forcing the debt-laden carrier to stop taking bookings.

Controlled by Vijay Mallya - the self-styled "King of Good Times" - and seven months behind on salary payments among other missed bills, Kingfisher's fleet has been grounded since the start of the month when a staff protest turned violent.

The airline, which has never made a profit since being founded in 2004 and reeling under $1.4 billion of debt, will have its licence reinstated if it provides a plan that satisfies the Directorate General of Civil Aviation (DGCA).

A complete cancellation of the licence was unlikely, said a government source, who declined to be named as he is not permitted to speak to the media.

The company's steep decline has underlined the problems of operating in India's airline sector, where players grappling with rising fuel costs face aggressive pricing caused by overcapacity.

The suspension signalled the regulator's lack of patience with Kingfisher after months of cancelled flights and staff walkouts, and marked a rare tough stance by the government against a high-profile corporate.

"The actual position is not changed because of this order," Kingfisher said in a statement. "We have, in any case, always maintained that once the issues with the employees are resolved, we will first present our resumption plan to DGCA for review, before resuming operations".

Kingfisher, which had previously suspended all bookings before November 6, said it would cease taking any reservations until operations resumed.

Mallya, a liquor baron who owns a Formula 1 motor-racing team, is famous for lavish parties at his $16 million beachside villa in Goa and also his company's annual swimsuit calendar.

The licence suspension, until further notice, was announced by Arun Mishra, director general at the DGCA.

The move had been widely expected after Kingfisher failed to respond properly to queries from the regulator regarding its ability to provide a "safe, efficient and reliable service".

"The suspension of Kingfisher's licence is unfortunate but not unexpected," Amber Dubey, director, aerospace and defence at KPMG India, said in a statement. "Kingfisher's ability to bounce back from this situation appears challenging."

Kingfisher's woes will likely help rivals such as Indigo and SpiceJet by lowering capacity on key routes.

The airline had said on Friday it expected to begin flying again on November 6 if the government approved its plan to resume operations.

The Centre for Asia Pacific Aviation has said a fully funded turnaround for Kingfisher would cost at least $1 billion.

(Writing by Henry Foy; Editing by Dan Lalor)

Tradução (Por Google Tradutor):

(Reuters) - Kingfisher Airlines licença foi suspensa no sábado, depois que não conseguiu lidar com as preocupações do regulador indiano sobre suas operações, obrigando a transportadora endividada para parar de tomar reservas.

 

 

Controlado por Vijay Mallya - o auto-intitulado "Rei do Good Times" - e sete meses atrás em pagamentos de salários, entre outras contas perdidas, a frota Kingfisher foi aterrada desde o início do mês, quando um protesto pessoal se tornou violento.

 

A companhia aérea, que nunca teve um lucro desde que foi fundada em 2004 e cambaleando menos de US $ 1,4 bilhão de dívida, terá sua licença reintegrado se ele fornece um plano que satisfaça a Direcção Geral de Aviação Civil (DGCA).

 

Um total cancelamento da licença era improvável, disse uma fonte do governo, que não quis ser identificado porque não é autorizado a falar com a imprensa.

 

Declínio acentuado da empresa sublinhou os problemas de operação no setor de companhias aéreas da Índia, onde os jogadores lutam com o aumento de combustíveis enfrentar agressiva de preços causada por excesso de capacidade.

 

A suspensão assinalou falta do regulador de paciência com Kingfisher depois de meses de voos cancelados e greves de pessoal, e marcou uma postura rara dura do governo contra uma empresa de alto perfil.

 

"A posição atual não é alterado por causa dessa ordem", Kingfisher, em um comunicado. "Nós, em qualquer caso, sempre sustentou que uma vez que os problemas com os empregados são resolvidos, vamos primeiro apresentar o nosso plano de retomada para DGCA para revisão, antes de retomar as operações".

 

Kingfisher, que já havia suspendido todas as reservas antes de 06 de novembro, disse que deixaria de tomar quaisquer reservas até que as operações retomadas.

 

Mallya, um barão de bebidas que possui uma equipe de Fórmula 1 automobilismo, é famosa por partidos pródigos em sua 16 milhões dólares villa praia em Goa e também de sua empresa calendário anual maiô.

 

A suspensão da licença, até nova ordem, foi anunciado por Arun Mishra, diretor-geral da DGCA.

 

A medida tinha sido amplamente esperada depois Kingfisher não conseguiu responder corretamente às perguntas do regulador quanto à sua capacidade de fornecer um "serviço seguro, eficiente e confiável".

 

"A suspensão da licença Kingfisher é infeliz, mas não inesperada," Amber Dubey, diretor, aeroespacial e de defesa da KPMG Índia, disse em um comunicado. "A capacidade da Kingfisher para se recuperar dessa situação parece desafiador".

 

Desgraças Kingfisher provavelmente vai ajudar a rivais como Índigo e SpiceJet, diminuindo a capacidade em rotas fundamentais.

 

A companhia aérea tinha dito na sexta-feira que espera começar a voar de novo em 6 de novembro se o governo aprovou seu plano para retomar as operações.

 

O Centro de Aviação da Ásia Pacífico disse uma reviravolta totalmente financiado por Kingfisher custaria pelo menos US $ 1 bilhão.

 

(Reportagem de Henry Foy; edição por Dan Lalor)

 

Fonte: Reuters India

 

R.I.P. Kingfisher Airlines! :hypocrite:

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade